Presidente do PT no Recife questiona posicionamento de Marília sobre armar a Guarda Municipal

Em manifestação de caráter pessoal, o presidente do PT no Recife, Cirilo Mota (PT), rebateu, mais uma vez, um posicionamento da candidata à Prefeitura do Recife do seu partido, Marília Arraes (PT). Em live com o ex-ministro Fernando Haddad, Marília voltou a dizer que não vê problema em discutir o armamento da guarda municipal da cidade, mas que o debate sobre segurança pública não poderia ficar estrito ao tema. 

Em resposta, o dirigente disse que o PT possui internamente uma posição contrária a de Marília Arraes, por meio do Setorial de Segurança Pública. “Eu, como militante do Movimento Negro e de Direitos Humanos, resgato os intensos debates realizados nas Conferências da SENASP – ocorridas nos governos de Lula e Dilma - sobre esta questão, onde colocamos em pauta; Guarda Cidadã; Treinamento em defesa pessoal; capacitação em Direitos Humanos e Prevenção da Violência”, bateu.

O petista citou o caso do armamento da guarda de Salvador, onde não houve, segundo ele queda nos índices de violência para justificar a iniciativa. “Hoje a cidade de Salvador (BA) tem uma Guarda Armada e os índices de violência lá não tiveram queda. Em Salvador temos uma candidata à prefeita, mulher e negra - Major Denise -, que na época desse debate na capital Baiana teve um posicionamento contrário ao Armamento da Guarda, e que, atualmente, continua a defender as diretrizes de uma Guarda Cidadã”, afirmou.

O dirigente ainda sugeriu que a prefeiturável tivesse uma conversa com a candidata à Prefeitura de Salvador, Major Denise, do PT, para mudar sua opinião sobre o tema. “Possivelmente uma conversa entre Major Denise e Marília Arraes fizesse entender que a lógica de quanto mais ARMAS - proposta defendida pelo governo Bolsanaro - mais vítimas negras, mulheres e pessoas em situação vulnerável vão fazer parte desta estatística de extermínio de nossa população”, defendeu.