PT decide entregar os cargos no Governo Paulo Câmara e adota postura de independência na Alepe

O Partido dos Trabalhadores decidiu deixar os cargos que ocupava na gestão do governador Paulo Câmara (PSB). A partir de agora, a bancada petista também passa a adotar uma postura de independência na Assembleia Legislativa de Pernambuco. Nota, assinada pelo presidente do PT de Pernambuco, Doriel Barros, avalia como "inaceitável, desrespeitoso e incompatível" o tratamento que a agremiação recebeu no pleito municipal e ainda "incompatível com o histórico do relacionamento de nível elevado" entre as siglas.

Após um longo debate interno e uma disputa acirrada pela Prefeitura do Recife, a legenda afirma que a posição não é fruto de "divergências administrativas" e "considera estar cumprindo os compromissos celebrados no programa de governo referendado em 2018 pela população pernambucana". 

O texto ainda ressalta que tampouco houve manifestação da direção nacional do PT de interesse de preservar a participação da sigla no governo "como espaço facilitador de conversas entre as duas siglas em nível nacional".

Nota sobre a entrega de cargos ao Governo do Estado

Como resultado de debates internos sobre a continuidade da participação do Partido dos Trabalhadores  no Governo do Estado, decidimos deixar os cargos que o PT ocupa na atual gestão(PSB-PE).

Nossa participação na gestão foi uma decorrência natural da aliança que celebramos com o PSB em 2018 e que teve resultados extremamente positivos para ambos os partidos, entre os quais as reeleições  do governador Paulo Câmara no primeiro turno e do senador Humberto Costa, além da significativa contribuição ao desempenho eleitoral de Fernando Haddad no primeiro e segundo turnos das eleições presidenciais.

Ao longo desses dois anos, o PT contribuiu de forma decisiva para o sucesso da administração estadual, desenvolvendo políticas públicas com criatividade, competência e compromisso com a maioria da população, especialmente no segmento da agricultura familiar. Implantamos um trabalho que, se continuado,  permitirá a colheita de importantes frutos para a gestão estadual e mudanças estruturais nesses setores.

Nosso posicionamento não decorre de divergências administrativas com o governo que consideramos estar cumprindo os compromissos celebrados no programa de governo referendado em 2018 pela população pernambucana. É uma consequência política  do acirrado enfrentamento eleitoral municipal de 2018, especialmente no Recife, onde recebemos da campanha do PSB tratamento inaceitável, desrespeitoso e incompatível com o histórico de relacionamento de nível elevado entre nossas siglas.

Decorre também da posição da direção nacional do PT que não produziu nenhuma manifestação pública ou reservada que demonstrasse o interesse em preservar nossa participação no governo como espaço facilitador de conversas entre as duas siglas em nível nacional.

A partir de agora, assumimos um posicionamento de independência em relação ao governo estadual que pautará também a nossa conduta na Assembleia Legislativa de Pernambuco.

Esperamos ainda a continuidade de um diálogo respeitoso com o governo estadual e com a própria Frente Popular.

Recife, 14 de janeiro de 2021.

Doriel Barros
Presidente do Partido dos Trabalhadores de Pernambuco.

Veja também

Algoz de Vasco e Bahia, Defensa y Justicia conquista Copa Sul-Americana
Futebol

Algoz de Vasco e Bahia, Defensa y Justicia conquista Copa Sul-Americana

Médicos são os primeiros vacinados com a dose de Oxford no Brasil
VACINAÇÃO

Médicos são os primeiros vacinados com a dose de Oxford no Brasil