Senadores propõem CPI e acionam STF por divulgação de dados sobre Covid-19

Oposição questiona mudanças feitas pelo governo no tratamento de dados da Covid-19 19 - Marcos Oliveira/Agência Senado

A divergência de dados e o atraso na divulgação dos números sobre a covid-19 no país por parte do governo federal causaram a reação de senadores oposicionistas. Pelas redes sociais, no domingo (7) e nesta segunda-feira (8), eles reclamaram da falta de transparência e de uma possível manipulação de dados. As informações são da Agência Senado. 

O Cidadania anunciou que vai apresentar pedido de instalação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar a atuação do Ministério da Saúde. Enquanto isso, o líder da oposição, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), no Senado informou que já tomou medidas judiciais para a divulgação completa dos balanços de infectados e mortos. 

— Manipular dados de mortes é prova da crueldade de Bolsonaro. Já acionamos o Supremo Tribunal Federal [STF] e vamos representar em todos os lugares possíveis para que a verdade seja restabelecida. Não vamos permitir que esses covardes se escondam atrás da dor de milhares de família — afirmou. 

Randolfe e outros parlamentares ingressaram com uma Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) no Supremo, com medida de liminar, para que o governo divulgue a compilação de dados estaduais, sem manipulação, e também para que o balanço diário seja feito até as 19h30.

Eles pedem também que a divulgação de casos suspeitos e confirmados seja categorizada por idade, sexo, raça, número de testes realizados, curas, taxas de mortalidade e letalidade e número de profissionais da saúde contaminados. Além disso, querem que o Poder Executivo desenvolva e torne pública metodologia que estime o número de subnotificações diariamente. 

Para os congressistas, a atuação do governo está configurando uma "clara violação a preceitos fundamentais da Constituição federal, sobretudo ao direito à vida e saúde do povo, bem como do dever de transparência da administração pública".

Além de Randolfe, assinam a ação o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) e os deputados André Figueiredo (PDT-CE), Fernanda Melchionna (PSol-RS), Joenia Wapichana (Rede-RR) e Perpétua Almeida (PCdoB-AC). 

Comissão de Inquérito

Já o Cidadania vai optar por uma estratégia diferente. A líder do partido no Senado, Eliziane Gama (MA), acredita que uma comissão de inquérito é necessária para investigar "ações nebulosas do governo e do Ministério da Saúde relacionadas a políticas púbicas de combate à pandemia".

"A desinformação praticada pelo Estado é crime. O artigo 37 da Constituição exige que os atos da administração pública devem ser marcados pela legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade. E atentar contra a Constituição, segundo o artigo 85, enseja crime de responsabilidade. O governo Bolsonaro está dando passos largos nessa direção, e a nação não vai tolerar tal desatino", disse a senadora por meio de nota.

Veja também

OMS alerta que pandemia está em 'ponto crítico', principalmente na Ásia
Covid-19

OMS alerta que pandemia está em 'ponto crítico', principalmente na Ásia

OMS avalia que pandemia poderia ser controlada em alguns meses se houvesse disposição de governos
Coronavírus

OMS avalia que pandemia poderia ser controlada em alguns meses se houvesse disposição de governos