Mercado Livre abre 7,2 mil vagas no Brasil

Novos empregos são principalmente em logística, serviços financeiros e tecnologia - Divulgação/Mercado Livre

O Mercado Livre, companhia de tecnologia para e-commerce e serviços financeiros na América Latina, anunciou nesta terça-feira que irá duplicar o seu quadro de funcionários. Dos 16 mil novos postos diretos de trabalho em toda a América Latina, 7,2 mil serão contratados no Brasil. Com isso, a empresa busca ampliar a sua rede logística na região e fortalecer as áreas de TI, serviços financeiros e de produtos que geram soluções tecnológicas para todo o seu ecossistema. É possível encontrar as vagas disponíveis em jobs.mercadolibre.com.

A empresa encerrou o ano de 2020 com um quadro de 15.545 colaboradores, a expectativa da empresa é fechar o ano com mais de 32 mil funcionários, apenas considerando os empregos diretos, um crescimento de 100% em relação ao ano passado. O plano envolve quase quadruplicar o número de pessoas que atuam na área de logística e adicionar quase 4 mil novos empregos na área de TI. Também será ampliado o número de colaboradores dedicados ao Mercado Pago, e-commerce, prevenção e segurança, marketing e diversas áreas administrativas da companhia.

Os novos postos de trabalho serão oferecidos a todos níveis de experiência e senioridade, com muitas oportunidades de acesso ao primeiro emprego. O processo de avaliação e contratação é baseado nos princípios culturais do Mercado Livre. Além de compartilhar a missão organizacional, a empresa busca pessoas que queiram assumir riscos, que possam trabalhar em equipe, abertas às mudanças e que possam executar suas tarefas com excelência e também se divertir.

Veja também

Kirchner e Lula defendem renovação da política e reconstrução da unidade latino-americana
Política

Kirchner e Lula defendem renovação da política e reconstrução da unidade latino-americana

Fachin proíbe PF de qualquer ato de investigação a partir da delação de Sérgio Cabral

Fachin proíbe PF de qualquer ato de investigação a partir da delação de Sérgio Cabral