Vale a pena recontratar um ex-empregado?

É preciso avaliar com cuidado para não tomar uma decisão precipitada.

Freepik

Leia Também

• Reuniões periódicas podem ser produtivas

• Como lidar com uma avaliação de desempenho negativa?

Recontratar um ex-empregado – por mais positiva que tenha sido a experiência anterior – tem suas vantagens, mas também alguns riscos e, por isso, é preciso avaliar com cuidado para não tomar uma decisão precipitada.

Se você é gestor e pretende dar uma segunda chance a algum antigo colaborador, o primeiro passo antes de decidir pela recontratação deve ser verificar se a empresa permite ou não esta prática, além de checar questões legais que precisam ser atendidas, como, por exemplo, o tempo entre a demissão e o possível retorno.

Caso a recontratação seja legal e permitida pela política de RH da empresa, é hora do segundo passo: levantar o real motivo da saída do profissional. A demissão pode ter sido ocasionada, por exemplo, por corte de gastos, e não por falta de alguma competência, e isso seria um bom argumento para a recontratação. Porém, é preciso entender se a razão do desligamento teve alguma relação com as habilidades, postura e até mesmo caráter do profissional, caso contrário, pode-se estar decidindo pelo retorno de um problema já sanado no passado na ocasião da demissão.

Caso o cenário seja positivo, a recontratação pode ser uma boa alternativa e trazer ganhos. Contratar alguém que já conhece a empresa, sua cultura, história e a função, certamente são pontos favoráveis. Isso porque, quando se traz um novo profissional do mercado, é preciso tempo, disposição e às vezes até aporte financeiro para treiná-lo e integrá-lo à equipe.

Além disso, uma recontratação pode gerar um compromisso maior com a oportunidade quando o profissional enxerga a aposta que a empresa está fazendo ao reintegrá-lo ao grupo e a chance que está sendo dada a ele. Mas uma premissa importante para o sucesso dessa nova contratação é que nenhum dos lados crie expectativas apenas com base na experiência passada. É preciso firmar novos acordos, normas de conduta e pactuar as entregas que serão exigidas. Uma experiência bem sucedida não é garantia de sucesso para as próximas.

Veja também

Reino Unido reduz teto do preço de energia ao menor nível desde início da guerra da Ucrânia
Europa

Reino Unido reduz teto do preço de energia ao menor nível desde início da guerra da Ucrânia

Agência dos EUA autoriza venda de E15 durante todo o ano em 8 Estados, mas só a partir de 2025
COMBUSTÍVEL

Agência dos EUA autoriza venda de E15 durante todo o ano em 8 Estados, mas só a partir de 2025