Embaixador Renato Mosca apresenta um pouco do histórico da Eslovênia

Eslovênia tem um território pequeno, mas que em nada representa a grandiosidade de seu povo - Reprodução/Internet

Imediatamente após sua independência, em 1991, a República da Eslovênia empreendeu importante campanha diplomática que possibilitou o rápido reconhecimento internacional do novo estado. O Brasil foi dos primeiros países a reconhecer, no ano seguinte, sua independência.

Desde o princípio de sua vida autônoma, após tornar-se membro da Organização das Nações Unidas, a Eslovênia passou a percorrer os passos necessários à plena integração nas estruturas euro-atlânticas. Em 2004, acedeu à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e à União Europeia; em 2007, foi o primeiro dos novos membros do bloco a integrar-se à zona do euro.

Com muito êxito, assumiu em 1º de janeiro de 2008, por um semestre, a presidência do Conselho da União Europeia, tendo sido o primeiro país do antigo bloco socialista a exercer tal responsabilidade. Em julho de 2010, com o ingresso na Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), completou-se a fase de integração euro-atlântica da história da política externa eslovena.
 
Ainda relativamente desconhecida pela sociedade brasileira, a Eslovênia tem um território pequeno, mas que em nada representa a grandiosidade de seu povo e do trabalho que desenvolveu nesses 25 anos para consolidar suas estruturas políticas e econômicas e afirmar-se no panorama regional e internacional como parceiro confiável.

Atuante no cenário mundial, identifica no multilateralismo o caminho para afirmação de seus valores de convivência internacional pacífica, harmoniosa e cooperativa. Sua localização é estratégica no centro da Europa para o aprofundamento dos laços de amizade que mantém em sua circunstância geográfica. Sua população de dois milhões e cem mil habitantes revela elevados padrões de formação e qualificação. Liubliana, a capital do país, é sua maior cidade, com cerca de 280 mil habitantes, e capital verde da Europa, reconhecimento muito merecido a um país que está na vanguarda da defesa e proteção do meio ambiente e ostenta 60% do seu território recobertos de florestas.

Com o estabelecimento de relações diplomáticas entre o Brasil e a Eslovênia, em 21 de dezembro de 1992, promoveu-se crescente convergência de princípios no nível bilateral e multilateral. Concluíram-se, já nos primeiros anos do relacionamento, acordos nas áreas de comércio e cooperação econômica, de consultas políticas, de cooperação científica e tecnológica e de educação, propiciando aproximação e frequentes contatos entre homólogos brasileiros e eslovenos nas diversas áreas em que se identificam interesses comuns e potencialidades.

Há dez anos, o governo brasileiro abriu a missão diplomática brasileira em Liubliana, que propiciou impulso adicional ao relacionamento. O gesto diplomático foi imediatamente correspondido com a abertura da embaixada eslovena em Brasília, atualmente sob o comando do competente e ativo embaixador Alain Brian Bergant.
Os primeiros anos revelaram interesses estratégicos sobremaneira complementares.

Apesar da crise financeira de 2008, o Brasil seguia, em sua vertente interna, rota de expansão da economia, distribuição de renda e avanços sociais e, em sua face externa, de consolidação de seu papel de ator global. A Eslovênia, embora afetada pela recessão, buscava aproximar-se de economias emergentes, como o Brasil, com o objetivo de diversificar mercados e internacionalizar crescentemente suas companhias, em especial as pequenas e médias empresas. Seguiram-se anos em que ambos os países experimentaram enormes desafios, tendo-se de qualquer modo mantido e, mesmo, aumentado o fluxo comercial (US$ 487,2 milhões de intercâmbio em 2016, o maior já registrado).

Leia também:
Made in Pernambuco
Nacionalismo, “hiperglobalização” e as nações do futuro – Parte II (Artigo 155)
Nacionalismo, “hiperglobalização” e as nações do futuro – Parte I


No entanto, a sustentável recuperação econômica eslovena, com previsão de crescimento de 4,4% em 2017, em grande parte ancorada no setor exportador, e os recentes sinais de retomada da economia brasileira parecem indicar um novo momentum na relação bilateral, com o revigoramento de contatos políticos e identificação de oportunidades de cooperação, comércio e de investimento.

Nos últimos meses, com base em medidas de ajuste fiscal promovidas pelo governo brasileiro, com redução progressiva das taxas de juros e melhora do ambiente econômico, a economia nacional apresenta sinais visíveis de recuperação, afastando ainda em 2017 a recessão. Com crescimento, redução da inflação (previsão de 3,9% para 2017, a menor em onze anos) e taxas de juros mais baixas (atualmente em 8,25%, com expectativa de que feche o ano no menor nível histórico 7,5%), o Brasil está novamente em condições de atuar de modo pró-ativo em relação à Eslovênia.

Há enorme potencial a ser explorado, já que as exportações brasileiras representam apenas 0,8% do mercado esloveno. Do ponto de vista brasileiro, há espaço para incrementar o volume exportado e diversificar a pauta exportadora e, ao mesmo tempo, tornar-se mercado cada vez mais significativo para os produtos eslovenos.

Como estão as relações diplomáticas entre os dois países e a sua importância

As relações diplomáticas entre o Brasil e a Eslovênia têm sido cuidadosamente construídas nesses 25 anos com base no diálogo, na cooperação e no respeito mútuo. Atualmente, são sólidas e, ademais, promissoras, já que ambos os países pisam terreno firme e vislumbram horizonte comum. Nesse contexto, o Itamaraty e o ministério dos Negócios Estrangeiros têm trabalhado na preparação da segunda reunião da Comissão Mista de Cooperação Econômica Brasil-Eslovênia, que se realizará em Liubliana entre 13 e 14 de novembro próximo, a fim de avaliar os avanços do intercâmbio comercial bilateral, prospectar novos setores que possam estabelecer negócios e buscar meios de retomar a cooperação em ciência, tecnologia e inovação, tão esseciais ao desenvolvimento. A missão de zelar pelo relacionamento de duas nações que, embora geograficamente distantes, estão irmanadas em promover um mundo melhor requer empenho diuturno, mas tem sido ao mesmo tempo desafiadora e gratificante.

Renato Mosca, é embaixador do Brasil na Eslovênia. Este artigo foi escrito a título pessoal e não reflete necessariamente posições oficiais do Ministério das Relações Exteriores.

Empresário há 35 anos, Rainier Michael tem ampla experiência em trocas internacionais. O trabalho realizado por ele junto ao consulado esloveno, e designado “Diplomacia Econômica”, interpreta sob uma visão humana o desenvolvimento e o crescimento do Nordeste. Paulista de nascença, Michael se mudou para Pernambuco há dez anos, quando seus negócios no Estado cresceram de forma a tornar indispensável sua presença aqui. Seu comparecimento nos mercados pernambucanos, entretanto, é mais antigo do que isso. Antes de assumir o consulado, já era representante da Sociedade Brasil-Alemanha no Nordeste. É destacável, também, sua atuação enquanto presidente do Rotary Club Recife.

A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.


Veja também

Netanyahu convoca gabinete de guerra israelense após ataque do Irã
gabinete de guerra

Netanyahu convoca gabinete de guerra israelense após ataque do Irã

Praia Clube e Minas são finalistas da Superliga Feminina de Vôlei
Superliga Feminina

Praia Clube e Minas são finalistas da Superliga Feminina de Vôlei

Newsletter