Nova Honda CG 160 2022: vejas novidades e preços da moto mais vendida do país

A nova CG 160 2022 - Divulgação/Honda

A nova CG 160 2022 chega ao mercado brasileiro com novo design em comemoração aos 45 anos de produção e com mais de 13 milhões de unidades vendidas no país. A motocicleta traz novo design na moldura do painel de instrumentos e na carenagem frontal, com três opções de cores. O modelo de entrada é a Honda CG 160 Start, que parte de R$ 10.520,00.

Para a Cargo, no entanto, a opção de cor é única: o branco. Enquanto que para a Fan, Start e Titan, as opções de cores são o cinza metálico, vermelho perolizado e amarelo perolizado.

Nova CG 160

Na parte do motor, as versões Cargo, Fan e Titan tem exatos 162,7 cm³ , e geram a potência máxima de 15,1 cv (etanol) e 14,9 cv (gasolina) a 8.000 rpm. Por outro lado, a versão de entrada (Start) é oferecida apenas com motor exclusivamente alimentado por gasolina. 

Para todas as versões a transmissão é de 5 velocidades com o sistema de injeção eletrônica.
 

A Honda CG estará disponível nas concessionárias, em todo o Brasil, já no próximo mês. A garantia é de três anos, sem limite de quilometragem, além de sete trocas de óleo gratuitas.
 

Combustível
No que diz respeito ao combustível, Honda CG 160 Cargo, Fan e Titan têm capacidade de tanque para 16,1 litros, dos quais 3,1 litros de reserva, enquanto que Honda CG 160 Start tem 14,6 litros, com 3,2 litros de reserva.

De acordo com a Honda, as motos podem alcançar até 600 quilômetros de autonomia em condições de uso ideais, se abastecidas com gasolina.
 

Confira preço e versões:
Honda CG 160 Start: R$ 10.520,00 
Honda CG 160 Fan: R$ 11.760,00
Honda CG 160 Cargo: R$11.900,00 
Honda CG 160 Titan: R$ 13.040,00
 


 

Veja também

Simone Biles deixa disputa por equipes na ginástica feminina
Olimpíadas

Simone Biles deixa disputa por equipes na ginástica feminina

Ministro da Defesa de Israel viaja à França por escândalo do software de espionagem Pegasus
INTERNACIONAL

Ministro da Defesa de Israel viaja à França por escândalo do software de espionagem Pegasus