Após nove anos servindo à PMPE, pastor alemão Ninja conquista a aposentadoria

Conhecido como “A Lenda”, ele contribuiu em grandes operações de apreensão de drogas em Pernambuco - Divulgação/PMPE

Foram nove anos de serviços prestados - com excelência - à Polícia Militar de Pernambuco. Agora, chegou a hora de o pastor alemão Ninja desfrutar o merecido descanso da aposentadoria. 

Ninja nasceu em uma data bem sugestiva para a carreira que trilhou: 7 de Setembro. O ano foi 2011, e ele na verdade nasceu em Goiás. Ainda filhote, deixou o Canil Caraíbas, no Centro-Oeste, com destino a Pernambuco, onde iniciou o treinamento para atuar durante a Copa do Mundo de 2014. 

O faro apurado de Ninja logo chamou atenção, não demorando para ele se tornar uma referência na localização de drogas. Primeiro, atuou na Companhia Independente de Policiamento com Cães (CIPCães) e, em seguida, foi para o 1º BIEsp, de Caruaru.

“Cada cão tem suas características próprias. É uma questão de genética. Uns são mais agressivos, para o trabalho policial, outros se destacam pelo faro, que é o caso de Ninja, que tem um faro muito aguçado”, destacou o comandante do 1º BIEsp, tenente coronel Bantim. 

Para Bantim, o canino teve uma importância também para ajudar a consolidar o nome do próprio BIEsp, uma equipe multifuncional, que engloba várias unidades especializadas em um só Batalhão. 

“Quando chegamos a Caruaru, os índices de violência estavam muito altos. E no combate ao tráfico, ele se destacou. Quando recebíamos uma informação sobre entorpecentes, bastava passar com Ninja que ele logo indicava onde as drogas estavam escondidas”, contou o oficial, lembrando que o pastor alemão também apoiou ações da Polícia Civil e da Polícia Rodoviária Federal, ganhando a admiração de todos os profissionais de segurança no Agreste.

Foto: Divulgação/PMPE

A decisão de “aposentar” Ninja, foi tomada pelo bem do animal. “Ele apresentou uma enfermidade na pata e estava sentindo dores quando era acionado para operações em terrenos mais acidentados. Por isso, achamos por bem que é hora de ele descansar”, explicou o comandante. 

Leia também:

De cães-babás a escanteados pela sociedade, conheça a história dos pit bulls

Grupo improvisa bebedouros e comedouros para animais em situação de rua em Paulista

Doença transmitida por gatos é confirmada em Manaus. Saiba como tratar

No entanto, o pastor alemão não ficará desamparado. Seguindo uma tradição, ele será doado ao policial mais antigo do canil, que levará Ninja para casa, e cuidará dele para o resto da vida. 

Ao longo de quase uma década de carreira na polícia, Ninja colecionou feitos marcantes. É o cão policial que participou da maior apreensão de maconha da história de Pernambuco, realizada na cidade de São Caetano, onde foram apreendidas aproximadamente nove toneladas do entorpecente. Participou ainda da maior apreensão de crack do Estado, em 2018. 

Em todos esses anos, ajudou a apreender aproximadamente dez toneladas de maconha. Desde 2017, ajudou o 1º BIEsp a debelar aproximadamente mil pontos de tráfico de drogas e ajudou as equipes do Batalhão na apreensão de aproximadamente 100 armas de fogo.

Em um cálculo genérico, pode se afirmar que no seu tempo de serviço atuando na área do 1° BIEsp, Ninja ajudou a impedir que mais de R$ 2 milhões em material entorpecente fossem parar nas mãos do tráfico. E é justamente por isso que, em três anos no Agreste, Ninja passou a ser respeitado e conhecido na região por uma alcunha à altura de sua performance: “A Lenda”.

Foto: Divulgação/PMPE

Veja também

STF rejeita denúncia contra parlamentares do PP
Justiça

STF rejeita denúncia contra parlamentares do PP

PF prende quatro juízes do TRT suspeitos de integrar esquema de Witzel
Corrupção

PF prende quatro juízes do TRT suspeitos de integrar esquema de Witzel