Quando e qual a melhor forma de higienizar os comedouros do pet

Servir a comida do cão ou do gato em tigelas não higienizadas pode prejudicar a saúde do animal - Pexels

Você costuma higienizar comedouros e bebedouros dos seus pets? Se a resposta for não, dê uma lidinha neste post para entender o motivo de colocar essa prática na rotina diária. 

Esses recipientes precisam de limpeza constante para evitar a proliferação de fungos, bactérias e outros patógenos. 

Isso acontece, sobretudo, nos comedouros e bebedouros de plástico, material que arranha ou trinca com mais facilidade. Mas não significa que os de outros materiais estejam isentos de problemas. 

Leia também:

Erros comuns para evitar com a caixa de areia dos gatos
 
 
Cães nascem cegos? Trocam dentes? Veja uma lista de curiosidades para celebrar o Dia Mundial do Cão
 
 
Não é tudo igual: o que saber na hora de comprar a ração para o pet
 

Veja outras notícias no Folha Pet 
 

Com o uso diário, a sujeira vai se acumulando e favorecendo o surgimento de invasores não só indesejados, mas também perigosos. 

Eles se concentram a partir de resíduos de comida e da própria saliva do animal, entre outros fatores, e formam uma película, tipo uma gosminha, por vezes imperceptível. 

Então, mesmo que o seu pet não deixe um grãozinho de comida no prato, o recipiente estará sujo.

TigelasPotinhos vazios não são sinônimo de limpeza. Foto: Pixabay

O ideal é que a higienização seja diária, pois essa camada de sujeira começa a proliferar bactérias em um intervalo de 24 horas. 

E, ao servir a alimentação do animal em um recipiente contaminado, você pode contribuir para que ele ingira bactérias danosas. Todas são extremamente perigosas? Não. Mas prevenir problemas é sempre melhor do que remediar.  

A longo prazo, essas bactérias podem gerar desequilíbrios no organismo de cães e gatos e até culminar em problemas sérios de saúde, como infecções e alergias. 

Parece besteira, mas os tutores também podem ter problemas, já que eles possuem contato com o utensílio e, consequentemente, com esses fungos, bactérias e outros patógenos. 

A veterinária Fernanda Cioffetti, da Bothufarma, alerta que esse cuidado deve ser redobrado no caso daqueles animais que consomem alimentos úmidos, como sachês ou dieta natural. 

Foto: Pexels

A dica é higienizar os comedouros logo após as refeições do animal, no caso de ele “raspar o prato". Se for daqueles que comem “à prestação”, pode limpar uma vez ao dia. Os bebedouros também devem ser lavados e terem a água trocada diariamente. 

A melhor opção é investir no tradicional combo água e sabão neutro. Se a água puder ser morna, melhor ainda. Você pode deixar uma buchinha de prato destinada apenas para a louça do pet, trocando periodicamente. 

Está com pressa? Com preguiça? Dê, ao menos, umas borrifadas de álcool a 70% e passe um papel toalha. Não é o ideal, mas quebra um galho esporadicamente. Ah, e sempre lembrar que a higienização deve ser completa, por dentro e por fora. 

Outra dica valiosa é dar preferência aos comedouros e bebedouros de materiais mais resistentes, em especial porcelana e vidro. Os de inox também são boas opções. 

Gato comendoFoto: Pixabay

Vale lembrar, ainda, que não se deve deixar a comida do pet exposta por longos períodos, pois pode estragar e fazer mal a ele. 

Fora que perde os valores nutricionais, pois muitas substâncias oxidam no contato com o ar ambiente. Inclusive, já falamos sobre esse assunto aqui, no Folha Pet

Veja também

EUA confiam plenamente em que Brasil terá eleições 'livres e justas'EUA e Brasil

EUA confiam plenamente em que Brasil terá eleições 'livres e justas'

Acordo México-EUA ressuscita política migratória da era TrumpEUA e México

Acordo México-EUA ressuscita política migratória da era Trump