Seu pet é obeso? Saiba como prevenir e lidar com o excesso de peso em cães e gatos

De um modo geral, são considerados obesos pets com peso maior que 15% que a média para seu tamanho

Alguns animais podem apresentar problemas de mobilidade por conta do excesso de peso - Pexels

Cães e gatos, se mantidos em uma demanda livre de alimentos e poucos exercícios, tendem a apresentar obesidade. No mundo, de acordo com o levantamento da Hill's Pet Nutrition, mais de 40% dos cães e gatos estão acima do peso. Para evitar problemas que podem ser impulsionados pela obesidade, tutores podem realizar algumas atividades simples, como regrar o horário de alimentação e incluir atividades físicas no cotidiano do animal. 

A obesidade é caracterizada pelo excesso de gordura corporal. Considera-se que o animal é obeso quando está a partir de 15% acima de seu peso ideal e muitos fatores podem contribuir para isso. Erros no manejo alimentar, doenças endócrinas, sedentarismo e envelhecimento são alguns deles.

Cão e gato

As implicações do excesso de peso nos animais podem impulsionar doenças ortopédicas, cardiorrespiratórias, diabetes (no caso dos gatos), problemas urinários e outras complicações que afetam diretamente sua expectativa de vida. 

“O excesso de petiscos e a “humanização” da alimentação são fatores recorrentes nos dias de hoje. É importante lembrar que cães e gatos não têm autonomia sobre sua alimentação, portanto, cabe ao tutor zelar pela nutrição adequada”, informou o médico-veterinário Flávio Silva, que é especialista em nutrição de pets da PremierPet. 

Flavio reforçou que é sempre mais fácil prevenir do que remediar. “Quem tem um pet deve estar consciente da responsabilidade sobre a saúde de seu animal. Cães e gatos não podem escolher o que ou quantas vezes comer, portanto, cabe ao tutor seguir as orientações necessárias para prevenir a doença”. 

Veja 5 dicas para prevenir a obesidade em cães e gatos: 

1.  Escolha o alimento certo - Os alimentos de alta qualidade (também chamados “super premium” ou “premium”) contêm níveis ótimos de proteínas, gorduras, vitaminas e minerais, e devem sempre fazer parte da vida do pet para os cuidados preventivos da obesidade e outras doenças. Lembre-se: alimento completo não necessita suplementação.

2.  Estabeleça uma rotina de alimentação - Oferecer porções controladas em horários fixos ao invés de deixar o alimento sempre disponível é a melhor forma de evitar o consumo exagerado. Não deixe o alimento por mais de 15 minutos a cada refeição. Se o animal não comer, retire a vasilha.

3.  Evite o excesso de petiscos - Os lanchinhos ou agrados não devem ser oferecidos em excesso para não comprometer o equilíbrio nutricional. Os petiscos devem representar no máximo 10% das calorias diárias indicadas para a idade e o porte do animal.

4.  Não ofereça os restos da alimentação humana - Animais e humanos têm necessidades alimentares diferentes e isso deve ser respeitado. Alguns alimentos para humanos podem, inclusive, ser tóxicos para o pet, como alho, cebola, uva e chocolate.

5.  Promova atividades físicas diárias - Exercícios físicos regulares são muito bem-vindos para reduzir o estresse, a ansiedade e aumentar o gasto energético. Podem ser feitos por meio de passeios, brincadeiras e enriquecimento ambiental.

Veja também

Beyonce lidera ranking nos EUA pela primeira vez em 14 anos
música

Beyonce lidera ranking nos Estados Unidos pela primeira vez em 14 anos

TSE responde aos questionamentos técnicos das Forças Armadas
Eleições

TSE responde aos questionamentos técnicos das Forças Armadas