Sósias do mundo canino: #partiu testar o conhecimento sobre raças de cachorro?

American pit bull terrior e american staffordshire terrier estão entre as raças que mais confundem - Pixabay

Entre as oficialmente reconhecidas e as que não têm registro, existe uma infinidade de raças de cães espalhadas em todo o mundo. Cada uma com suas particularidades.

Algumas raças, porém, têm estruturas físicas tão semelhantes que são capazes até de confundir muita gente.

Isso é ainda mais comum quando são animais que compartilham origens parecidas. Separamos alguns pets que costumam protagonizar esses episódios. 

Shih tzu e Lhasa apso 

Foto: Pixabay

Região conhecida por monges e paisagens inspiradoras, o Tibet, na Ásia, é o berço dessas raças que se tornaram extremamente populares no Brasil. 

Justamente por estarem muito presentes no universo pet, são comumente confundidos. Mas essa semelhança entre eles não é tão mera coincidência assim. Na verdade, o shih tzu é fruto do cruzamento entre o lhasa apso e o pequinês.  

Carinhosos e dóceis com crianças e outros animais, o shih tzu é considerado um cão ideal para companhia. O lhasa também é carinhoso, porém tem um perfil mais atento, um pouco desconfiado, e costuma dar mais alertas para a aproximação de estranhos. O shih tzu tende a ser mais silencioso, enquanto o lhasa pode apresentar latidos persistentes. 

Ambos são cães braquicefálicos, mas o focinho achatado e os olhos saltados são características mais acentuadas nos shih tzus. O lhasa apso tem olhos um pouco menores e mais ovalados e o focinho levemente proeminente.

Os dois, contudo, necessitam de cuidados essenciais aos animais com esse perfil, sobretudo no que diz respeito à saúde do trato respiratório e dos olhos.  

Eles são de porte pequeno, mas os caninos lhasa apso podem ser um pouco maiores e mais pesados. As duas raças têm pelagem longa, sendo os pelos do shih tzu mais finos e os do lhasa mais grossos e ásperos. 

A forma como são tosados ou penteados pelos seus tutores, inclusive, pode ajudar a evidenciar as diferenças que contribuem para identificar cada raça, principalmente quando tosados com pelo baixo, deixando o rosto mais aparente. Em contrapartida, também podem deixar eles ainda mais parecidos, no caso da pelagem mantida mais longa. 

Poodle x Bichon frisé 

Foto: Pixabay

Muita gente confunde essas duas fofuras, que realmente têm um grau de semelhança física. No entanto, também possuem particularidades que ajudam a diferenciar quem é quem. 

Uma dica bem fácil é o fato de os espécimes bichon frisé só existirem na cor branca. Ou seja, se for preto, marrom, cinza ou fulvo (marrom claro amarelada) é poodle na certa! Ah, e como identificar se forem dois cães brancos? A cauda do bichon frisé tem pelagem lisa. 

Ambos são peludos, cativantes e inteligentes, além de apegados aos tutores, sendo o poodle mais grudado em relação à família. Se pudessem, os cães dessa raça gostariam de acompanhar os pais humanos em todos os lugares. Eles também podem ser um pouco ciumentos. 

Muito comuns no Brasil, os poodles pequenos têm sua origem ligada ao poodle gigante, bem menos popular no País. Eles são fruto de seleções artificiais e apresentam algumas diferenças em relação aos seus parentes mais antigos, como a tendência a latido excessivo. 

O bichon frisé é mais tranquilo nesse aspecto e está sempre disposto a interagir com pessoas e outros animais. São cães muito sociáveis e, por isso, tendem a ficar tristes ou estressados caso se sintam sós. 

Há registros de bichon frisé desde o século XV, criados como cães de companhia. Por muito tempo, acompanharam reis e rainhas em todo o mundo, mas viveu uma época de baixa popularidade e chegou a participar de números circenses. 

A aparência simpática, a facilidade para aprender comandos e o gosto por interagir com os humanos mostrando esses truques fez deles um grande sucesso. 

Pit bull x Amstaff 

Foto: Pixabay

Olhando à primeira vista, sobretudo se você não for um criador ou profissional especializado, fica muito difícil identificar se um cão é da raça american pitbull terrier ou da raça american staffordshire terrier (Amstaff), pois são animais extremamente semelhantes. Ambas as raças têm a mesma origem, a partir do cruzamento entre o bulldog inglês e o terrier. 

A principal diferença entre eles é técnica: a american staffordshire terrier é uma raça reconhecida pela Federação Cinológica Internacional (FCI), enquanto os seus “parentes” não são. 

Além disso, várias entidades ao redor do mundo, a exemplo da Confederação Brasileira de Cinofilia (CBCK), da American Dog Breeders Association (ADBA) e do United Kennel Club (UKC), apresentam algumas divergências no que consideram “padrão” para a raça, a tornando miscigenada. 

Leia também: 

No Dia do Vira-Lata, veja curiosidades sobre esses pets apaixonantes e campeões de popularidade
 
Entenda a importância do comedouro elevado para cães e gatos
 
Deixa ração à vontade para o pet? Saiba alguns motivos para mudar esse hábito

Veja outras notícias no Folha Pet


Embora sejam muito parecidos, os criadores conseguem identificar mais facilmente as diferenças física entre eles. A cabeça do amstaff é um pouco mais larga e os cães dessa raça têm as patas dianteiras mais robustas, enquanto os pit bulls apresentam os membros traseiros mais fortes. 

Além disso, os pit bulls são, normalmente, maiores e mais esbeltos. Os cães amstaff geralmente têm o corpo mais “compacto”. Não existem um padrão fixo de altura e peso para esses animais, sendo preconizada a relação proporcional entre esses dois aspectos. 

Os olhos do Amstaff devem ser sempre em tons mais escuros. Já os dos pit bulls podem ser mais claros - o tom azul, porém, não é indicado. 

Apesar de muito julgados na sociedade, esses animais têm um temperamento dócil e são muito apegados aos tutores. Têm muita energia e, por isso, precisam de uma rotina de atividades. 

O mais indicado é que sejam adestrados desde pequenos, para aprender a socializar com outros animais e pessoas fora do convívio diário. 

Malamute do alasca x Husky siberiano 

Foto: Pixabay

Ambas as raças pertencem ao grupo dos cães nórdicos de trenó. Os nomes já indicam a origem de cada um. O malamute surgiu no final do século 19, no oeste do Alasca. Com o tempo, se tornou popular no Canadá e nos Estados Unidos, onde foi muito usado na corrida do ouro. 

O husky, por sua vez, nasceu em uma área fria e despovoada da Sibéria. Na tribo Chukchi, ter um husky, tão semelhante aos lobos, como ajudante era motivo de orgulho, além de simbolizar força e poder. 

Tanto o malamute quanto o husky ajudavam na caça, no transporte de suprimentos e até mesmo puxando pessoas em trenós. Os siberianos ainda eram utilizados para aquecer mulheres e crianças nas noites de neve e acompanhavam os donos em longas distâncias, graças à resistência física. 

Por conta desse perfil trabalhador nato, eles exigem uma rotina diária de exercícios para gastar energia. Compartilham também o gosto por lugares mais frios, chegando a sofrer quando criados em ambientes de temperatura elevada. 

Apesar de muito semelhantes fisicamente, existem algumas particulares que ajudam a diferenciá-los. O husky não deve passar dos 60 centímetros de altura quando macho e dos 56 centímetros no caso das fêmeas, enquanto o malamute é um pouco maior. 

A cauda do husky se assemelha a uma cauda de reposa e a pelagem desses cães pode apresentar uma gama de cores diferentes, desde o preto até o branco puro.

Já a cauda do malamute é bem guarnecida de pelos, com aspecto de pluma, e a pelagem varia, normalmente, entre as tonalidades do cinza claro ao preto e entre os tons de areia até o vermelho. A única cor sólida permitida é todo branco. 

Outro detalhe é que muitos espécimes da raça siberiana têm os olhos claros ou mesmo de cores diferentes, característica até bastante comum entre eles. Já o malamute sempre tem olhos escuros, nunca de cor azul. 

A raça americana é amigável, brincalhona e tem apreço pela convivência em grupo, seja com pessoas ou outros animais. É leal aos seus donos e muito obediente. Os nativos da Sibéria também são extrovertidos, mas têm o perfil mais atento e podem ser um pouco reservados às vezes. 

Collie e Pastor-de-shetland

Foto: Pixabay

Ambas as raças são oriundas da Escócia, tendo o collie participado da formação do shetland. Isso explica o fato de eles possuírem traços físicos bem semelhantes, principalmente na estrutura da face e na pelagem. Apesar disso, essas raças têm características que fazem delas bem diferentes. 

O que mais chama atenção é o tamanho. Enquanto a raça collie tem porte médio, medindo entre 51 cm a 61 cm, com peso variando de 18kg a 29kg, os cães pastor-de-shetland são animais de pequeno porte. Eles pesam entre 6kg e 11kg e medem de 33 cm a 40 cm. Isso faz com que eles sejam chamados de mini collie.  

As duas raças integram o grupo de cães de pastoreio e têm apreço por rotinas ativas, se possível com bastante caminhada e brincadeiras. 

Desde que faça passeios regulares, o pastor-de-shetland costuma se adaptar com facilidade em ambientes com espaços mais reduzidos. Para o collie, no entanto, a indicação é de criação em lugares amplos. 

Ambos têm pelagem longa, que exige cuidados especiais e algum grau de conformismo com a quantidade de pelos que costumam soltar. 

Para atenuar essa queda e evitar a formação de nós, é preciso que sejam escovados constantemente. É recomendado também que não sejam banhados em casa, para evitar que fiquem úmidos. 

As duas raças têm personalidades dóceis, são apegadas aos tutores e amáveis com crianças, além de conviverem bem com outros animais. Também são muito inteligentes, aprendendo comandos de adestramento com certa facilidade tanto quando filhos quanto já adultos. 

Veja também

Pelé deixa o hospital após nova internação para tratar tumorREI DO FUTEBOL

Pelé deixa o hospital após nova internação para tratar tumor

Entidades criticam 'campanha de sabotagem' e pedem avanço na vacinação infantilVacinação

Entidades criticam 'campanha de sabotagem' e pedem avanço na vacinação infantil