Bivar aponta "prova insofismável" da força de Rodrigo Maia

Rodrigo Maia e Bivar - Najara Araújo/Câmara dos Deputados - Paullo Allmeida

Presidente nacional do PSL, Luciano Bivar assegura que segue firme e forte no isolamento em função da pandemia do novo coronavírus, uma vez que se encontra no grupo de risco. À coluna, ele realça essa condição ao ser indagado sobre a visita que recebeu, em sua residência no Recife, do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, na última quinta-feira. "Fazia tempo que eu não conversava com ele tête-à-tête. A gente tomou um suco de laranja aqui", comenta o dirigente, 2º vice-presidente da Mesa Diretora da Câmara.

O 1º vice, Marcos Pereira, é um dos nomes cotados para concorrer à sucessão de Maia. Bivar não aposta, no entanto, no presidente nacional do Republicanos. "Ele aliou-se ao governo. A chance dele é mínima", calcula. A opinião é compactuada por outros parlamentares que acompanham as movimentações em torno da eleição da Mesa. O PSL, contabiliza Bivar, tem de 25 a 28 parlamentares "bivaristas", uma vez que o partido rachou e uma ala, hoje, é bolsonarista. Na contagem de votos, Bivar destaca que os "independentes têm maioria absoluta". Refere-se aos deputados que não são a favor nem contra o governo. E cita a aprovação da PEC 18/20, referente ao adiamento das eleições, como símbolo de que "Rodrigo tem muita força". Bivar prossegue: "A PEC, com 48 horas, teve 407 votos". O dirigente define o episódio como "prova insofismável" da força de Rodrigo. Observa que mesmo integrantes do centrão, que resistiram a votar a favor da proposta e aderiram ao governo, "estão achando que é melhor ficar independente". Diz que movimento do centrão "não teve respaldo do PSL", legenda que define como "fiel da balança". "Os bivaristas são 25, mais uns três ou quatro que votam", enumera. Bivar emenda: "O mais importante disso tudo é que esses independentes, hoje, têm o destino da decisão da Mesa". Nos bastidores, deputados repisam que não se fala em outra coisa, a não ser na disputa pela presidência, ainda que de forma velada, mas insistem que Maia ainda não tem candidato definido.

 

Recife no radar do PSL
Sobre a posição do PSL na corrida pela Prefeitura do Recife, Luciano Bivar diz que o partido ainda não tem um candidato próprio. "Não discutimos ainda. Espero que, no começo da semana, a gente comece a conversar sobre isso", projeta.

Tá de parabéns! > Recentemente, Bivar trocou telefonema com a líder do PCdoB, Pérpetua Almeida. Tratou de parabenizá-la pela defesa das instituições democráticas. "A esquerda foi mais contundente. Talvez, tenha sido até mais do que a própria bancada do PSL", observa Bivar à coluna. Diz que a ação foi positiva.  “Eu andava muito preocupado com isso", assinala. A esquerda se soma aos indpendentes, nas contas dele, na disputa da Mesa.

Chego já > A Paulo Câmara, Rodrigo Maia avisou, na noite da quarta-feira, que tomaria café da manhã no Palácio das Princesas na última quinta-feira. Embarcou para o Recife, às 5h30 da quinta, acompanhado, no voo, do deputado federal André Ferreira.

Dessa vez, passa! > André Ferreira, do PSC, votou contra o adiamento das eleições. Rodrigo, a bordo, dirigindo-se a ele, sapecou: "É a última vez que você me trai!".

termômetro! > - Quem anda atento às movimentações relativas à sucessão, diz que Maia reuniu, em almoço recente, três nomes: Fernando Bezerra Coelho Filho, Marcelo Ramos e Aguinaldo Ribeiro. Dizem que a pauta foi a eleição da Mesa.