Em primeira agenda do comitê, Paulo Câmara vai à mesa com Pacheco

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco convoca reunião e Paulo Câmara participa - Wilson Dias/Agência Brasile Hélia Scheppa/SEI

Para a primeira reunião do presidente Jair Bolsonaro com os Poderes, na última quarta-feira (24), só sete governadores foram convidados: Ronaldo Caiado (GO), Wilson Lima (AM), Romeu Zema (MG), Ratinho Júnior (PR), Marcos Rocha (RO), Renan Filho (AL) e Cláudio Castro (RJ). Naquele mesmo dia, ao anunciar a criação do comitê anti-Covid19,  Bolsonaro fez menção a uma "coordenação junto aos governadores, com o senhor presidente do Senado Federal". Leia-se: os governadores não terão assento no colegiado, mas serão representados por Rodrigo Pacheco, que comanda, na manhã de hoje, a primeira reunião com todos os gestores estaduais. O governador Paulo Câmara vai à mesa com os chefes de executivos estaduais e com o mandatário da Casa Alta. O encontro está previsto para ocorrer das 8h às 10h de forma virtual. Em Pernambuco, ontem, a postura do presidente do Senado foi elogiada pelo secretário de Saúde, André Longo, que apontou "atuação bastante profícua" do democrata "do ponto de vista de enfrentamento à crise". O auxiliar do governador disse esperar que, dessa primeira reunião do comitê, saia "um grande pacto nacional em defesa da vida, resguardando uma série de questões". Fez referência a dois pontos: "Precisamos, nesse momento, de união e de ciência guiando os destinos do enfrentamento da pandemia". A fala de Longo dialoga com uma feita por Pacheco na véspera da criação do comitê, quando o senador citou dois caminhos possíveis de serem perseguidos no Brasil: "o da união nacional ou o do caos nacional". Sem citar Bolsonaro, Pacheco ainda condenara o negacionismo, o definindo como uma "brincadeira de mau gosto, macabra e medieval". Sobre o comitê, só anunciado por Bolsonaro após um ano de pandemia e com o Pais batendo a marca dos 300 mil mortos, André Longo ponderou: "A gente sauda esta iniciativa. Antes tarde do que nunca!". Mas evitou comemorar de antemão, chamando o colegiado de "esboço de coordenação nacional". No momento em que anunciava a prorrogação da quarentena no Estado, relatando quadro de pressão sobre o sistema de Saúde, Longo disse ser "muito importante” esse tipo de articulação e de coordenação nacional". Dessa primeira reunião com todos os governadores e já em meio a um clima de desconfiança sobre sua convicção em mudar de postura, o presidente Jair Bolsonaro não participa.

Reabertura gradual
Ao anunciar a prorrogação da quarentena até 31 de março, Paulo Câmara adiantou calendário de reabertura. A partir de 1º de abril, atividades econômicas poderão reabrir das 10h às 20h em dias de semana, e, das 9h às 17h, aos sábados, domingos e feriados. 

Praias e aulas > As praias voltam a ter atividades físicas individuais permitidas a partir do dia 1º, e as aulas estarão liberadas a partir do dia 5 de abril, para a rede privada e para o ensino médio da rede estadual. Celebrações religiosas também voltam.

Academias > Presidente da Comissão de Esportes na Câmara, Felipe Carreras anunciou, em sua rede social, a reabertura das academias a partir do dia 1º, das 5h às 20h. Registrou que a medida lhe foi assegurada pelo secretário de Desenvolvimento, Geraldo Julio. Geraldo não estava na coletiva do governo e essa medida não havia sido formalizada: foi dada por Carreras em primeira mão.

Erro capital > O ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, à Rádio Folha, disse que Eduardo Pazuello foi o "primeiro não ministro da Saúde” do País, que ficou ali, "dando margem para que a medicina se transformasse numa farmácia de horrores".

Veja também

Defesa civil dos municípios da RMR registram ocorrências por conta das chuvas
Chuvas

Defesa civil dos municípios da RMR registram ocorrências por conta das chuvas

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante
Coronavírus

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante