João Campos crava rompimento com PT. No radar, implicações nacionais

Divulgação

"Não terá nenhuma indicação política do PT no meu governo". A declaração do prefeiturável João Campos foi feita ontem, em entrevista à CBN Recife. O candidato do PSB definiu a decisão assim: "É um compromisso que eu disse ao povo do Recife e vou cumprir integralmente". O aviso parece ser o fim da linha para a dubiedade na relação PT/PSB que foi possível ser mantida até este 2º turno. Em reserva, fontes socialistas revelam à coluna que, dois dia após totalização das urnas no 1º turno, já havia integrante da campanha defendendo que petistas fossem desligados em definitivo da administração estadual.

O movimento tinha o objetivo de conquistar o voto anti-PT, passando, assim, uma risca nessa relação. No Governo do Estado, o PT tem em sua cota a Secretaria de Agricultura, o Iterpe, EPTI e o IPA. Por que o PSB optou por não romper esse laço, uma vez que se partiria para um enfrentamento duro com o PT? João Campos devolve: "Isso é uma incoerência que tem que sr perguntada ao PT e não a mim". Ao fazer referência ao caso de João da Costa, citado por ele, no debate da TV Jornal, como aliado de Marília Arraes, uma vez que o ex-prefeito declarou apoio recentemente à petista, João Campos criticou: "João da Costa foi o último prefeito do PT na cidade do Recife e é um exemplo de como o PT administra a cidade". E completou: "Se você quiser comparar a gestão João da Costa com a de Geraldo Julio, vamos comparar e ver quem é melhor gestor". João da Costa, à frente da PCR, teve como vice Milton Coelho, que, à época, presidia o PSB no Estado e, hoje, é chefe de Gabinete de Paulo Câmara. Hoje, a esposa de João da Costa, Marília Bezerra, comanda a EPTI. Sobre esses vínculos, João Campos assinala: "Quem tem a hegemonia de tomar a decisão, ou é o prefeito ou o governador, é quem está na liderança do processo". A posição mais dura de João causou estranheza em petistas. O tema chegou ao conhecimento da direção nacional do PT e pode sacramentar um distanciamento que já vinha se desenhando nacionalmente, via movimentos do PSB, PCdoB e PDT, feitos já na eleição municipal. Nacionalmente, então, rumo a 2022, esse bloco tende a seguir numa rota paralela ao PT.

Marília volta a subir tom
A campanha de Marília Arraes decidiu, ontem, voltar a subir o tom na direção do adversário João Campos. O guia eleitoral da noite marcou a mudança na estratégia, até ontem, estava em vigor a já praticada no debate da TV Jornal, de "não entrar nessa pilha". À propaganda, a petista levou um balanço de ações vencidas na Justiça Eleitoral. A iniciativa se deu quando Marília conquistou 18 inserções na TV como direito de resposta. 

Day after > A mudança de tom na campanha petista ocorre após os socialistas terem massificado, em inserções, áudio do deputado Túlio Gadêlha no qual ele aparece afirmando que Marília teria sugerido juntar recursos para campanha via salários de assessores. Na Justiça, Marília conseguiu liminar para retirar a propaganda do ar.

Por elas > O espaço para direito de resposta concedido a João Campos foi ocupado por mulheres, protagonizado por nomes, como a vice, Isabella de Roldão, e Marina Silva. A Justiça mandou a coligação de Marília retirar do ar propaganda que atribuía a condição de machista a João Campos.

Manifesto >  Ontem, juristas divulgaram um manifesto contra fake news e saíram em defesa de Marília Arraes. O documento conta com 70 assinaturas. E sublinha: “Os fins jamais justificam os meios!". O texto diz ainda: "Não podemos nos silenciar diante dessa prática obscura e misógina” e cita risco ao equilíbrio democrático.

 

Veja também

Encontrados 19 corpos carbonizados na fronteira México-EUA
Mundo

Encontrados 19 corpos carbonizados na fronteira México-EUA

Resgatados 11 mineiros soterrados há duas semanas em mina de ouro na China
Resgate

Resgatados 11 mineiros soterrados há duas semanas em mina de ouro na China