Luciana Santos: "Candidatura de João Paulo não tem volta"

Presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos diz que candidatura "é para valer" - Paullo Allmeida/ Arquivo Folha

Presidente nacional do PCdoB, a vice-governadora Luciana Santos já não mais evita cravar que o projeto majoritário do deputado estadual João Paulo para Olinda é "para valer". Antes, tratada com cautela ou como uma ideia ainda em construção para não melindrar outros partidos também da Frente Popular, a pré-candidatura do ex-prefeito do Recife, no atual momento, segundo Luciana, "não tem por que ter volta". À coluna, a dirigente enfatiza: "Ela é para valer e a gente tem tudo para fazer o bom combate e ganhar as eleições".

No último sábado, João Paulo conquistou o apoio do PT naquela cidade, o que, no PCdoB, é considerado um avanço inegável na consolidação do projeto. "Sem dúvidas, é muito importante, vai se formando uma boa frente", pondera Luciana Santos. Ex-prefeita de Olinda, ela enumera as razões pelas quais João Paulo tem todos os motivos para concorrer. "João Paulo é um político muito experiente, que saiu com avaliação muito positiva na cidade do Recife, chegando a eleger seu sucessor (João da Costa)", enaltece a vice-governadora. Ela lembra, na esteira, que o deputado nasceu em Olinda, mas, antes, destaca a carreira do parlamentar. "Com a trajetória que ele tem, de já ter sido prefeito da Capital, deputado estadual, federal, superintendente da Sudene, o fato de ele topar ser candidato na cidade, onde, por sinal, ele nasceu, penso que é um grande presente para Olinda", assinala. Em função desse conjunto, Luciana conclui que ele reúne "condições, experiência, muita tranquilidade política para lidar com outras forças". E completa: "Foi assim como ele conduziu a frente, quando governou Recife. Então, acho que não tem por que ter volta a pré-candidatura de João Paulo. Ela é para valer e a gente tem tudo para fazer o bom combate e ganhar as eleições".

Olinda é governada pelo prefeito Professor Lupércio, do Solidariedade, que aguarda apoio do PSB no processo. O PSB teria se comprometido a apoiar Lupércio. No Recife, o PT terá candidatura própria contra o PSB, a despeito de uma ala petista ocupar cargos na gestão socialista. Também não foi sem resistência que a ala do PT de Olinda fechou apoio a João Paulo, que deixou o PT em 2018.

Fiel da balança
A articulação vem se dando de forma silenciosa nos bastidores e coloca o PL, presidido em Pernambuco pelo prefeito Anderson Ferreira, o PSC, comandado por André Ferreira, e o PSDB, que tem Bruno Araújo como presidente nacional, na condição de fiel da balança na definição do candidato das Oposições no Recife. Em encontros recentes, as siglas consolidaram a formação de um bloco.

Peso > O PL, o PSC e o PSDB respondem pelas maiores estruturas e tempos de TV da ala oposicionista. Por essa razão, podem se tornar um polo de atração de legendas como o DEM e o Cidadania.

Pendendo > O nome que esse bloco apoiar estaria cacifado para ser o escolhido das Oposições na corrida pela PCR e, por eliminação, o nome que não tiver apoio desse trio perderia força.

Questão de... > Um dos pré-candidatos da Oposição, Daniel Coelho, à coluna, defende que se tenha paciência para evitar racha no grupo. E paciência, nesse caso, equivale a usar o máximo de tempo possível. Mendonça filho também segue no páreo.

...tempo > "Se for necessário, para ter unidade, segurar até último dia da convenção, segurar todo tempo que temos para ter unidade, vamos usar", diz Daniel Coelho à coluna. Na análise dele, "querer obrigar alguém a desistir não é de quem quer unidade".