Lula tem 62% em PE, o que explica disputa por fidelização do apoio dele

De acordo com a primeira pesquisa Folha de Pernambuco/IPESPE, Bolsonaro figura com 20% na estimulada

Lula tem 62% no Estado contra 20% de Bolsonaro - Fotos: Ricardo Stuckert/ Evaristo Sá

Em Pernambuco, onde é nítido o esforço de alguns pré-candidatos ao Governo do Estado para fidelizarem os apoios do ex-presidente Lula e do presidente Jair Bolsonaro, a primeira pesquisa divulgada pela Folha de Pernambuco em parceria com o IPESPE - Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas aponta o petista com 62% das intenções de voto, na estimulada, enquanto o chefe do Planalto figura com 20%.

A considerável vantagem do líder-mor do PT explica a dura disputa em curso entre Marília Arraes e Danilo Cabral para colarem suas imagens no ex-presidente. No interior, esse percentual de Lula vai a 68%, enquanto, na periferia, é de 51% e, na Capital, de 57%. No caso de Bolsonaro, no interior, as intenções de voto dele oscilam negativamente para 18%, enquanto, na Capital, sobem para 24% e, na periferiria, chegam a 22%. Apesar da desvantagem do presidente, a amostra, em várias de suas estratificações, realça que o núcleo duro do eleitorado dele é capaz ainda de reforçar o potencial de votos de Anderson Ferreira, que encabeça seu palanque em Pernambuco.

Não à toa, quando a pesquisa testa o reflexo do apoio de Bolsonaro ao ex-prefeito de Jaboatão, Anderson sai dos 12% e oscila positivamente para 14%. É também de 14% o percentual de entrevistados que diz acreditar que o apoio de Bolsonaro aumenta as chances de as pessoas votarem num candidato a governador apoiado por ele. Por outro lado, 48% avaliam que o apoio do presidente da República diminui as chances de voto no postulante ligado a ele.

Mesmo assim, Anderson Ferreira consegue uma adesão rápida desse núcleo duro de votos de Bolsonaro, quando tem seu nome vinculado ao chefe do Planalto. Já a vinculação ao nome de Lula, leva, por exemplo, Danilo Cabral a atingir 24% ( tem 10% na estimulada) dos entrevistados. Nesse caso, ele empataria com Marília Arraes, que, associada ao nome do presidente nacional do Solidariedade, Paulinho da Força, fica com 24% (tem 29% na estimulada).

Esse empate reflete também a ainda falta de clareza o eleitorado do Estado sobre quem é o candidato ao Palácio das Princesas do petista. Nas hostes socialistas, se aposta, sobretudo no guia eleitoral, para dissipar o que governistas leem, hoje, como "confusão na cabeça do eleitor" sobre quem Lula apoia. Há uma análise, nas coxias, de que essa ligação com Lula tem sido a bala de prata da pré-candidata do Solidariedade, que tenderia a perder força quando o petista começar a estampar na TV que seu candidato é Danilo. Mesmo na pesquisa espontânea, o percentual de Lula chega a 55% contra 17% de Bolsonaro, ratificando a condição do petista de principal cabo eleitoral do Estado.

Pacote de Bondades
Em Pernambuco, segundo a pesquisa Folha de Pernambuco / IPESPE, o presidente Jair Bolsonaro tem um percentual de avaliação ótima/boa de seu governo resumida a 21%, enquanto 28% considera a gestão regular e 48%, ruim/péssima. A despeito disso, há quem alerte, mesmo entre adversários do chefe do Planalto, para os efeitos que o pacote de bondades pode ter no sentido de dar fôlego à candidatura do presidente à reeleição.

Impacto > Deputados pernambucanos embarcaram para Brasília, ontem, de olho na votação da PEC das Bondades, que inclui aumento do Auxílio Brasil, criação do voucher caminhoneiro e outras benesses.

Palanques > Ainda de acordo com a pesquisa Folha de Pernambuco / IPESPE, Ciro Gomes, presidenciável do PDT, figura com 5% na estimulada, enquanto Luciano Bivar (UB) aparece com 1%, mesmo percentual de André Janones (Avante). Simone Tebet (MDB) não alcançou 1% das citações. Ciro não tem palanque no Estado. Bivar tem Miguel Coelho e Tebet, Raquel Lyra.

Veja também

Cuba segue combatendo um gigantesco incêndio
Cuba

Cuba segue combatendo um gigantesco incêndio

Por falta de quórum, assembleia para mudança de estatuto do Náutico é adiada
Náutico

Por falta de quórum, assembleia para mudança de estatuto do Náutico é adiada