Wolney: "Se o PSB estiver com o PT em PE, estaremos em outro palanque"

Presidente do PDT-PE, Wolney Queiroz ainda aposta em aliança com o PSB - Câmara Federal

O PDT jogará todas as fichas na candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República. Quanto a isso, não restam dúvidas. A contratação recente de João Santana por um ano, inicialmente, diz muito sobre isso. Seguindo tudo como planejado, o marqueteiro deve assumir o comando da campanha presidencial do ex-ministro. Em Pernambuco, o PDT trabalha desde 2016 para ter o apoio do PSB nessa corrida pelo Planalto. E os movimentos recentes de recomposição entre socialistas e petistas acendem, naturalmente, o sinal de alerta em pedetistas. Presidente estadual do PDT e líder do partido na Câmara Federal, Wolney Queiroz, à coluna, é taxativo: "O cenário nacional nos obriga a ter alternativa em Pernambuco". Ele não arrodeia sobre os esforços envidados junto aos socialistas, nos últimos anos, no sentido de reforçar o projeto nacional da legenda. "Eu trabalho para ter apoio do PSB desde 2016", recorda. Ali, os pedetistas tinham no páreo a pré-candidatura de Isabella de Roldão à Prefeitura do Recife. Presidente nacional do PDT, Carlos Lupi chegou a cumprir agenda na Capital em apoio ao nome dela, mas a sigla recuou em prol da candidatura de Geraldo Julio. Em 2020, mais uma vez, o PDT retirou a postulação de Túlio Gadêlha para apoiar a postulação de João Campos e trouxe o próprio Ciro Gomes para grande ato de campanha do herdeiro de Eduardo Campos na Capital.

Entre 2016 e 2020, o PDT chegou a apostar no apoio do PSB a Ciro na corrida pelo Planalto, mas acabou assistindo ao PSB se declarar neutro no 1º turno em troca de apoio do PT à reeleição do governador Paulo Câmara. "Não deu certo em 2018, mas avançou muito em 2020", pondera Wolney Queiroz. Apesar dos pesares, o dirigente não joga a toalha. "Acredito que o PSB continua sendo um parceiro preferencial do PDT nacionalmente", assinala. As duas últimas decisões recentes do STF favoráveis ao ex-presidente Lula não facilitam a vida de Ciro. A despeito disso, o PDT abraça, hoje, a tese de que o presidente Jair Bolsonaro não terá musculatura para chegar ao 2º turno. Isso acarreta a leitura de que não haveria favorito para vencer o atual chefe do Planalto, equiparando as chances dos concorrentes. Pernambuco, no entanto, é parte decisiva nesse xadrez e peça-chave para o PSB, que trabalhará para fazer o sucessor de Paulo Câmara. Só que é tão relevante quanto para o PDT. "Se o PSB estiver com o PT em Pernambuco, estaremos em outro palanque", adianta Wolney. Deixa claro que não há hipótese de o PDT não erguer palanque para Ciro no Estado.

Gosto de Gás
A despeito da preocupação do governo com Renan Calheiros na relatoria da CPI da Pandemia, parlamentares dizem que o movimento de tentar minar o emedebista "saiu pela culátra". Nas coxias, se comenta que Renan "vai vir com gosto de gás", já tendo em mãos o escopo das sub-relatorias. O governo teria interesse em investir numa sub-relatoria de acompanhamento da aplicação das verbas federais por Estados e Municípios, mas quem decide é o relator.

Climática > Túlio Gadêlha assina, junto com Rodrigo Agostinho, idealizador do texto, a PEC que adiciona ao artigo 5º da Constituição, o equilíbrio ecológico e a segurança climática como direitos fundamentais. A proposta pretende transformar o assunto em cláusula pétrea - assim como outros direitos já garantidos na Carta Magna de 1988 - como à vida, à liberdade e à segurança.

Inseguro > Após Jair Bolsonaro evocar o ex-presidenciável Fernando Haddad, em discurso, ontem, atacando as esquerdas, o deputado Tadeu Alencar, à coluna, observa que o chefe do Planalto "antecipa premonitoriamente" o debate de 2022, "tema próprio da Oposição" e que “se comporta como “marido inseguro”.

 

 

Veja também

Defesa civil dos municípios da RMR registram ocorrências por conta das chuvas
Chuvas

Defesa civil dos municípios da RMR registram ocorrências por conta das chuvas

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante
Coronavírus

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante