A-A+

Santo Sudário de Turim – mistério e polêmica

A Saga Desconhecida do Santo Sudário de Cristo e de sua Igreja, livro de Dr. Jack Brandão - Mariana Mascarenhas

Até hoje, a maior relíquia católica que se conhece, o Santo Sudário, segue envolta em mistérios que intrigam todos que se aventuram conhecê-la. Para uns, é o lençol que envolveu o corpo de Jesus Cristo após sua crucificação; para outros, não passa de uma fraude bem construída. Apesar das discordâncias, o pano continua atraindo a atenção de muita gente, crentes e não-crentes.

Já imaginou compreender um pouco mais sobre esta relíquia a partir da História da Arte? Foi justamente isso que o Prof. Dr. Jack Brandão, estudioso do Sudário há mais de 30 anos, se propôs a fazer, num estudo inédito. Ele utiliza a arte para contestar pesquisas anteriores, que afirmavam que a relíquia era uma pintura medieval.

Em 1978, após exaustiva investigação, diversos cientistas dos EUA afirmaram que não havia tinta no tecido, mas não conseguiram explicar a origem da imagem ali estampada. Dez anos depois, uma bomba: o resultado do exame de carbono 14, realizado por três laboratórios de ponta, afirmou que o pano era uma criação medieval.

Em 2018, pesquisadores da Liverpool John Moores University, no Reino Unido, e da Universidade de Pavia, na Itália, reafirmaram que a relíquia é uma falsificação produzida na Idade Média, ao realizarem experimentos com sangue humano, manequins e voluntários. Tais resultados - não poderia ser diferente - foram todos contestados.

Brandão é um dos contestadores. Para ele, a relíquia não pode ser uma pintura medieval porque, na Idade Média, as obras artísticas deveriam possuir padrões comuns daquela época, e nenhuma delas é parecida com os traços do lençol.

Segundo o pesquisador, tal estudo fica claro quando se observam as diferenças entre as pinturas de Cristo e os traços presentes na relíquia. “O homem do Sudário está completamente nu. Já as primeiras obras artísticas que retratam Jesus crucificado mostram-no de olhos abertos e vestido com as roupas sacerdotais, não como se apresenta no lençol mortuário”.

Para o professor Brandão, houve todo um trabalho de construção de imagem, que se inicia com a própria aceitação da cruz como símbolo da fé cristã; realidade que, para muitos de nós, sempre existiu. “Mas é somente a partir da aceitação da cruz que se começou a buscar o Cristo crucificado como demonstração da própria redenção”. Quando isso ocorre, ressalta o pesquisador, Cristo é retratado com olhos abertos, já que havia ressuscitado.

No entanto, “a própria Igreja solicitou aos artistas que parassem de retratá-lo dessa maneira, mas de olhos fechados, pois havia a necessidade de demonstrar que ele havia morrido de fato”. Isso porque “algumas heresias negavam sua morte”, conclui. Portanto, é possível perceber como a maior relíquia católica pode envolver estudos que vão muito além do que podemos imaginar!

Dr. Jack Brandão – Professor e Doutor pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisador da arte medieval, renascentista, seiscentista e autor do romance A Saga Desconhecida do Santo Sudário de Cristo e de sua Igreja, que aborda a trajetória do pano de linho de forma nunca antes vista. 
[email protected] / www.jackbran.pro.br/sudariodeturim.html

Mariana Mascarenhas - Jornalista e pesquisadora do Centro de Estudos Logo-imagéticos CONDES-FOTÓS - [email protected] 

Veja também

Após pedir troca, PL indica novo presidente para Banco do Nordeste
Indicação

Após pedir troca, PL indica novo presidente para Banco do Nordeste

Corte alemã pode ter decisão sobre Brumadinho em quatro meses
Brumadinho

Corte alemã pode ter decisão sobre Brumadinho em quatro meses