Rede D’Or: humanização e tecnologia de ponta

A maior rede de saúde privada da América Latina

Esperança Recife - ACERVO REDE DOR

Ser reconhecida como a maior rede de saúde privada da América Latina é um privilégio que demanda trabalho árduo. E disso a Rede D’Or entende, já que desde 1977 trabalha incessantemente para garantir tratamento humanizado e qualificado para quem precisa de atendimento em saúde.
O grupo conta com mais de 70 hospitais e 55 clínicas oncológicas espalhadas pelo Brasil, e neles o padrão é a inovação, com uso de tecnologia avançada, equipe supercapacitada e serviços complementares robustos. A Rede D’Or também mantém o maior Programa de Qualidade Técnica do país, criado há 12 anos e responsável pelo monitoramento contínuo de indicadores de saúde dos seus pacientes, cujos resultados são referência dentro da saúde suplementar do Brasil.

REDE DOR NO BRASIL
Fundado sob o nome de Cardiolab, o grupo nasceu no Rio de Janeiro, no bairro de Botafogo, pelas mãos do cardiologista Jorge Moll Filho, que decidiu investir em uma rede médica inovadora, apostando na tecnologia para desenvolver novas formas de realizar diagnósticos. 
A decisão foi tomada graças à frequência com a qual o médico via seus pacientes cariocas viajarem para São Paulo em busca de hospitais de ponta para realizarem seus exames. Iniciava-se, assim, uma nova era médica no Rio de Janeiro, principalmente na área de diagnósticos por imagem em clínica. 
 
Nascimento e maturação 
Entre os anos de 1982 e 1988, o Cardiolab cresceu e se tornou Grupo Labs, com a abertura de novas unidades em outras localidades do Rio de Janeiro e lançamentos pioneiros, como o uso de Doppler, Color Doppler e exames como a ecocardiografia transesofágica e a ecocardiografia de stress. No final dos anos 1980 e início dos anos 1990, o Grupo Labs iniciou a implantação do conceito “todos os exames em um só lugar”, com a inauguração do seu primeiro complexo em Botafogo, em um prédio de seis andares, com capacidade para realizar múltiplos exames. 
O período marcou também a chegada no Rio de Janeiro, pelas mãos do Grupo Labs, do primeiro equipamento de ressonância magnética com magneto fechado. Nos anos 1990, os avanços tecnológicos do grupo continuaram se consolidando e foram lançadas as primeiras câmeras digitais laboratoriais, que posteriormente evoluíram para spects, gated spects e equipamentos de duas cabeças de medicina nuclear e cintilografia miocárdica. Outras novas megaunidades do grupo também foram inauguradas em outros pontos da cidade.
No final da década, em 1998, o grupo expande suas atividades e investimentos na área hospitalar, com a inauguração do primeiro hospital da Rede D’Or: o Hospital Barra D’Or, na Barra da Tijuca, revolucionário nos conceitos de arquitetura e hotelaria hospitalar. A partir de então, a Rede entrou em trajetória de crescimento pleno, com a abertura e aquisição de outros hospitais no Brasil que passaram a contar com o selo de qualidade D’Or.

Chegada ao Nordeste
Já reconhecida pela excelência de seus serviços e pelo uso de alta tecnologia nos diagnósticos e exames, entre os anos de 2006 e 2008 a Rede D’Or marca sua chegada ao Nordeste com dois grandes hospitais instalados em Pernambuco: o Hospital Esperança Recife e o Hospital Esperança Olinda (antigo Prontolinda), além da gestão do hospital São Marcos, que posteriormente foi comprado pelo grupo. Com a aquisição, o Esperança Recife transformou-se em um dos mais completos núcleos de atendimento em saúde, com foco em média e alta complexidades, com emergência geral, pediátrica e para a pessoa idosa, além de UTIs geral, cardiológica e pediátrica e centros de diagnósticos, hemodinâmica e oncologia. O hospital recebeu também um moderno centro cirúrgico, que inclui a cirurgia robótica.
Já o Hospital Esperança Olinda vem se consolidando como um importante centro médico para a população da cidade e de toda a região metropolitana norte do Grande Recife. Recentemente, foi reconhecido como um dos melhores hospitais do país no ranking do The World’s Best Hospitals, sendo também acreditado com excelência — ONA 3. Em 2016, a Rede D’Or também agregaria ao seu portfólio em Pernambuco o hospital Memorial São José, renomado e reconhecido por suas inovações tecnológicas, pelo atendimento humanizado e pela capacidade de atender procedimentos complexos os mais diversos. Foi o primeiro hospital das regiões Norte e Nordeste a ser acreditado pela Joint Commission International (JCI), mantendo o padrão de excelência até os dias de hoje.
Somando mais de 45 anos de trajetória, a Rede D’Or continua crescendo e registra números impressionantes. São mais de 71 mil colaboradores, 87 mil médicos credenciados, 11,5 mil leitos, 5,3 milhões de atendimentos de emergência e 4,4 milhões de atendimentos ambulatoriais por ano, além de quase 500 mil cirurgias e 47,4 mil partos anuais.

Pesquisa e ensino 
Em sua trajetória de crescimento, a Rede D’Or decidiu investir também em formação e pesquisa, com o objetivo de contribuir para a evolução da ciência quando o assunto é o cuidado humano. Assim, em 2010 foi fundado o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), organização sem fins lucrativos que combina pesquisa de ponta, capacitação profissional e desenvolvimento tecnológico na saúde. Nessas três vertentes são realizados trabalhos inovadores, que proporcionam importantes contribuições para a saúde pública do Brasil e do exterior. Hoje, o Instituto possui unidades na maioria dos estados da federação, incluindo Pernambuco. 
Na área de pesquisa, o IDOR se volta para a neurociência, para a medicina intensiva e para a medicina interna. Dentro desse escopo, uma equipe diversificada de cientistas produz pesquisas translacionais e correlaciona as informações obtidas na bancada dos laboratórios aos dados clínicos dos pacientes. Essa área é tão bem-sucedida que viabilizou, também, inúmeras parcerias internacionais, além de centenas de publicações em revistas científicas de grande prestígio. Mais de 92 pesquisadores participam do Instituto e colaboram com suas pesquisas em mais de 60 países.  
Já no campo do ensino, o Instituto contribui nas esferas de graduação, pós-graduação stricto sensu, residência médica e multiprofissional e aperfeiçoamento dos cursos de capacitação, tudo dentro da Faculdade IDOR de Ciências Médicas, fundada em 2017, com sede em Botafogo. Já na área de inovação, o IDOR traduz resultados de pesquisa em desenvolvimento tecnológico para atender demandas reais e atuais do setor de saúde. Para dar base a esses processos, foi criada a Open D’Or, agência de inovação do Instituto, que tem como objetivo promover o empreendedorismo e o desenvolvimento de inovações na saúde.  
Assim, o Instituto trabalha mapeando empresas e startups de tecnologias disruptivas, promove eventos e cursos e realiza captação de fomento para a criação de soluções no setor. Mais de mil parceiros já foram mapeados pela agência, além de duas plataformas digitais criadas para o combate da pandemia de Covid-19. Além do incentivo à pesquisa e formação, a Rede D’Or também trabalha em iniciativas sustentáveis, através de ações ambientais de conservação da água, gestão do uso de energia em suas unidades, gestão de materiais e resíduos hospitalares e outros projetos de redução de riscos ambientais.  
Por motivos diversos e outros já citados, a Rede D’Or permanece no topo das instituições de saúde do Brasil e se projeta internacionalmente por prestar atendimento médico de excelência e alta eficácia, com equipes qualificadas, unindo a inovação e a tecnologia a humanização, integridade e respeito a cada um dos pacientes.
 

Veja também

Fiocruz alerta para circulação simultânea da covid-19 e gripe
SAÚDE

Fiocruz alerta para circulação simultânea da covid-19 e gripe

Fluxo cambial total em 2024, até 23 de fevereiro, é positivo em US$ 2,886 bi, diz BC
câmbio

Fluxo cambial total em 2024, até 23 de fevereiro, é positivo em US$ 2,886 bi, diz BC