Como a saúde ocupacional pode minimizar os impactos da pandemia?

Luiz Regueira, médico do trabalho do SESI-PE - Livro Inspiração Saúde

Garantir boas condições de trabalho, a saúde e a segurança dos trabalhadores é um dos principais desafios enfrentados pelas empresas de todos os portes e segmentos. Atualmente, os números de casos de acidentes de trabalho no Brasil ultrapassam mais de 700 mil por ano, o que faz com que nós sejamos o quarto país no ranking mundial de acidentes laborais, segundo a Organização Internacional do Trabalho. Esses dados alarmantes nos mostram o quão sério devem ser os cuidados com a saúde e a segurança dos trabalhadores, assim como reforçam a importância da prevenção e da saúde ocupacional.

Em Pernambuco, o cenário também é preocupante. Só em 2018 foram contabilizados 14.789 acidentes de trabalho, de acordo com o mais recente Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho. Para minimizar e neutralizar os riscos desses acontecimentos, é fundamental investir em saúde ocupacional para diagnosticar as ameaças as quais os colaboradores estão expostos, desenvolver ações efetivas para mitigar os riscos e promover treinamentos para toda a equipe aplicar dentro e fora do ambiente de trabalho. 

Com a pandemia da Covid-19, todo esse cuidado se tornou ainda mais necessário e as empresas devem seguir os protocolos recomendados pelos órgãos competentes para reduzir a disseminação da doença endêmica entre os funcionários. Enquanto pesquisadores do mundo inteiro somam esforços para encontrar caminhos a fim de combater o coronavírus, os médicos do trabalho desenvolvem planos de enfrentamento à Covid-19, orientam os trabalhadores sobre como identificar casos suspeitos e diminuir o contágio, apontam quais são formas de transmissão, indicam quando procurar assistência médica e qual é o tempo correto de afastamento do trabalho para os infectados. Tudo isso tem sido essencial para minimizar os impactos da pandemia e zelar pela saúde e segurança da força de trabalho.

E por falar em plano de contingenciamento, o do SESI-PE, por exemplo, prepara o ambiente e o trabalhador da indústria para o cenário atual de epidemia, prestando assessoria técnica médica ocupacional no monitoramento da saúde dos trabalhadores. A instituição também apoia a empresa na gestão de riscos associados à pandemia no momento de retomada das atividades laborativas, assim como oferece teleatendimento e testes rápidos para detecção da Covid-19. Para se ter ideia, até agora já foram testadas 4.582 pessoas. Além disso, o quadro de especialistas do SESI Saúde, clínica situada no bairro de Santo Amaro, no Grande Recife, foi reforçado para diagnosticar e tratar doenças.

A principal prática em saúde ocupacional é o cumprimento das recomendações dos Programas de Segurança e Saúde do Trabalho, previstas nas Normas Regulamentadoras do Ministério da Economia. A NR 7, Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, monitora a saúde do trabalhador da empresa, com utilização de prevenção primária e secundária de danos ou agravos ao seu bem-estar físico, psíquico e social, assim como recomenda atividades educacionais e campanhas de vacinações e elabora um perfil epidemiológico da comunidade de colaboradores.

O descumprimento dessas NRs deixa os trabalhadores mais vulneráveis e traz sérios impasses e multas para a empresa. Se for comprovado que um funcionário sofreu um acidente de trabalho ou desenvolveu alguma doença ocupacional, a organização é obrigada a pagar o FGTS do período de afastamento e pode responder nas esferas cível e criminal.

Com a adesão aos programas de saúde ocupacional, as organizações evitam danos financeiros e proporcionam um ambiente mais seguro, saudável e confortável, favorecendo a produtividade dos colaboradores e evitando as faltas e os afastamentos. Portanto, a saúde ocupacional é a grande chave para alcançar resultados efetivos nas empresas, boas condições laborais e a redução de custos do negócio. Promover a saúde dos trabalhadores em tempos de pandemia não é tão simples, mas é possível e extremamente importante para preservar a vida de todos.

 

Veja também

Dia Mundial da Voz: Fonoaudióloga alerta sobre cuidados fundamentais
Educa Mais

Dia Mundial da Voz: Fonoaudióloga alerta sobre cuidados fundamentais

Morre a atriz britânica Helen McCrory, a Narcissa Malfoy de 'Harry Potter', aos 52 anos
Luto

Morre a atriz britânica Helen McCrory, a Narcissa Malfoy de 'Harry Potter', aos 52 anos