Mindfulness: uma nova meditação capaz de tratar ansiedade e depressão

Dr Tiago Queiroz - Médico Psiquiatra - Doutor em Neuropsiquiatria e Ciências do Comportamento (UFPE) - Inspiração Saúde

Sim, certamente você já ouviu ou leu algo sobre como a depressão tem sido considerada o mal do século pela Organização Mundial de Saúde (OMS) ou sobre como a ansiedade tem afetado negativamente nossas vidas e relacionamentos. Se você nunca passou por um desses quadros, certamente conhece alguém que já teve ou tem algum tipo de adoecimento emocional. E com as doenças da mente se aproximando cada vez mais de todos nós, fica uma pergunta que não quer calar: como evitar a depressão e a ansiedade? Ou ainda, como tratar para não continuar doente ou não voltar a ter novos episódios? E é sobre isso que vamos falar hoje, sobre algo que todos nós podemos fazer por nós mesmos...independente se você tem, já teve ou nunca teve um adoecimento psíquico, existe um tipo de “treinamento para a mente”, tipo um exercício físico para a mente, que diminui a sua chance de ter uma depressão ou um transtorno de ansiedade. O nome desse exercício para a mente chama-se Mindfulness, que didaticamente podemos conceituar com um “novo tipo” de meditação.

Quando se fala em meditação, a maioria de nós tem a imagem de algo tipo um monge budista, alguém “zen”, sentado de pernas cruzadas, em um local de natureza e silêncio. E embora essa imagem tenha relação com a origem da meditação oriental, em nada representa esse novo tipo de meditação chamado de Mindfulness, que é uma meditação com base científica e sem nenhuma relação com espiritualidade ou religião, que pode (e deve) ser praticada em qualquer lugar, por qualquer um que aprenda as técnicas dessa prática. E nada de precisar passar horas meditando, poucos minutos por dia já são suficientes para a mudança acontecer. 

O Mindfulness utiliza protocolos de meditação e práticas que treinam a nossa mente para sair do piloto automático e viver mais o momento presente. E por que isso é importante? Didaticamente podemos entender assim: quando estamos no piloto automático, estamos constantemente com preocupações e ruminações na nossa mente, e isso “consome nossa serotonina”, que é um neurotransmissor responsável pelo bem-estar, felicidade e controle da ansiedade. Às vezes nem percebemos, mas saímos do trabalho, chegamos em casa, mas não estamos realmente presentes em casa, nosso corpo está lá, mas a mente continua pensando nos problemas, se preocupando, e com isso continuamos “gastando nossa serotonina” justamente quando deveríamos estar relaxando, fazendo uma atividade prazerosa ou relaxante para “produzir nossa serotonina”. Estar no piloto automático faz com que nós não percebamos o quanto estamos nos desgastando, adoecendo emocionalmente. E o Mindfulness entra justamente aqui, é um conjunto de técnicas que qualquer um pode aprender para treinar a mente para sair do piloto automático, gastar menos e produzir mais nossa preciosa serotonina. 

O Mindfulness não é para quem é Zen, pelo contrário, é justamente quem “não é Zen”, porque é quem mais precisa aprender a economizar a sua serotonina, porque “já tem menos ou gasta mais” com seu funcionamento mais acelerado. Não à toa, o Mindfulness tem sido praticado por atletas, executivos e até agentes de forças especiais, pessoas que lidam com alta carga de estresse e precisam estar mais conscientes do seu estado emocional para se cuidar melhor, sem perder seu foco e produtividade.

Estudos em diferentes países já mostram como a prática do Mindfulness está relacionada ao menor adoecimento psíquico e como ele pode ser utilizado também no tratamento de transtornos psiquiátricos, em alguns estudos sendo tão eficaz quanto o uso de medicações ou a psicoterapia para determinados casos. Não que isso deva direcionar para uma troca de uma modalidade de tratamento pela outra, mas principalmente que se agregue, se adicione algo novo ao tratamento, geralmente combinado ao uso de medicações num primeiro momento, e depois diminui ou sai a medicação, e fica só o Mindfulness como manutenção do tratamento, por exemplo. Mas para que os benefícios do Mindfulness sejam realmente percebidos, é necessário um treinamento com as técnicas corretas, porque infelizmente existem muitas fontes (profissionais, centros, livros, Apps e outros) usando o nome de Mindfulness, mas que não seguem os protocolos corretos que foram estudados e validados como eficazes. Então o segredo é ficar atento à formação do profissional/instrutor e as credenciais do local de formação que está oferendo o chamado “Curso de 8 semanas”, que é a modalidade/protocolo com mais estudos comprovando sua eficácia.

Talvez você nunca tenha ouvido falar no Mindfulness ou tenha uma certa resistência com algo relacionado a meditação, eu te entendo, como médico eu também tinha essa visão pré-concebida da meditação, meio que “um pé atrás”, mas foi até conhecer o mindfulness. Não só tem mudado a minha vida, como de tantos pacientes e alunos do curso, mas ainda mais importante, o Mindfulness possui evidência científica comprovada, é ensinado e praticado em importantes centros de prestígio acadêmico, como as Universidades de Harvard, Cambridge e Oxford. 

E para concluir, agora que já sabemos o que é o Mindfulness e como ele pode nos ajudar a tratar (ou evitar) a depressão e a ansiedade, fica a pergunta: o quanto temos priorizado e investido no cuidado da nossa mente? Cada vez mais pessoas se dedicam a cuidar do corpo, se exercitar, o que é ótimo, mas o nosso chamado é para um cuidado de equilíbrio: corpo e mente. Mente sã, corpo são. E em tempos de tanto adoecimento psíquico, nunca foi tão importante, tão urgente, cuidarmos do nosso bem mais precioso: nossa mente e emoções. Abra-se para o novo, abra-se para o Mindfulness!

*Nascido no Recife, Tiago Queiroz Cardoso fez a sua graduação na Universidade de Pernambuco, concluída em 2009. Após a graduação, fez residência médica em Psiquiatria no Hospital Ulysses Pernambucano e depois fez mestrado e doutorado na Universidade Federal de Pernambuco, onde também foi professor de psiquiatria. Foi ainda preceptor das residências de psiquiatria do Hospital das Clínicas (UFPE) e do Hospital Ulysses Pernambucano. Após os anos de formação acadêmica e ensino como psiquiatra, fundou o Instituto Dr Tiago Queiroz, centro multiprofissional que integra atendimentos em psiquiatria, psicologia e nutrição, e que conta também com cursos de mindfulness, um “novo tipo de meditação”, com base científica, que atua na prevenção e tratamento de quadros de ansiedade e depressão, e que são ministrados presencialmente e online, pelo próprio Dr Tiago. A visão de um tratamento integrado, humanizado e personalizado, são valores que permeiam seu compromisso com uma medicina ética e de excelência, que valoriza o ser humano como todo e em especial, sua mente e emoções.

Veja também

Senado: Flávio Bolsonaro representa contra Kajuru no Conselho de Ética
Atrito

Senado: Flávio Bolsonaro representa contra Kajuru no Conselho de Ética

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma
Graduação

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma