Desemprego: o fantasma volta a assombrar

Ilustração: Hugo Carvalho / Folha de Pernambuco

Nos meus tempos de pesquisa acadêmica e docência defini o tema do desemprego como uma prioridade de estudo. Busquei nas teorias sobre Economia do Trabalho e até na Sociologia e Psicologia, uma compreensão abrangente sobre esse fenômeno socioeconômico, bem como seus efeitos na vida do trabalhador. Por essa razão, dediquei-me às experiências teóricas e práticas que já destacavam o seguro-desemprego como um importante mecanismo de proteção ao desempregado, algo até então inédito no Brasil.

Esse conhecimento  acadêmico, levou-me a engendrar alguns esforços complementares no âmbito da política pública, que  contribuíram efetivamente para a adoção desse instrumento no mercado de trabalho brasileiro. Uma conquista alcançada na órbita do então Ministério do Trabalho, derivada da proposição que constava do pacote que gerou o "Plano Cruzado", em 1986.

De fato, a grave recessão  que atingiu a economia brasileira na primeira metade da década de 80 trouxe à luz do debate o drama do desemprego. Um contexto social adverso, que passou a contar à epoca com o raspado de uma metodologia estatística de aferição, decorrente da introdução da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), criada pelo IBGE, em 1980.

A PME, aplicada em seis regiões metropolitanas brasileiras, mesmo que submetida a revisões metodológicas nos seus planos de amostragem (1982, 88 e 93), expôs à cena econômica o problema do desemprego conjuntural de modo bem mais evidente. Assim, a pesquisa em si e as altas taxas verificadas no período foram seguramente indicativas da defesa e posterior implantação do programa de seguro-desemprego. 

No entanto, por meras razões conceituais, essa pesquisa não exprimia  uma métrica mais ampla, capaz de assimilar um conceito de desocupação com maior consistência e que considerasse outros importantes núcleos urbanos. Foi então encerrada em fevereiro de 2016. Dada essa decisão e considerada a pauta das avaliações críticas, foram definidas novas metodologias para estimar o desemprego, consagradas no âmbito da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios (aqui chamada PNAD contínua). Nesse novo referencial técnico, os indicadores mensais não refletiram mais a situação de cada mês, porque levaram em conta a situação do trimestre móvel que finaliza a cada mês.

Diante desse contexto, as estimativas recentes do desemprego não são nada animadoras e trazem à cena esse velho fantasma, que frustra o sonho do bem-estar de tantos indivíduos. De fato, a taxa de desemprego do terceiro trimestre deste ano foi recorde, posto que atingiu 14,6% da população economicamente ativa (PEA). Isso representa cerca de 14,1 milhões de trabalhadores desocupados, o que significou no semestre um aumento de 1,3 milhões na composição do "estoque" de indivíduos em situação de desemprego. No bojo desses dados da PNAD, também é preocupante o fato de que em um ano a estimativa de perda dos postos de trabalho atingiu 11,3 milhões de vagas. E pior: desde maio que menos da metade da população em idade de trabalho (PIT) está ocupada. Um cenário assombroso.

Dado o que se espera, em termos de desempenho econômico para o curto e médio  prazos, não será nenhuma surpresa se o volume de desempregados atingir um estoque próximo a 20 milhões de trabalhadores, algo como uma taxa entre 17% a 18% da PEA. Será a efetivação de um quadro social que poderá  representar para o Governo um cataclismo político.

Veja também

Fiocruz negocia mais 15 milhões de doses de vacina da AstraZeneca
Coronavírus

Fiocruz negocia mais 15 milhões de doses de vacina da AstraZeneca

EUA supera 25 milhões de casos de Covid-19
Coronavírus

EUA supera 25 milhões de casos de Covid-19