Economia em "v", governo em "alfa": onde está o "xis" da questão?

Ilustração: Hugo Carvalho / Folha de Pernambuco

William Shakespeare e Oscar Wilde foram dois dramaturgos ingleses que deram grande contribuição ao pensamento. Escolhi uma frase de cada pelo esforço de compreensão sobre o comportamento errático, que afeta a condução das políticas do governo e, em especial, da economia.

Para Shakespeare, "todos caminhos estão errados quando você não sabe aonde quer chegar". Na ausência de estratégias, o que se diz hoje pode ser desmentido amanhã, atitudes comuns ao Presidente. Da sapiência  de Wilde, destaco que "os olhos são inúteis quando a mente é cega". Ou seja, não cabem ao Presidente e seu time apenas reconhecerem um problema, sobretudo, quando não se usam os instrumentos adequados para enfrentá-lo e ainda  se defendem sob o pretexto de transferir responsabilidades por erros e omissões. Assim, as duas frases remotas se tornaram atuais, pois  resumem os descompassos do governo, vistos na política e economia. 

O desafio é entender o "xis" de uma questão maior: como melhorar a vida dos brasileiros, através de uma governabilidade equilibrada? No cenário de hoje, infelizmente, os performances das ações públicas são  ziguezagueantes. Traduzem-se em situações desordenadas, tais como leituras inversas de uma bússola, onde o comando aponta para o norte e os comandados para o sul. Resultado: a sociedade atônita assiste à equipe econômica dizer que a economia está em "céu de brigadeiro", com crescimento em "V". Já  o Presidente, noutra órbita, em pleno estado alfa, nega tudo: saúde pública, contexto econômico ou quaisquer outras situações que sirvam de óbices às suas convicções. 

Tratar com uma superficialidade renitente temas delicados que pedem cautela não é só uma atitude de incúria. Ao se levar em conta  a economia, que interfere no ânimo de diferentes agentes dos marcados, isso pode ser muito arriscado, com impactos preocupantes. Ao dizer, mesmo que ao pé do ouvido da sua fiel militância, que a "economia está quebrada", a postura se mostrou inoportuna e grave, haja vista o peso da sua representação política. Os efeitos só não atingiram a dimensão comum de um estrago anunciado, porque o mantra verborrágico já emitiu sinais de baixa credibilidade. Do mesmo modo, também ninguém acreditou num gesto de outro extremo, quando seu Ministro da Fazenda  insinuou que o desempenho da economia brasileira para 2021 teria um efeito gráfico em "V". Afinal, pela cautela necessária, nem 8, nem 80. Bem no padrão desta coluna.

Claro que o cenário econômico para 2021 exige cautela, porque ainda pairam incertezas. O repique da pandemia e o fim do auxílio deixam sob alerta preocupações evidentes sobre a saúde pública, as contas governamentais e o mercado de trabalho. Nem mesmo a possibilidade de juros reias negativos é capaz de animar os investidores. Basta lembrar aqui a consagração do oitavo ano consecutivo de um déficit projetado no OGU, dessa vez da ordem de R$ 247 bilhões. Isso num quadro de maior endividamento e ainda sem as reformas e privatizações anunciadas.

Apesar desse contexto, de maior vulnerabilidade no setor público, não houve e nem há quebra. Neste estado de insolvência, não se financia e nem se rola o déficit. Portanto, houve inadequação técnica (além de política) na fala do Presidente. 

Mas, em estado de alfa, com a baixa credibilidade pelo que diz num dia, vale mesmo dizer no outro que a economia está maravilhosa. E nesse ritmo ciclotímico, de corda esticada, Guedes se equilibra e suspira. E daí?

Bem, daí é  que as pressões da sociedade são sempre maiores que o caixa do governo. Isso dá peso ao poder da escolha, justo onde está o "xis" da questão. Cabe atenção, porque entre o "quebrado" e o "maravilhoso" já aconteceram decisões e intenções contraditórias. A surrada caneta BIC tem lá seu valor.

Veja também

Defesa civil dos municípios da RMR registram ocorrências por conta das chuvas
Chuvas

Defesa civil dos municípios da RMR registram ocorrências por conta das chuvas

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante
Coronavírus

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante