Conheça os números do Mercado de Combustíveis no Brasil

Leia neste artigo informações importantes sobre o setor

Canva

A concentração na oferta sempre causa desajustes e distorções em qualquer segmento econômico. 

Quando se estabelece em um setor crucial como o de distribuição de combustíveis, neste caso, gasolina e diesel, se torna um peso gigantesco e quase insuportável para toda a sociedade. 

Estamos falando de um mercado de 62,1 bilhões de litros de óleo diesel, máxima histórica registrada em 2021, na esteira do bom desempenho da agropecuária, da mineração, da construção civil e do comércio eletrônico.

Também falamos de 39,3 bilhões de litros de gasolina em 2021. Alta de 9,7% em relação a 2020.

São mercados imensos que comportam dezenas de concorrentes, porém, sofremos neste segmento, distribuição de combustível, do mesmo mal que acomete outros setores da economia nacional: concentração da oferta.

E a má notícia é que o setor de distribuição de combustíveis fechou o ano de 2021 com maior grau de concentração do que tinha em 2020. 

De acordo com dados da Agência Nacional de Petróleo - ANP, a participação de mercado das três líderes, Vibra (ex-BR Distribuidora), Raíze e Ipiranga, somadas, alcançou 69,81% nas vendas de diesel, o que representa alta de 1,4 ponto percentual em relação a 2020 e 62,13% na gasolina, com crescimento em relação a 2020 de 2,2 pontos percentuais.


Participação da Vibra, Raízen e Ipiranga nas vendas de diesel e gasolina no mercado brasileiro


Obs. Dados da participação somada das 03 distribuidoras: Vibra, Raízen e Ipiranga.

   

 

Foi uma reversão da tendência de desconcentração observada nos últimos anos na distribuição de diesel e gasolina. 
Uma saída para esta concentração é a importação, porém, a viabilidade da importação depende muito da política de preços praticada pela Petrobrás. 
 
Quando os preços da Petrobras ficam abaixo da paridade internacional, as importações perdem atratividade. 
 
Oportuno lembrar que a própria Petrobrás foi monopolista do mercado de refino até 2021. Este monopólio só foi quebrado no fim de 2021, com a conclusão da venda da refinaria RLAM (BA) para o Mubadala. Portanto, hoje temos 11 refinarias com a Petrobras e 01 com a Mubadala. 

Quanto aos preços, a gasolina subiu cerca de 46% em 2021. Segundo dados da ANP (Agência Nacional de Petróleo), o combustível custava, em média inicial, R$ 4,6 na bomba dos postos de combustíveis. Em dezembro, preço médio era de R$ 6,67, flutuação entre R$5,2 a R$7,9. 

O diesel também teve alta semelhante. Passou de R$ 3,6, para R$ 5,3, Alta de 47%. Flutuação entre R$ 4,00 e R$ 6,9. 

Outros combustíveis

O etanol teve queda de 13% nas vendas entre 2021/2020, perfazendo 2021 na marca de 16,7 bilhões de litros vendidos, bem abaixo do recorde de 22 bilhões de litros de 2019.

Em 2021 o etanol teve alta de preço de 59%. Saiu de um preço médio de R$ 3,2 em janeiro e passou para R$ 5,1 em dezembro.

As vendas de querosene de aviação (QAV) continuaram abaixo da época pré-pandemia, porém 22,8% acima do desempenho do ano 2020, totalizando 4,3 bilhões de litros em 2021, informam os dados levantados pela ANP.

Ao fim e ao cabo, verificamos que o mercado de combustíveis no Brasil, dada a dinâmica da sua economia e a extensão do seu território, é gigante e não se concebe mais vivermos sob o julgo de monopólios e concentrações na oferta, que exploram e subjugam as empresas e a economia popular.
Forte abraço a todos e fiquem com Deus!

Fonte: Agência Nacional de Petróleo - ANP

Veja também

Confederação Africana de Futebol anuncia criação de Super Liga de clubes
Futebol Internacional

Confederação Africana de Futebol anuncia criação de Super Liga de clubes

Bolsonaro veta correção de alimentação escolar e reajuste a policiais em prévia do orçamento
Economia

Bolsonaro veta correção de alimentação escolar e reajuste a policiais em prévia do orçamento