O Brasil Tem a 2° Maior Taxa de Juros Real do Mundo. Mas isso ainda não é o pior

O maior problema de uma taxa de juros alta é o custo interno que sufoca pessoas e empresas no Brasil

Foto: Pexels

Após decisão do Banco Central do Brasil – BACEN na última reunião do Comitê de Política Monetária – COPOM, em setembro próximo passado, de elevar a taxa SELIC para 6,25%, dentre outros motivos, para conter a inflação, o Brasil passou a ser o 2° país no mundo no ranking de países com as maiores taxas de juros reais.

Com taxa real de 3,43% a.a., projetados para os próximos 12 meses, ficamos atrás apenas da Turquia, que ostenta 4,96% a.a. no mesmo período. Claro que estamos falando de juros institucionais, que lastreiam a dívida pública, o mercado interbancário e parametrizam as aplicações dos grandes investidores.

Juros básicos da economia são os juros dos meta capitais, que impulsionam os grandes investimentos e movimentam economias nacionais e mundiais. Portanto, sem qualquer conexão no Brasil com o mundo do varejo, consumo e das famílias. 
Neste cenário das pessoas e pequenas empresas, uma taxa de juros de 6,25% a.a. seria um paraíso. A realidade, por exemplo no mercado de cartão de crédito pessoa física, é da prática de taxas anuais entre 59,28% e 422,66%, dependendo da modalidade de utilização: compras parcelas, financiamento de fatura, atraso de pagamento, etc.

No segmento de cheque especial pessoa física, encontramos na pesquisa de 21.09.2021 a 27.09.2021 do Banco Central – BACEN, taxas anuais de 15,99% a 162,38% compreendendo operações de cheque especial, adiantamentos a depositantes e corresponde ao custo efetivo médio das operações para os clientes. Nesta pesquisa, encontramos apenas uma instituição pontuando fora da curva e praticando 342,38% a.a.

Já para pessoas jurídicas, nos informa a mesma pesquisa do BACEN, que houve registros de operações de capital de giro com prazo superior para 365 dias do patamar mínimo anual de 6,5% a 56,99%.

Por fim, observamos que o Sistema Financeiro Nacional – SFN opera a taxa de juros com enorme elasticidade, porém, como existe muito mais demanda do que oferta, neste cenário as taxas e condições são definidas muito mais pela força da oferta do que pelo desejo da demanda.  
Assim sendo, o Brasil ter a 2° maior taxa de juros reais do mundo, que uns acreditam que atrai investidores e outros defendem que não é bom para a economia produtiva, não é o maior problema. O maior problema é o custo interno que sufoca pessoas e empresas no Brasil.

- Escrito por Marcio Borba;
- Economista;
- Diretor da Borba Consultoria;
- Presidente da Sociedade Pernambucana de Planejamento Empresarial - SPPE.

Veja também

Senado aprova acúmulo de saldo de telefonia não utilizado
Serviço de telefonia

Senado aprova acúmulo de saldo de telefonia não utilizado

Assaí Atacadista oferece 290 vagas de emprego para nova unidade no Recife
oportunidade

Assaí Atacadista oferece 290 vagas de emprego para nova unidade no Recife; inscrições seguem até 30 de setembro