O que você sabe sobre a Inadimplência do Consumidor Brasileiro?

Como diferenciar a inadimplência clássica da impontualidade

Pexels.com

Inadimplência é, geralmente, a consequência da falta de capacidade de pagamento estrutural de um devedor. Ou seja, “ceteris paribus”tudo o mais constante , o devedor não poderá pagar o compromisso assumido.

Portanto, é necessária uma repactuação dos termos iniciais, visando o reequilíbrio econômico e financeiro da transação.

Podem ser causadoras da inadimplência, dentre outras, a perda ou redução definitiva da receita, aumento involuntário e significativo do(s) compromisso(s) assumido(s), perda de patrimônio, elevação do custo de financiamento da dívida, dentre outras causas.

inadiplencia, contas a pagar, falta de dinheiro, como economizar, guardar dinheiro

Importante diferenciar a inadimplência clássica da impontualidade.

A impontualidade é consequência do descasamento do fluxo de caixa, ou seja, num determinado período o devedor apresenta equilíbrio entre receita e despesa, no entanto, as datas de entrada e saída de caixa não coincidem, gerando assim, frequentemente, o pagamento em atraso, porém não caracterizando uma inadimplência estrutural.

A não compreensão desta diferença pode levar à adoção de soluções inadequadas ao problema.   

Visto isso, quando analisamos os dados de inadimplência no Brasil, temos que ter muito cuidado com as conclusões. A informação se refere a uma impontualidade frequente ou pontual, porém, com solução autônoma num determinado prazo ou realmente trata-se de uma falta de capacidade de pagamento estrutural, e aí, será necessária uma atuação sistêmica?

Tomemos como base uma informação recente da FECOMÉRCIO – SP:

“Endividamento bate novo recorde na capital paulista - Na capital paulista o número de endividados bateu novo recorde em outubro: 2,84 milhões, representando 71,3% do total dos lares. Essa é a 11ª elevação consecutiva.”

Ora, analisando os dados em detalhe encontramos o seguinte extrato da inadimplência na capital do estado de São Paulo:

Período: últimos 13 meses base outubro 2021 - Local: São Paulo – Capital

Fonte: Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC - SP

As perdas das empresas vêm reduzindo (inadimplência do consumidor), os atrasos dos consumidores mantêm-se praticamente no patamar (impontualidade) e o nível do endividamento das famílias vêm aumentando (análise de risco potencial futuro).Numa leitura correta, podemos verificar que a inadimplência vem caindo, a impontualidade está praticamente estável no período analisado, porém, o endividamento das famílias vem aumentando.

Entendidas as diferenças entre inadimplência, impontualidade, e também, compreendendo a análise de risco potencial futuro, seus impactos e providências requeridas, analisemos as possíveis causas da iliquidez e suas soluções.
Iniciemos com o superendividamento voluntário. Esta causa é “culpa” exclusiva do consumidor. O consumo descontrolado leva a uma sabotagem do equilíbrio econômico e financeiro do indivíduo ou da empresa.

A prevenção vem desde a conscientização do consumo responsável, limitações impostas pelos limites de crédito, orientação ao consumidor, estabelecimento de normas na relação de consumo que privilegiem a transparência das informações, dentre outras medidas.  Neste particular, a concorrência e ganância dos ofertantes de crédito devem ser acompanhadas visando evitar excessos.

Outro fator indutor do endividamento das famílias que pode gerar uma impontualidade e migrar para uma inadimplência é o altíssimo custo dos juros ao consumidor no Brasil. Leia mais sobre o Sistema Financeiro Nacional: Crime e Castigo.

O carregamento da dívida, por exemplo, no cheque especial vai de 15,99% a.a. a até 162,38%. Período consultado: 08.11.2021 a 12.11.2021.

No segmento de cartão de crédito, na modalidade rotativo, vai de 8,94% a.a. a até 884,45% a.a. Período consultado: 08.11.2021 a 12.11.2021.

No segmento de financiamento de veículos verificamos taxas de 13,58% a.a. a até 49,38% a.a. 

Fator importantíssimo e decisivo, o desemprego é, sem dúvida, um dos fatores mais duros, injustos e cruéis que colaboram com a iliquidez nas famílias.

Também influencia a liquidez geral o nível da renda média do trabalhador.

Conforme divulgado pelo IBGE , em outubro próximo passado, que a taxa de desemprego caiu para 13,2% no trimestre encerrado em agosto.

Adicionalmente, mesmo sendo uma melhora, a renda média dos trabalhadores caiu 10,2% em relação ao mesmo período do ano passado e, hoje, a média nacional de renda se situa em R$ 2.489,00/per capita, abrangendo todas as categorias e incluindo empregos do setor público.

Ao fim e ao cabo, a situação de liquidez do consumidor brasileiro é um somatório da responsabilidade no consumo, custo do crédito, nível de desemprego e renda, e, finalizando, a carga tributária sobre a renda auferida.

 

- Escrito por Marcio Borba;
- Economista;
- Diretor da Borba Consultoria;
Presidente da Sociedade Pernambucana de Planejamento Empresarial - SPPE.

Veja também

Derramamento de óleo atribuído à erupção no Pacífico atinge áreas de proteção no PeruDanos ambientais

Derramamento de óleo atribuído à erupção no Pacífico atinge áreas de proteção no Peru

Defesa divulga carta em que suspeito de matar Beatriz se diz inocente e pressionado a confessarCaso Beatriz

Defesa divulga carta em que suspeito de matar Beatriz se diz inocente e pressionado a confessar