O que você sabe sobre a Inadimplência do Consumidor Brasileiro?

Como diferenciar a inadimplência clássica da impontualidade

Pexels.com

Inadimplência é, geralmente, a consequência da falta de capacidade de pagamento estrutural de um devedor. Ou seja, “ceteris paribus”tudo o mais constante , o devedor não poderá pagar o compromisso assumido.

Portanto, é necessária uma repactuação dos termos iniciais, visando o reequilíbrio econômico e financeiro da transação.

Podem ser causadoras da inadimplência, dentre outras, a perda ou redução definitiva da receita, aumento involuntário e significativo do(s) compromisso(s) assumido(s), perda de patrimônio, elevação do custo de financiamento da dívida, dentre outras causas.

inadiplencia, contas a pagar, falta de dinheiro, como economizar, guardar dinheiro

Importante diferenciar a inadimplência clássica da impontualidade.

A impontualidade é consequência do descasamento do fluxo de caixa, ou seja, num determinado período o devedor apresenta equilíbrio entre receita e despesa, no entanto, as datas de entrada e saída de caixa não coincidem, gerando assim, frequentemente, o pagamento em atraso, porém não caracterizando uma inadimplência estrutural.

A não compreensão desta diferença pode levar à adoção de soluções inadequadas ao problema.   

Visto isso, quando analisamos os dados de inadimplência no Brasil, temos que ter muito cuidado com as conclusões. A informação se refere a uma impontualidade frequente ou pontual, porém, com solução autônoma num determinado prazo ou realmente trata-se de uma falta de capacidade de pagamento estrutural, e aí, será necessária uma atuação sistêmica?

Tomemos como base uma informação recente da FECOMÉRCIO – SP:

“Endividamento bate novo recorde na capital paulista - Na capital paulista o número de endividados bateu novo recorde em outubro: 2,84 milhões, representando 71,3% do total dos lares. Essa é a 11ª elevação consecutiva.”

Ora, analisando os dados em detalhe encontramos o seguinte extrato da inadimplência na capital do estado de São Paulo:

Período: últimos 13 meses base outubro 2021 - Local: São Paulo – Capital

Fonte: Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC - SP

As perdas das empresas vêm reduzindo (inadimplência do consumidor), os atrasos dos consumidores mantêm-se praticamente no patamar (impontualidade) e o nível do endividamento das famílias vêm aumentando (análise de risco potencial futuro).Numa leitura correta, podemos verificar que a inadimplência vem caindo, a impontualidade está praticamente estável no período analisado, porém, o endividamento das famílias vem aumentando.

Entendidas as diferenças entre inadimplência, impontualidade, e também, compreendendo a análise de risco potencial futuro, seus impactos e providências requeridas, analisemos as possíveis causas da iliquidez e suas soluções.
Iniciemos com o superendividamento voluntário. Esta causa é “culpa” exclusiva do consumidor. O consumo descontrolado leva a uma sabotagem do equilíbrio econômico e financeiro do indivíduo ou da empresa.

A prevenção vem desde a conscientização do consumo responsável, limitações impostas pelos limites de crédito, orientação ao consumidor, estabelecimento de normas na relação de consumo que privilegiem a transparência das informações, dentre outras medidas.  Neste particular, a concorrência e ganância dos ofertantes de crédito devem ser acompanhadas visando evitar excessos.

Outro fator indutor do endividamento das famílias que pode gerar uma impontualidade e migrar para uma inadimplência é o altíssimo custo dos juros ao consumidor no Brasil. Leia mais sobre o Sistema Financeiro Nacional: Crime e Castigo.

O carregamento da dívida, por exemplo, no cheque especial vai de 15,99% a.a. a até 162,38%. Período consultado: 08.11.2021 a 12.11.2021.

No segmento de cartão de crédito, na modalidade rotativo, vai de 8,94% a.a. a até 884,45% a.a. Período consultado: 08.11.2021 a 12.11.2021.

No segmento de financiamento de veículos verificamos taxas de 13,58% a.a. a até 49,38% a.a. 

Fator importantíssimo e decisivo, o desemprego é, sem dúvida, um dos fatores mais duros, injustos e cruéis que colaboram com a iliquidez nas famílias.

Também influencia a liquidez geral o nível da renda média do trabalhador.

Conforme divulgado pelo IBGE , em outubro próximo passado, que a taxa de desemprego caiu para 13,2% no trimestre encerrado em agosto.

Adicionalmente, mesmo sendo uma melhora, a renda média dos trabalhadores caiu 10,2% em relação ao mesmo período do ano passado e, hoje, a média nacional de renda se situa em R$ 2.489,00/per capita, abrangendo todas as categorias e incluindo empregos do setor público.

Ao fim e ao cabo, a situação de liquidez do consumidor brasileiro é um somatório da responsabilidade no consumo, custo do crédito, nível de desemprego e renda, e, finalizando, a carga tributária sobre a renda auferida.

 

- Escrito por Marcio Borba;
- Economista;
- Diretor da Borba Consultoria;
Presidente da Sociedade Pernambucana de Planejamento Empresarial - SPPE.

Veja também

Marcha para Jesus reúne milhares no centro do Rio de Janeiro
Religião

Marcha para Jesus reúne milhares no centro do Rio de Janeiro

MEC altera prazo para confirmação de informações do Prouni
Educação

MEC altera prazo para confirmação de informações do Prouni