75,8% dos gamers brasileiros jogaram mais no período de isolamento social, aponta pesquisa

Pandemia aumentou o consumo de jogos eletrônicos em 2020 - Pexels

Com a pandemia do novo coronavírus, mais e mais pessoas tiveram que ficar em casa por conta do isolamento social. Com isso, o consumo de jogos eletrônicos também aumentou, de acordo com a 8ª edição da Pesquisa Game Brasil (PGB). 75,8% dos gamers brasileiros afirmam jogar mais durante o período.

De acordo com o estudo, 72% da população brasileira afirma jogar jogos eletrônicos, com 51,5% dos jogadores realizando mais sessões de partidas online com amigos. “Além disso, 60,9% do público afirma ter consumido mais conteúdo relacionados a jogos, e 42,2% disseram ter investido mais dinheiro em jogos durante o período de isolamento social", destaca o sócio-CEO do Sioux Group, Guilherme Camargo.

Fruto de uma parceria entre Sioux Group, Go Gamers, Blend New Research e ESPM, a PGB 2021 ouviu 12.498 pessoas em 26 estados e no Distrito Federal. As entrevistas foram realizadas entre os dias 7 e 22 de fevereiro deste ano.

 “No ano passado, fizemos a pesquisa de campo pouco antes do isolamento social, em fevereiro de 2020. Com a leitura atual, temos o real impacto ano versus ano que a pandemia gerou na forma de consumo de jogos digitais e hábitos durante este período”, explica. 

“À medida que passamos a ficar mais tempo em casa, o hábito de jogar se tornou mais recorrente e ganhou ainda mais espaço em nosso dia a dia. O distanciamento social se reflete no aumento de interesse em torno da experiência de jogar online, já que foi uma das poucas opções viáveis em tempos de confinamento”, analisa o Head de Gaming na GoGamers, Carlos Silva.

O poder mobile
De acordo com a pesquisa, a maioria dos brasileiros (41,6%) ainda prefere jogar nos smartphones. Os consoles domésticos ocupam a 2ª colocação, com 25,8% de preferência, seguidos pelo computador, em 3º, com 18,3%.

Além disso, quem joga no smartphone passa mais tempo se divertindo no game: 40,8% do público afirma jogar todos os dias, enquanto que nos consoles, essa porcentagem é de 15%. Já nos computadores, a porcentagem chega a 19,6%. 

“O smartphone oferece o melhor custo-benefício com diversas funcionalidades e portabilidade, incluindo uma grande quantidade de jogos gratuitos que ganharam grande destaque no ano passado, como Free Fire e Among Us. Fora isso, os gamers casuais possivelmente se identificam mais com as propostas dos jogos mobile, que oferecem partidas rápidas e mais acessíveis do ponto de vista de habilidades motoras, por conta da simplicidade da interface do aparelho”, diz Silva.

Já a duração de uma sessão de jogo costuma ser de 1 a 3 horas para a maioria dos jogadores de consoles (31,3%). No PC, a maior parte do público joga por até 1h (27,2%), embora liderem quando o assunto é ficar na frente da tela por mais de 6h, com 10,1%. A surpresa são os smartphones, onde 35% do público joga de 1 a 3 horas, mostrando que o mobile tem ganhado maturidade e obtendo jogadores mais assíduos. Cabe destacar que o comportamento do jogador é multiplataforma. Ou seja, mesmo que ele prefira este ou aquele aparelho, consome games em duas ou três plataformas.

Veja também

Paulo Câmara pode ser vice de Lula em 2022
Eleições

Paulo Câmara pode ser vice de Lula em 2022

Técnico da seleção masculina de vôlei, Renan Dal Zotto, é internado no Rio com Covid-19
Vôlei

Técnico da seleção masculina de vôlei, Renan Dal Zotto, é internado no Rio com Covid-19