Cientistas buscam tecnologias para melhor detecção da Covid-19

Estudo de reações da Covid-19 - Pexels

No Dia Mundial da Saúde (7 de abril) especialistas do Instituto dos Engenheiros Eletrônicos e Eletricistas (IEEE), maior organização técnico-profissional do mundo dedicada ao avanço da tecnologia em benefício da humanidade, apontam as ferramentas tecnológicas que podem auxiliar numa melhor detecção da Covid-19 e auxiliar no tratamento e reabilitação de pacientes infectados pela doença.

Um deles é o professor da Universidade Católica de Pernambuco,  Anthony Lins, que colaborou para a criação de um programa de computador, baseado em diversas abordagens da inteligência artificial, mineração de dados e aprendizado de máquinas para dar suporte, agilidade e precisão ao diagnóstico médico.

Segundo ele, pacientes com suspeita de Covid-19 apresentam febre, dor de cabeça, diarreia e outros sintomas que podem ser confundidos com várias doenças.

“Inserimos nesta ferramenta os dados coletados pelos exames do paciente a fim de identificar os padrões típicos da infecção por coronavírus. Desta forma, o programa consegue informar em minutos a taxa de probabilidade de a pessoa ter contraído Covid-19, o que contribui para a tomada de decisão do médico”, explica o docente.

O membro do IEEE explica que a solução tecnológica examina o material da coleta viral de nasofaringe realizada pelo swab nasal, e detecta possíveis marcadores encontrados no teste RT-PCR analisa dados contidos no hemograma completo e investiga se as lesões detectadas em radiografias e tomografia são compatíveis com as provocadas pelo novo coronavírus. Desta forma, a ferramenta consegue avaliar o potencial da pessoa de ter Covid-19.

Para realizar esta tarefa, os recursos de visão computacional analisam os exames de imagem. Já a mineração de dados averigua se os padrões encontrados foram marcados como sendo de Covid-19. E o aprendizado de máquinas dá ao computador a habilidade de perceber esses padrões. Trabalhando juntas, essas tecnologias ajudam a identificar a infecção no paciente e dar suporte ao diagnóstico.

Outras análises

O membro do IEEE, Anselmo Frizera, professor da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), afirma que ferramentas de inteligência artificial podem ser utilizadas para monitorar um paciente de Covid-19 e comparar sua evolução com a de outros indivíduos infectados.

Desta análise, poderiam ser extraídas sugestões para que a equipe médica realizasse pequenos ajustes no   tratamento, a fim de levar o paciente a uma situação mais favorável, com base no que ocorreu com outras pessoas acometidas pela enfermidade com a mesma faixa etária, gênero e comorbidades.

Além de auxiliar no tratamento, a inteligência artificial pode ser usada para ajudar os pesquisadores a entender melhor a Covid-19. “Como a epidemia é global, temos a opção de usar a inteligência artificial para realizar o monitoramento da doença, seus sintomas e evolução em vários países e, assim, identificar padrões ou correlações que são difíceis de ser percebidas por simples observações”, diz Anselmo Frizera, 

Paralelamente, é possível usar sistemas robóticos na reabilitação de pacientes com Covid-19, que apresentem sequelas neuromusculares, como fraqueza muscular ou perda do controle motor.  “A reabilitação robótica já vem sendo utilizada na recuperação de pacientes com lesões motoras e cognitivas, como o acidente vascular cerebral (AVC) e a lesão medular”, conclui o membro do IEEE.

Veja também

Senado: Flávio Bolsonaro representa contra Kajuru no Conselho de Ética
Atrito

Senado: Flávio Bolsonaro representa contra Kajuru no Conselho de Ética

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma
Graduação

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma