Com painel lotado, cocriador do ChatGPT afirma que não se deve confiar em respostas do software

Greg Brockman também falou sobre propriedade intelectual e futuro dos empregos 

Com painel lotado cocriador do ChatGPT afirma que não se deve confiar em respostas do software - Katarina Bandeira / Folha de Pernambuco

Leia Também

• ChatGPT enfrenta prova para se tornar médico nos EUA

• Startup brasileira Educbank é finalista do SXSW Innovation Awards 2023

• SXSW 2023: Apple garante que não tem acesso aos dados coletados com o Apple Watch

Selo SXSWUm dos painéis mais disputado pelo público durante o primeiro dia do South by Southwest (SXSW) 2023 foi o do cofundador e presidente da OpenAI, Greg Brockman. O CEO responsável pelo ChatGPT conversou com a jornalista Laurie Segall, da Dot Dot Dot Media, sobre o futuro Inteligência Artificial (IA) e os problemas éticos que acompanham essa nova era de inovação.

O blog de Tecnologia e Games acompanhou o painel diretamente de Austin, no Texas, em uma cobertura exclusiva do evento feita à convite do Itaú.

Escreva a legenda aqui
Com painel lotado cocriador do ChatGPT afirma que não se deve confiar em respostas do softwareCom painel lotado cocriador do ChatGPT afirma que não se deve confiar em respostas do software

Em uma entrevista pautada por perguntas feitas também pela aplicação que criou, Brockman afirmou que as pessoas não devem confiar em tudo o que leem no chatbot.

“Não é porque o ChatGPT disse que é verdade. Não são verdade para os humanos e não são verdade para as IAs”, diz Greg. 

Primeiros passos
O criador do ChatGPT também contou como a aplicação aprendeu as suas primeiras frases, que deram origem ao jeito “humano” com a qual o chatbot se comunica atualmente.

“Nos treinamos um modelo usando os reviews deixados na Amazon. E ele realmente aprendeu frases inteiras à medida que passava pelas análises. E isso pode não parecer muito impressionante, mas assim que soubemos para onde estávamos indo”, revelou.

Polêmicas

SXSW 2023: painel sobre chatGPTSXSW 2023: painel sobre chatGPT

A revelação fez com que a repórter questionasse o uso da propriedade intelectual para alimentar a IA, já que ela consegue  reproduzir o estilo de artistas, jornalistas e outras pessoas que mantêm seu trabalho publicado online até 2021. Nessa hora, Brockman gaguejou, mas respondeu:

“Eu realmente acho que isso é algo que a sociedade precisa se adaptar e não há dúvidas que algo está mudando. Eu acho que tudo está na mesa agora”.

Sobre a substituição dos empregos por aplicações de inteligência artificial como o ChatGPT, Greg parece mais otimista. O CEO afirmou que não acredita que profissões que exijam o fator humano vão sumir, mas que outras atividades, mais burocráticas ou que seguem um padrão mais mecânico. podem e serão feitas por um robô.

Para Ana Freitas, co-fundadora da ONG quid,Greg pareceu ingênuo demais sobre os impactos da tecnologia criada pela OpenAI.

“O discurso dele é de um otimismo extremo sobre o impacto da tecnologia dele no mundo. […] Foi legal de ter esse mergulho na maneira que ele enxerga, o cara acabou de lançar a tecnologia mais disruptiva e impactante dos últimos anos, um negócio que vai mudar tudo de como a gente conhece”, ponderou.

Veja também

"Star trek": após décadas sumida, nave Enterprise usada na série original é recuperada
CINEMA

"Star trek": após décadas sumida, nave Enterprise usada na série original é recuperada

China classifica como "notícia falsa" os casos de doping entre vários nadadores
JOGOS OLÍMPICOS

China classifica como "notícia falsa" os casos de doping entre vários nadadores

Newsletter