Empresas alemãs apresentam denúncia antimonopólio contra Apple

Apple - Miguel Medina/AFP

Um grupo de empresas alemãs de tecnologia e imprensa apresentaram, nesta segunda-feira (26), uma denúncia antimonopólio contra a Apple por uma função de privacidade aprimorada que, segundo elas, vai privá-las da renda com anúncios publicitários.

"Posso confirmar que recebemos a denúncia, que estamos analisando agora", disse à AFP um porta-voz do Escritório Federal da Concorrência da Alemanha. 

Entre os denunciantes estão as principais associações alemãs que representam editores de jornais e revistas, empresas de informática e agências de publicidade. 

A partir desta semana, a Apple exigirá aos fabricantes de aplicativos que indiquem aos usuários quais informações de rastreamento querem coletar e que peçam permissão para isso. 

No entanto, como se espera que muitos usuários se neguem a dar essa permissão, as empresas temem que sua renda com publicidade seja prejudicada. 

A medida da gigante da tecnologia americana provocou uma ruptura com o Facebook e outros rivais tecnológicos que dependem em grande medida da publicidade digital. 

Em um comunicado, as associações alemãs afirmam que a chamada App Tracking Transparency (ATT) da Apple "abusa de sua posição no mercado e viola a lei de cartéis". 

"Com essas medidas adotadas unilateralmente, a Apple exclui de fato todos os seus concorrentes do tratamento de dados comercialmente relevantes no ecossistema da Apple", afirmam. 

O conselheiro delegado da Apple, Tim Cook, defendeu a ATT em uma entrevista recente afirmando que "o princípio é que o indivíduo deve ter o controle sobre se será rastreado ou não e de quem terá seus dados". 

A empresa disse nesta segunda-feira em um comunicado que a função de privacidade daria aos usuários mais opções, enquanto manteria a igualdade de condições entre os concorrentes. 

Veja também

Kirchner e Lula defendem renovação da política e reconstrução da unidade latino-americana
Política

Kirchner e Lula defendem renovação da política e reconstrução da unidade latino-americana

Fachin proíbe PF de qualquer ato de investigação a partir da delação de Sérgio Cabral

Fachin proíbe PF de qualquer ato de investigação a partir da delação de Sérgio Cabral