Pernambucano de 17 anos cria própria startup e ganha reconhecimento internacional

Vinnicius Rodrigo, 17 anos, criador da startup Cordel - Oi/Divulgação

Quando falamos em executivos ou CEO’s, há de se pensar imediatamente em pessoas com carreiras consolidadas ou empreendedores mais velhos. No entanto, um jovem de 17 anos do Recife tem mostrado que para empreender não há idade. Diretor executivo da startup Cordel, o estudante Vinnicius Rodrigo é exemplo de como a tecnologia aliada à educação pode gerar oportunidades e bons caminhos.

Morador do bairro do Pina, na Zona Sul do Recife, Vinnicius está à frente de uma startup que alia jogos digitais ao ensino.

Em entrevista à Folha de Pernambuco, o estudante contou sobre como iniciou nessa trajetória. “Tudo começou na escola NAVE. Quando eu entrei desconhecia a tecnologia e essas ferramentas que poderiam trazer esse benefício. Comecei a desenvolver projetos e depois, por conta de trabalhos em equipe com temáticas sociais acabei criando o interesse por esse tema”, disse.

A startup teve origem a partir de projetos desenvolvidos pelo estudante na Escola Técnica Estadual Cícero Dias, no Recife (PE), que faz parte do Núcleo Avançado em Educação – NAVE – uma parceria do Oi Futuro com a Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco e do Rio de Janeiro. 

No segundo ano, após a criação de um jogo intitulado “O Pequeno Cabra da Peste", a ideia de investir na carreira e seguir neste caminho surgiu. Daí surgiu a Cordel, ideia que foi levada para o Porto Digital. O trabalho à frente da Cordel tem rendido frutos e reconhecimento nacional e internacional. 

“A gente ainda trabalha com uma pegada bastante lúdica. Conseguimos parcerias com editoras e vimos que poderíamos crescer neste caminho. Pensávamos que poderíamos ser uma desenvolvedora de games, mas vimos mais: o que fazemos pode ser um material para disseminar a cultura da gente, sempre com o objetivo de ser uma ferramenta paradidática”, completou.

Vinnicius foi selecionado entre os 15 primeiros colocados no evento Peter Drucker Challenge, na Áustria, na categoria de empreendedores e gerenciadores. A participação terá que ser online, por conta da pandemia. 

O estudante também foi aprovado em uma academia de liderança na Colômbia, chamada Latin American Leadership Academy | LALA. 

De acordo com Vinnicius, a rotina de exercícios relacionados à tecnologia e a aplicação prática ajudou no desenvolvimento e na motivação para a criação da startup. “Por mais que algumas pessoas não tenha tanto interesse no mercado, isso acaba sendo despertado na escola. É um pouco disso. Os professores nos desafiam e a gente acaba se motivando”, diz o aluno.

Pelas bandas de cá, o reconhecimento em um dos pólos tecnológicos mais importantes do Brasil também veio. A Cordel foi selecionada para o Mind The Bizz Ressignifica, programa desenvolvido pelo Porto Digital, em parceria com o British Council, para fomentar e apoiar o empreendedorismo em comunidades com maior vulnerabilidade econômica. 

Ao final do ciclo, o órgão aprovou o negócio social para seguir para incubação no parque tecnológico. Um passo importante para os sonhos de Vinnicius e de outros alunos que enxergam na tecnologia e inovação uma oportunidade para a vida.