Rússia multa Apple em US$ 12,1 milhões por 'abuso de posição dominante'

Apple - Josh Edelson / AFP

A Rússia anunciou uma multa de 12,1 milhões de dólares contra a Apple por "abuso" de posição dominante no mercado ao dar preferência a seus aplicativos para dispositivos eletrônicos, anunciou, nesta terça-feira (27), a agência reguladora do setor.

"Detectamos que a Apple abusou de sua posição dominante na distribuição de aplicativos móveis no sistema operacional iOS", afirmou a agência federal antimonopólio da Rússia em um comunicado.

A agência anunciou a multa de mais de 900 milhões de rublos (12,1 milhões de dólares) ao decidir a favor de uma denúncia apresentada pela empresa de segurança virtual Kaspersky Lab.

A Apple, que pretende recorrer contra a decisão, afirmou à agência de notícias Ria Novosti que "respeita" o regulador russo, mas "não concorda" com a multa.

"Estamos respeitosamente em desacordo com a decisão da agência federal antimonopólio da Rússia e vamos recorrer contra a decisão", disse a Apple em um comunicado recebido pela AFP.

"Estamos orgulhosos de termos ajudado a centenas de milhares de desenvolvedores na Rússia, entre eles Kaspersky, a chegar a mais de 1 bilhão de clientes em 175 países pelo App Store", afirma a Apple.

De acordo com a FAS, a Apple conta com uma "discrição ilimitada, que pode levar à restrição da concorrênca". O regulador russo pediu à Apple que abandone seu direito de rejeitar aplicativos externos na App Store. 

As autoridades russas intensificam sua aposta na Internet, junto a uma luta contra os gigantes estrangeiros da tecnologia de informação.

Na semana passada, em particular, a FAS abriu uma investigação contra a Google e sua plataforma de vídeos YouTube, também por "abuso de posição dominante". 

No início do mês entrou em vigor uma lei que exige que celulares, tablets e computadores vendidos na Rússia tenham programas e aplicativos nacionais pré-instalados.

Veja também

Kirchner e Lula defendem renovação da política e reconstrução da unidade latino-americana
Política

Kirchner e Lula defendem renovação da política e reconstrução da unidade latino-americana

Fachin proíbe PF de qualquer ato de investigação a partir da delação de Sérgio Cabral

Fachin proíbe PF de qualquer ato de investigação a partir da delação de Sérgio Cabral