Na Semana Internacional do Café a TV Aurora dá início a quadro com novidades sobre a bebida e reflexões

Sabe aquele momento, antes da pandemia, que tínhamos o deleite de tomar um cafezinho na copa do trabalho? Seja para liberar as tensões, deixar a criatividade fluir, trocar figurinhas ou, simplesmente, para dar um tempo da tela do computador. 

Esse tipo de situação que antes era corriqueira e agora virou privilégio serviu de inspiração para o novo espaço da Aurora, em que terei a liberdade de fazer reflexões sobre os temas que circundam e dão vida à Aurora. 

Em paralelo, nesses momentos vamos trazer dicas e novidades sobre o mundo do café (#AuroraIndica), que assim como o vinho, o café também precisa ser apreciado e percebido com suas diferentes nuances. Logicamente, não vamos tratar aqui o café com aquele ar de esnobismo que às vezes insistem em colocar em torno do vinho, mas queremos despertar as curiosidades e diferenças que existem ao redor da bebida.

Seja bem-vinda e bem-vindo à nossa “Hora do Café”: tin-tin!

A Hora do Café - espiritualidade

A reflexão de hoje pega o gancho no Mês de Finados (02/11). É que tive o prazer de dividir esse momento de cafezinho no trabalho com uma colega de outro setor (claro, com as devidas exigências e cuidados das normas de saúde). Achei muito interessante o olhar dela sobre a morte, sobre a distância forçada de entes queridos que partiram.

“Nós devemos ser curados e libertar nossos mortos porque essa perpetuação da dor que as pessoas às vezes insistem que tem que ser, não é do agrado de Deus e não faz bem para ninguém. Ele não se agrada que a gente fique remoendo aquela dor, lembrando do ente com prantos. Nas festas de final de ano parece que as pessoas elegem esses dias para chorar e se amargurar, mas nada disso é do agrado de Deus”, comentários da colega e advogada, Anacarla Brito (foto).

Assim como eu, ela é cristã e respeita as outras religiões. Entendemos que cada uma delas têm seu ponto de vista. (Espero que nossos leitores também respeitem, mesmo às vezes discordando das nossas visões..). 

“Importante dizer que para quem está acostumado e familiarizado com a Palavra de Deus a gente não vê na Bíblia, nenhum dos grandes personagens da fé com essa prática de perpetuar a dor, de fazer daquele pranto uma constante em suas vidas. Abraão, Isac e Jacó (os grandes heróis da fé), por exemplo, foram os grandes patriarcas do Antigo Testamento e diante da morte e da perdas de entes você observa que sempre tiveram a postura de fé, coragem e esperança. O objetivo era prosseguir com suas vidas, honrando o Deus no qual eles acreditam”, complementou.

Realmente, isso sim é honrar a Deus (e para os ateus, honrar sua própria vida): fazer com que a vida prossiga e continue porque Ele é o Senhor da Vida, Ele não se propõe a ser o Senhor de mortes. “Para os mortos Ele tem seus planos”, reforçou Anacarla.

Tudo isso nos leva a perceber que as pessoas curadas e bem resolvidas, lembram de entes com doces lembranças e não com nostalgias constante. O correto é ter lembranças com gratidão. Passar longe da tristeza e do desespero. 

“Na Bíblia não tem essa visitação constante aos túmulos. Uma das poucas passagens foi quando Jesus visitou o túmulo de Lázaro, seu grande amigo, para trazê-lo de volta à vida e não para reverenciar mortos e nem túmulos. A outra visitação tumular foi quando Maria Madalena e Maria foram visitar o túmulo de Jesus, enterrado recentemente, mas também se surpreenderam com a ressurreição”, reforçou a cristã. 

Essas passagens reforçam que precisamos ter a ideia de ressurreição e de esperança. Sempre tendo como resultado a vida.

Diante desse "papo", vocês podem pensar que recentemente perdi um familiar. Não, ao contrário. Tenho um relato de retorno da morte à vida. O milagre da vida do meu irmão (e cunhado), Maurício. Nesse mês de Finados, a morte bateu à nossa porta, mas Maurício deixou-a fechada, certamente em nome da família, nosso grande tesouro. Junto com ele renasceu uma nova esperança, de certo com muitas lutas e batalhas, mas com a certeza da fé e da vida.

A advogada Anacarla Brito na conversa sobre a vida

#AuroraIndica: café sustentável

O Programa Nespresso AAA de Qualidade Sustentável completa 15 anos no Brasil, um trabalho de relacionamento contínuo com os cafeicultores de café que começou em 2005 e hoje conta com mais de mil fazendas fornecedoras. Como parte dessa jornada, a Nespresso homenageia anualmente dez fazendas que se destacaram ao longo do ano. 

Homenagens
São dez produtores e produtoras escolhidos para representar os outros mais de mil parceiros em uma homenagem pública que, este ano, será realizada virtualmente, hoje, durante a Semana Internacional do Café. Para conferir os homenageados de 2020, acompanhe o site oficial da SIC, às 19h através do site http://www.semanainternacionaldocafe.com.br
 
 

Veja também

Pix tem quase 4,4 milhões de portabilidade de chaves
PIX

Pix tem quase 4,4 milhões de portabilidade de chaves

Debate virtual encerra pesquisa sobre fotografia, cidade e memória
Fotografia

Debate virtual encerra pesquisa sobre fotografia, cidade e memória