Adaptação mexicana de “A Garota da Limpeza” faz jus ao original na HBO

Atriz Damayanti Quintanar interpreta Rosa em "A Garota que Limpa" - Reprodução/HBO

Junho é o mês de novidades para assinantes HBO. Quem acompanha as notícias já deve saber que a WarnerMedia pretende lançar a HBO Max no próximo dia 29 de junho, substituindo o streaming HBO Go. A mudança traz infinitas opções de conteúdo e regalias para seus consumidores, entre séries originais e grandes produções clássicas e estrangeiras, como é o caso da adaptação mexicana “A Garota da Limpeza”. A coluna Uma Série de Coisas assistiu aos dois primeiros episódios do thriller e conta as primeiras impressões. 

Interpretada por Damayanti Quintanar, Rosa é uma mãe trabalhadora disposta a conseguir o dinheiro necessário para que seu filho – que sofre de cardiopatia congênita – possa ter o tratamento que precisa. A doença pode ser resolvida com cirurgia nos Estados Unidos e, para conseguir a quantia dos vistos e operação, Rosa topa dobrar o tempo de trabalho, fazer hora extra e acumular suas demandas em dois empregos: em uma fábrica de produtos químicos e outro como funcionária da limpeza na casa dos Valladares, a família mais rica da cidade.

Com estreia marcada para o dia 20 de junho no canal da HBO e no dia 29 na nova plataforma, HBO Max, “A Garota da Limpeza” é uma adaptação do seriado argentino de mesmo nome, criado em 2017 por Paola Suárez, Lucas Combina, Greta Molas e Irene Guissara.

Patrões abusivos e máfia

A vida de Rosa nunca foi fácil, mas o destino também não ajudou muito. Disposta a qualquer coisa para conseguir a cirurgia que seu filho precisa, ela se vê “engolindo sapos” para manter a fonte de renda. Sua patroa rica e exploradora, Sonia, não sabe a definição de direitos trabalhistas. Rosa, por necessidade, sede aos caprichos. Ao fim de um evento dado pelos Valladares, a protagonista acaba encontrando o corpo de uma modelo morta no banheiro. 

O primeiro impulso é fugir, mas ela não está sozinha ali. Um homem com o dobro do seu tamanho está apontando uma arma, provavelmente o assassino. Pela lógica, ela seria a próxima vítima, lugar errado na hora errada. Mas Rosa é forte e engenhosa, diz que pode limpar tudo dando ênfase na qualidade de seu trabalho. 

Estabelece-se um padrão: ela limpa sempre que for solicitada, sem fazer perguntas. No final haverá sempre um pagamento. Sua obsessão por limpeza é sua arma, o dinheiro vem no momento chave de sua vida. É assim que “A Garota da Limpeza” ambienta o público, com trama envolvente e cheia de viradas, a produção lança o velho dilema de torcer pela personagem ainda que ela esteja cometendo um crime.

Possíveis gatilhos

Alguns alertas são válidos. Fora do arco principal também há crimes que podem estar ligados à máfia que solicita o trabalho de Rosa. Dois garotos estupram uma jovem enquanto a filmam, a cena não é gráfica, mas incomoda. A polícia parece investigar a maioria dos casos que o público acompanha pela ótica da protagonista. 

O transtorno obsessivo compulsivo (TOC) de Rosa, na série, é apresentado como algo a seu favor. Quanto mais ela limpa, mas êxito tem em tirar manchas de sangue. Na vida real, a qualidade de vida de alguém com esse tipo de condição é bem difícil. Por esse ângulo, a série caminha em uma linha tênue entre a romantização do diagnóstico e a releitura artística. 

No mais, “A Garota da Limpeza” tem grande potencial de liderar a audiência nas primeiras semanas de seu lançamento. Prende a atenção e não possibilita o público de assistir apenas um episódio. É maratona certa. Olha o trailer:

*Fernando Martins é jornalista, escritor e grande entusiasta de produções televisivas. Criador do Uma Série de Coisas, escreve semanalmente neste espaço. Acesse o Portal, Podcast e redes sociais do Uma Série de Coisas neste link

*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

Veja também

Viúva do presidente assassinado do Haiti acusa seguranças por crime
Internacional

Viúva do presidente assassinado do Haiti acusa seguranças por crime

Brasil vence o Egito no futebol masculino e se classifica à semi das Olimpíadas
Jogos Olímpicos

Brasil vence o Egito no futebol masculino e se classifica à semi das Olimpíadas