Do mundo para as telas: a história da humanidade em séries dramáticas

"The Crown" levou o prêmio de Melhor Série de Drama (entre outros) no Globo de Ouro 2021 - Divulgação/Netflix

Tempos difíceis pede calma e um bom entretenimento diante da TV. Dragões, vampiros ou feiticeiras: vale tudo na hora de se distrair da realidade para passar algumas horinhas nas histórias de fantasia. Para além da ficção, séries e minisséries também podem conquistar aqueles que preferem algo um pouco mais realista. 

Fatos históricos e celebrações anuais da vida real são igualmente válidos para a indústria televisiva e servem como alicerce para tramas envolventes que conquistam boa parte do público. Algumas produções ambientam os personagens em determinada época e desenvolvem narrativas nos conflitos gerados por eles. Outras transformam acontecimentos marcantes da humanidade na alma da série. Confira as dicas.

Elementos da Páscoa no terror

No mês de março é celebrada a Páscoa. A festividade vem com o viés religioso da Ressureição de Jesus, mas também carrega simbolismos como ovos de chocolate e o coelhinho. São com esses símbolos que “Equinox” (2020) cria sua narrativa. A minissérie entrou na Netflix em dezembro e ao longo de seis episódios apresenta a saga de Astrid (Danica Curcic) em sua busca para descobrir novas informações sobre o desaparecimento de 21 jovens que sumiram há 21 anos sem deixar rastros, incluindo sua irmã mais velha, Ida (Karoline Hamm).

A mitologia da produção dinamarquesa brinca com elementos conhecidos no Brasil. O equinócio da primavera, na cultura escandinava, tem o coelho como um dos primeiros animais a aparecer nessa época do ano. O ovo traz a representação da fertilidade e tudo se mistura com suspense e terror quando a protagonista chega cada vez mais perto da verdade. 

Tragédia como ponto de partida

O mundo se chocou com os ataques que aconteceram ao World Trade Center em 11 de setembro de 2001, em Nova York, somando quase três mil mortos. Para a TV, a soma de tragédias iguais a essa teve como consequência a popularização de um subgênero que já fazia sucesso: séries de espionagem.  

Terroristas infiltrados, segurança nacional e missões quase impossíveis são alguns dos pontos recorrentes nesse tipo de trama. A série “Homeland” (2011-2020) é uma das mais faladas. O enredo das primeiras temporadas começa quando um soldado americano retorna aos Estados Unidos depois de passar oito anos em cativeiro no Iraque. Mocinho ou infiltrado? A analista Carrie Mathison (Claire Danes) tentará descobrir, carregando do peso de não ter conseguido evitar o que aconteceu em 11 de setembro. “Homeland” se reinventou ao longo dos anos e teve seu fim exibido no ano passado, somando prêmios no Globo de Ouro e no Emmy, nas categorias Melhore Série de Drama, Melhor Atriz de Drama, entre outras. 

Outra série equivalente e igualmente premiada é “The Americans” (2013-2018), mas a história, desta vez, gira em torno de um casal de espiões da KGB disfarçados de americanos e com o objetivo de rastrear a rede de espiões que opera em Washington. A série teve tanto sucesso que recebeu prêmios até sua última temporada em 2018, sem perder a qualidade. 

Quando a época se torna personagem

Bom mesmo é maratonar aquela série que faz um trabalho tão detalhado com figurinos, fotografia e ambientação capaz de induzir o público a esquecer até de que vive no século XXI. Ainda com o adicional de aprender sobre costumes que não conhecemos.

Quer entretenimento maior do que as fofocas sociais, familiares e politicagens que circulam a monarquia britânica? Isso a Netflix dá de sobra com “The Crown”, mais uma produção repleta de prêmios – inclusive levou na categoria de Melhor Drama no Globo de Ouro deste ano – e que conta com atuações impecáveis desde o elenco jovem, quando a atual rainha da Inglaterra ainda estava para ser coroada, até os atores e atrizes que chegaram para interpretar as versões mais velhas dos mesmos personagens. Destaque para Gillian Anderson, Emma Corrin, Helena Bohan Carter e Olivia Colman.  

Indo mais ao passado no túnel do tempo, mas ainda em terrenos europeus, “Vikings” (2013-2020) é o ponto fora da curva quando o assunto é período da Alta Idade Média. Na época em que incursões de comércio, saques nórdicos e exploração de terras eram comuns na Escandinávia, conhecemos a história do famoso viking Ragnar Lothbrok, sua vida familiar e seu papel no descobrimento de novas terras. As guerras são violentas e extremamente bem gravadas. Quando o povo viking encontra povos com costumes e religiões diferentes dos seus (como os católicos, por exemplo), o choque de cultura é intenso e interessante. O jogo político, ainda que em situações precárias, também é recorrente.

História na profissão

Se tem uma série que todo comunicador deveria dar uma chance, essa é “Mad Men” (2007-2015). Localizada entre as décadas de 1950 e 1960, a produção é uma coleção de fatos históricos, entre eles o assassinato do Presidente Kennedy e as guerras da Coreia e do Vietnã. 
Mas nenhum deles é desenvolvido tão bem como a evolução da publicidade. Começando pelas campanhas apelativas e constrangedoras até as mais inteligentes, a série acompanha a rotina de uma agência na luta para se manter no topo, passando pelos problemas pessoas dos sócios e funcionários. “Mad Men” foi um sucesso de aclamação do público e da crítica especializada. Vale a pena o play.

Ficou interessado nas séries citadas? Veja onde assistir:

The Crown – Netflix 
Homeland – Globoplay 
The Americans – Amazon Prime Video
Equinox – Netflix 
Vikings – Netflix 
Mad Men – Globoplay/Prime Video

Outras séries históricas para maratonar:

Hunters – Amazon Prime Video
Narcos – Netflix
Downton Abbey – Amazon Prime Video
Teerã – AppleTV+ 
Chernobyl – HBO Go
Peaky Blinders – Netflix 

*Fernando Martins é jornalista, escritor e grande entusiasta de produções televisivas. Criador do Uma Série de Coisas, escreve semanalmente neste espaço. Acesse o Portal, Podcast e redes sociais do Uma Série de Coisas neste link

*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

Veja também

Senado: Flávio Bolsonaro representa contra Kajuru no Conselho de Ética
Atrito

Senado: Flávio Bolsonaro representa contra Kajuru no Conselho de Ética

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma
Graduação

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma