A-A+

‘Por que as Mulheres Matam?’ é escolha certeira na Globoplay

Lucy Liu, Ginnifer Goodwin e Kirby Howell-Baptiste estrelam primeira temporada da série - Divulgação

A Globoplay vem colecionando bons atrativos no seu ‘cardápio’ de séries. Diante do mar de serviços de streaming que cresce no Brasil, boas produções são importantes para quem disponibiliza e, claro, para o público. A série antológica “Por que as mulheres matam?” cumpre seu papel na primeira temporada e repete o feito na segunda com enredos um tanto exagerados, mas com base em arcos reais de adultério e diferenças sociais.

Com ar de “Desperate Housewives” (2004-2012) – a referência é clara por ambas serem do mesmo criador, Marc Cherry –, a série da Globoplay ambienta a primeira temporada no subúrbio de Los Angeles. O casarão onde as três protagonistas vivem é o mesmo, porém dividido em três épocas diferentes: 1960, 1984 e nos tempos atuais.

O piloto já deixa claro que houve um assassinato em cada época apresentada, ao longo dos episódios vamos entendendo possíveis motivações para vítimas e culpados. Nos anos 1960, Beth (Ginnifer Goodwin) é a típica dona de casa que espera o marido, Rob (Sam Jaeger), voltar do trabalho. Ela o adora, ele é indiferente. Essa dinâmica começa a ruir qunado Beth descobre que Rob está tendo um caso.

Em 1984, novos moradores vivem na residência em Los Angeles, a socialite Simone (Lucy Liu) e o marido britânico Karl (Jack Davenport). Acontece que Simone é uma dondoca que vive pela aparência, mas recebeu um envelope com fotos de seu marido beijando outro homem. 

Já na atualidade temos um casal moderno vivendo na casa, a advogada Taylor (Kirby Howell-Baptiste) e o roteirista Eli (Reid Scott), eles decidem abrir o relacionamento, mas a adição de uma terceira pessoa, a amiga Jade (Alexandra Daddario), gera vários conflitos que o casal não estava preparado para vivenciar. Três décadas, três crimes. O fantasma do adultério sempre presente.

Os episódios passeiam entre os três momentos e o mais atrativo da temporada é ver os costumes, figurinos e como as relações se desenvolvem em cada época. Drama, suspense e comédia se misturam em pinceladas, a série é um entretenimento leve e ao mesmo tempo curioso. 

2ª temporada

A segunda temporada traz uma proposta diferente da primeira no estilo da narrativa. A história é mais linear, se passa em 1949 e desenvolve suas personagens apenas neste ano. Agora, a trama gira em torno de Alma (Allison Tolman), uma dona de casa de classe média que sonha em entrar no sofisticado clube de jardinagem do bairro. Acontece que o grupo, assim como sua líder Rita (Lana Parrilla) desprezam a mulher pela diferença de classe, já que são todas ricas.

Os episódios seguem trazendo os questionamentos trabalhados na década de 1984 da primeira temporada, onde pessoas se escondiam por trás das aparências para não serem menosprezados pela sociedade. Ainda que a temporada conte uma história singular, podemos separar três arcos distintos.

Enquanto Alma procura aprovação das outras mulheres, seu marido guarda um segredo terrível que comprometerá a relação até o fim da temporada. A filha do casal, Dee, se apaixona por um gigolô, o mesmo que também sai com a Rita, que já é casada.

Os personagens estão entrelaçados e a nova temporada traz dilemas mais macabros que a primeira, não por isso está acima. Mesmo ficando abaixo em relação à história anterior, "Por que as Mulheres Matam?” é uma série que supera as expectativas. A primeira temporada está disponível no Globoplay, enquanto a segunda estreia ainda neste mês de setembro na plataforma.  

*Fernando Martins é jornalista, escritor e grande entusiasta de produções televisivas. Criador do Uma Série de Coisas, escreve semanalmente neste espaço. Acesse o Portal, Podcast e redes sociais do Uma Série de Coisas neste link

*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

Veja também

Náutico divulga protocolo para o torcedor que for ao jogo contra o CRB, na Arena
Náutico

Náutico divulga protocolo para o torcedor que for ao jogo contra o CRB, na Arena

Classificados definidos: veja como ficaram os grupos do quadrangular de acesso da Série C
Série C

Classificados definidos: veja como ficaram os grupos do quadrangular de acesso da Série C