“Them: The Scare” afina excessos anteriores e retorna com suspense racial de qualidade

Série da Prime Video traz um novo pesadelo, provando-se como uma obra ousada e relevante na TV

Deborah Ayorinde dá vida a como a Detetive Dawn Reeve na segunda temporada de "Them" - Reprodução

Três anos após a estreia da polêmica série "Them", a Prime Video lançou uma nova e antológica temporada com oito episódios. Para a nova trama, é impossível ignorar o contexto de sua história anterior e o impacto que ambos os enredos têm no gênero do terror psicológico e na discussão sobre questões raciais. Enquanto a primeira temporada enfrentou críticas e controvérsias, a segunda temporada, intitulada "Them: The Scare", é menor em número de episódios e em cenas de violência gráfica, mas ainda mantém a tocha da provocação acesa, empregando uma narrativa renovada, mas igualmente desafiadora.

Assim como Jordan Peele fez em suas obras, "Them: The Scare" utiliza o horror como um veículo para explorar as complexidades do racismo estrutural na América, mergulhando em um turbilhão de medo, violência e trauma histórico. A série se afasta do suspense psicológico da primeira temporada, adotando elementos de thrillers policiais clássicos para construir uma atmosfera de puro desespero. O cenário de Los Angeles nos anos 1990 serve como pano de fundo para uma narrativa que expõe as entranhas do racismo estrutural e os horrores que assolam a comunidade negra, principalmente dentro das delegacias e entre os próprios oficiais.

O elenco é uma das maiores forças da série, com atuações que elevam ainda mais o impacto emocional da história. Deborah Ayorinde, que já havia se destacado na primeira temporada, entrega uma atuação poderosa como a Detetive Dawn Reeve, carregando o peso de um passado marcado por trauma e enfrentando o racismo sistêmico com determinação e coragem, sendo ela a única detetive negra da corporação. Ao seu lado, Pam Grier traz sua presença imponente como Athena, mãe de Reeve, enquanto Luke James e Jeremy Bobb se destacam em papéis que exploram a dualidade do bem e do mal.

O público que assistiu a primeira temporada da produção pode achar que "Them: The Scare" tenha feito algumas escolhas narrativas previsíveis nos novos episódios, como a escolha de colocar uma investigação sobre um serial killer em foco (coisa que o gênero true crime já faz muito), mas a série como um todo é uma experiência visceral e arrebatadora. É uma prova do poder do horror como uma ferramenta para explorar questões sociais e políticas, e uma demonstração da capacidade da televisão de provocar reflexões profundas sobre o mundo em que vivemos.

"Them: The Scare" é uma adição bem-vinda ao universo antológico da série, oferecendo uma narrativa instigante e um elenco excepcional que garante que o horror seja mais do que apenas entretenimento superficial. A série afinou seus pontos positivos e eliminou os excessos da primeira temporada, chegando com potência para a nova trama. É uma obra que exige ser vista e discutida, abrindo margem para uma possível terceira temporada. Veja o trailer:

*Fernando Martins é jornalista e grande entusiasta de produções televisivas. Criador do Uma Série de Coisas, escreve semanalmente neste espaço. Instagram: @umaseriedecoisas.
*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

Veja também

Disputa entre Bolsonaro e Valdemar em São Paulo motivou resolução da "lei de silêncio" no PL
SÃO PAULO

Disputa entre Bolsonaro e Valdemar em São Paulo motivou resolução da "lei de silêncio" no PL

Aiatolá Khamenei anuncia cinco dias de luto no Irã pela morte do presidente Raisi
MUNDO

Aiatolá Khamenei anuncia cinco dias de luto no Irã pela morte do presidente Raisi

Newsletter