Realidade aumentada expande as possibilidades do mercado automobilístico

Citroen Cactus foi testado virtualmente pelo aplicativo Messenger do Facebook - Divulgação

A realidade aumentada já é um diferencial no mercado automobilístico, que atrela o engajamento e a experiência para conquistar clientes. Marcos Trinca, head de XR (realidade estendida) da More Than Real, empresa brasileira que trabalha no desenvolvimento de experiências e soluções de realidade aumentada, conversou com a reportagem da Folha de Pernambuco sobre as diversas possibilidades que essa tecnologia pode trazer ao mercado e ao consumidor.

“Hoje, no Brasil, isso já é uma realidade. Acompanhamos o desenvolver dessa tecnologia no mercado de automóveis desde 2018 e você pode ver o carro de uma forma muito realista através da tela, tanto em tamanho pequeno, quanto em tamanho real, na porta da sua garagem”, comenta Marcos. Ele ressalta que a cultura do brasileiro também ajuda nessa inserção no mercado. “O brasileiro gosta de carro, é amante dessa cultura”.

As possibilidades são diversas. Um lançamento mundial de um novo modelo, que chegaria ao Brasil seis meses depois, pode ser apresentado de forma virtual em poucos dias, sem precisar ir até a concessionária. O consumidor pode utilizar o próprio tablet ou telefone para visualizar. Diversas marcas já utilizam esse tipo de tecnologia, como a Lexus, BWM, Hyundai, Ford, Jaguar, Citroen e Mitsubishi.

Outra possibilidade são as marcas que vendem utilitários e usam da realidade aumentada para entregar aos clientes as possíveis transformações. “Por exemplo uma van que pode ser transformada em um petshop, food truck ou UTI. Essas customizações podem ser viabilizadas através dessa tecnologia”, avalia Marcos. “Já temos pedidos para esse tipo de coisa, para que isso possa ser utilizado nas concessionárias, você aponta a câmera para o veículo e enxerga ele customizado na tela”.

Marcos cita um produto criado para a Citroen, onde a realidade aumentada foi utilizada dentro do aplicativo Messenger, do Facebook, para que as pessoas pudessem testar os carros virtualmente. A iniciativa alcançou diversas vendas através de um robô (chatbot) da  plataforma. “Outras empresas do mesmo setor também estão atuando nisso. A Volkswagem lançou um aplicativo onde o cliente pode dirigir o veículo, como se fosse um jogo”, comenta.

Do ponto de vista do design industrial de veículos, Marcos diz que a tecnologia já é bastante utilizada. “É possível projetar um veículo em outros locais, remotamente, para outras equipes da empresa. Cada um pode mexer neste tipo de holograma virtual e você analisa uma maquete hiper realista. Isso fica muito mais palpável e ajuda na tomada de decisão sem a necessidade de se fabricar um protótipo”, avalia.