Lúpus pode afetar diversos órgãos e tecidos: veja tratamento e prevenção

Lúpus pode afetar diversos órgãos e tecidos: veja tratamento e prevenção

A reumatologista do Hospital Jayme da Fonte, Drª Helena Carneiro Leão - Walli Fontenele/Folha de Pernambuco

Doença autoimune que alcança diversos órgãos e tecidos do corpo humano, o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) está entre as mais de 80 doenças dessa classificação mais conhecidas atualmente, sendo uma das potencialmente mais graves e importantes. Atinge pele, articulações, rins e cérebro, provocando inflamações, e não é transmissível de pessoa para pessoa.

Ouça o podcast

Segundo o Ministério da Saúde, o Lúpus é mais comum entre as mulheres, mas pode se manifestar em ambos os sexos. A maior parte dos diagnósticos acontece entre os 15 e 40 anos e, ainda de acordo com a pasta, é mais comum em pessoas afro-americanas, hispânicas e asiáticas. Além disso, a incidência chega a ser de até quatro vezes maior em mulheres negras do que em mulheres brancas.

Lúpus tem cura?
A reumatologista do Hospital Jayme da Fonte, Drª Helena Carneiro Leão, explica que a doença sistêmica tem predisposição genética e, quanto mais cedo for realizado o diagnóstico, maiores serão as chances de controle do Lúpus, que não tem cura, mas possui complicações.

“As principais complicações e envolvimento dos órgãos de sistema do Lúpus refere-se, principalmente, às membranas do coração e do pulmão e, principalmente, ao rim. As lesões são silenciosas. Em muitas das vezes, [o Lúpus] compromete a função renal, chegando até à insuficiência [renal], hemodiálise e transplante”, explica ela.

E o diagnóstico?
Por enquanto, não há um exame específico para diagnosticar o Lúpus. Isso pode ser feito com segurança, a partir de exames de sangue, urina e dos sintomas apresentados ao médico durante o exame físico. 

“O tratamento do Lúpus pode ser feito através de medicamentos, como a hidroxicloroquina, que vai atuar no controle e na prevenção das complicações. Usamos também os corticosteróides, em baixas doses, até o uso da pulsoterapia [doses mais altas]. Utiliza-se também os imunossupressores que funcionam para prevenir as lesões mais graves no rosto”, complementou a reumatologista.

O Ministério da Saúde explica que o Lúpus pode se manifestar em até quatro formas distintas. São elas:
Lúpus discoide: Surgimento de lesões avermelhadas com tamanhos, formatos e colorações específicas na pele, principalmente no rosto, nuca e couro cabeludo.
Lúpus sistêmico: É o mais comum e pode ser leve ou grave, dependendo da situação. Há inflamação em todo o organismo do paciente, comprometendo órgãos ou sistema, além da pele, rins, coração, pulmões, sangue e articulações.
Lúpus neonatal: o tipo raro afeta filhos recém-nascidos de mulheres que têm o Lúpus. Quando nasce, o bebê tem erupções na pele, problemas no fígado ou baixa contagem de células sanguíneas, porém esses sintomas tendem a desaparecer naturalmente, com o passar dos meses.
Lúpus induzido por drogas: essa forma também é comum e acontece porque substâncias de algumas drogas e/ou medicamentos podem provocar inflamação com sintomas parecidos com o lúpus sistêmico.

“Os métodos de prevenção são: Alimentação adequada, atividade física, evitar estresses e, no caso do Lúpus, evitar exposição solar, já que é um fator de gatilho e que traz muitas dificuldades na nossa cidade [Recife], por conta do nosso clima. A gente tem sol praticamente o ano todo. Lúpus é uma doença que pode se associar com outras comorbidades. Por isso, é preciso estar sempre atento a tudo, a vacinação e a prevenção de infecções. Enfim, é uma doença que vai exigir o investimento pessoal de cada paciente, juntamente com o seu médico, de forma contínua”, finaliza Carneiro Leão.

Veja também

Ala de jovens do PT acusa sigla de 'sufocar' renovação
Partido

Ala de jovens do PT acusa sigla de 'sufocar' renovação

Presidente do Bradesco diz esperar transição "equilibrada" e "tranquila" no comando do BC
banco central

Presidente do Bradesco diz esperar transição "equilibrada" e "tranquila" no comando do BC

Newsletter