Tratamento da psoríase pode oferecer uma vida sem sintomas

Especialista detalha causas, sintomas e metódos para tratar a doença e melhorar a qualidade de vida

Guedes, dermatologista - Walli Fontenele/Folha de Pernambuco.

A psoríase é uma doença crônica, autoimune e de padrão genético que é caracterizada pela presença de placas eritematosas na pele, com aparência avermelhada e textura espessa. Geralmente, as manchas provocam descamação e irritação local. Por ser uma condição visível e que provoca desconforto, a doença pode impactar seriamente a qualidade de vida daqueles que convivem com os olhares indelicados e com o incômodo das coceiras.

Ainda que seja frequentemente associada ao estresse e ansiedade, a psoríase pode ser engatilhada por diversos outros fatores, o mais importante deles é a predisposição genética. De acordo com o médico dermatologista do Hospital Jayme da Fonte, Paulo Guedes, pessoas com o padrão genético HLA-Cw6 têm dez vezes mais chances de desenvolver a doença, que pode aparecer após infecções virais ou bacterianas, traumas de pele ou exposição exagerada a produtos químicos. 

Diagnóstico

O processo de diagnóstico é geralmente clínico, feito com base na observação dos sintomas e nas características típicas das lesões. Em alguns casos, pode ser necessário realizar uma biópsia da pele para confirmar o quadro, especialmente se houver dúvidas sobre a natureza das lesões. O resultado preciso é essencial para iniciar o tratamento adequado e gerenciar a condição de forma eficaz.

Para o especialista, a gravidade das lesões pode diferenciar a experiência de cada paciente e o nível de impacto na qualidade de vida. 

“Uma psoríase moderada e grave compromete o convívio social principalmente em relação à observação dos outros. Como é uma doença que aparece na pele, muitas vezes ela é considerada como sendo transmissível, mas a psoríase não é transmissível”, explica sobre o preconceito que os pacientes podem sofrer.

Cuidados

Paulo Guedes explica que, em alguns lugares, a psoríase ainda é tratada como uma sentença para a vida inteira. No entanto, a doença pode ser controlada até que os sintomas sumam por completo, impactando positivamente a vida dos pacientes.

“Do mesmo jeito que a diabetes e hipertensão são controladas, a gente também pode controlar a psoríase”, esclarece.

O tratamento também é feito de acordo com a gravidade do caso, uma psoríase leve normalmente requer apenas medicamentos tópicos, enquanto quadros graves podem necessitar de medicamentos orais ou sistêmicos. 

Prevenção

Para os pacientes com predisposição genética, Guedes revela que a mudança de hábitos pode ser a chave para uma prevenção eficaz e um tratamento positivo para os diagnosticados. 

“É ideal que exista a mudança de vida. Caso seja obeso, se perder peso vai ter uma menor chance de ter psoríase e, se tiver vai, ser mais fácil de controlar”, destaca. Com isso, o médico explica que também é possível controlar melhor as comorbidades associadas com a doença. “Quanto mais você tem uma dieta equilibrada, faz exercício e leva uma vida mais tranquila, menor a possibilidade de ter psoríase”.

Confira o podcast:

Veja também

40 anos da restauração do quadro "As meninas": uma limpeza marcada pela polêmica
cULTURA

40 anos da restauração do quadro "As meninas": uma limpeza marcada pela polêmica

Disputa entre Bolsonaro e Valdemar em São Paulo motivou resolução da "lei de silêncio" no PL
SÃO PAULO

Disputa entre Bolsonaro e Valdemar em São Paulo motivou resolução da "lei de silêncio" no PL

Newsletter