"A Lei da Noite” faz reflexão sobre a relação familiar

. O longa, que se passa em Boston na década de 1920 e é uma adaptação do livro homônimo escrito por Dennis Lehane

Ben Affleck é protagonista da trama, além de diretor, roteirista e produtor do filme “A Lei da Noite”Ben Affleck é protagonista da trama, além de diretor, roteirista e produtor do filme “A Lei da Noite” - Foto: warner bros./Divulgação

 

Apesar da sequência de cenas de ação e tiros ensurdecedores, a história do filme “A Lei da Noite” faz uma profunda reflexão sobre a relação afetiva entre pais e filhos. O longa, que se passa em Boston na década de 1920 e é uma adaptação do livro homônimo escrito por Dennis Lehane, mostra Joe Coughlin (Ben Affleck) - ex-soldado e filho de um capitão da polícia - como um homem frustrado com o ato de servir algo ou alguém. Para tentar viver uma vida livre, ironicamente, ele se envolve com o crime organizado. Só que, para isso, ele abdica em parte a sua desobediência e vive - em segredo - suas próprias regras.
Um dos pilares da construção do personagem de Joe é a lealdade. Por isso, todas as suas relações - sejam elas amorosas, de amizade ou de rivalidade - são intensas e marcadas pela entrega. Traço o qual vai contra a ideia de um gangster tradicional - normalmente frio e calculista. Joe Coughlin quebra com todo o clichê de uma pessoa que vive do crime: tem compaixão, é generoso e até se sensibiliza com causas sociais. Muito embora, é claro, por viver no meio de bandidos, se depare com diversas situações que põe em cheque sua moral.
Guiado por extremos emocionais, quando é traído, busca vingança. E é a partir daí que a história se desenvolve. Mesmo que um pouco maçante, pois são duas horas de filme, o roteiro é bastante coeso. Para alcançar seu objetivo, Joe é levado a se envolver com uma gangue italiana e servir a um chefe - Maso Pescatore (Remo Girone). O motivo? O inimigo comum e a ideia de Poder. Se submetendo às circunstâncias, ele arma uma situação que o ponha cara a cara com quem trouxe uma das maiores tristezas da sua vida: a morte da mulher que amava.
Até o fim do filme, Joe se vê em constante briga interna entre seus interesses e valores. E, em vários momentos, é possível notar a referência a sua relação com seu pai - Thomas Coughlin (Brendan Gleeson). Enquanto era vivo, ele safava Joe da prisão e não desistia de fazê-lo enxergar a vida que levava, mesmo estando do lado oposto à Lei que servia. Tinham uma relação, naturalmente, turbulenta. Mas Thomas não abria mão do seu filho. Esse sentimento de ser capaz de tudo por aquele do seu sangue é bastante marcante. Assim como o arrependimento. Após conseguir tudo, inclusive ter um filho, Joe é condenado pela própria vida que levara. Quem escolhe viver sob suas regras, é fadado a conviver com a culpa das suas próprias escolhas.

 

Veja também

Olavo de Carvalho tem contrato de livros não renovado por sua editora
Literatura

Olavo de Carvalho tem contrato de livros não renovado por sua editora

Billie Eilish mira a bossa nova, busca a paz e fala do corpo em novo disco
Crítica

Billie Eilish mira a bossa nova, busca a paz e fala do corpo em novo disco