A volta ao formato clássico de folhetim

"A Lei do Amor" estreia nesta segunda, na Globo, e coloca os desencontros da vida como tema central

Ministros da Cultura, Roberto Freire, e da Defesa, Raul Jungmann, participaram de reunião do partido neste domingoMinistros da Cultura, Roberto Freire, e da Defesa, Raul Jungmann, participaram de reunião do partido neste domingo - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Depois de apostar em algumas novelas que buscavam inovação, a Globo parece ter voltado aos clássicos. Pelo menos, é essa a impressão que a emissora passa com a estreia de “A Lei do Amor”, nesta segunda, na faixa das 21 horas. A trama de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari, com direção de Denise Saraceni, pode ser resumida como uma história de amor. E das mais tradicionais.

Afinal, o casal protagonista é separado por conta de uma armação, mas muitos anos depois tem a chance de reviver o amor. Isso tudo, é claro, às custas de muitos percalços. “A novela é uma história de amor em todas as suas formas: paixão, amor romântico, amores passados, amores que morreram ou se transformaram. Os que se quebraram. Os que foram vividos precariamente ou nunca chegaram a ser vividos”, define Maria Adelaide.

Na primeira fase, Isabelle Drummond e Chay Suede interpretam os protagonistas Helô e Pedro. Com a passagem de 20 anos na trama, período em que o casal ficou separado, Cláudia Abreu e Reynaldo Gianecchini assumem os personagens. “A Helô e o Pedro tiveram um amor raro, resistente a muitas desilusões e ao tempo. Ela, Helô, já está calejada pela vida, mas o reencontro reacende um sentimento genuíno. É como se o tempo não tivesse passado”, adianta Cláudia.

Os dois se conhecem em um momento difícil da vida da jovem. Sua mãe está com leucemia em um estágio avançado e seu pai, alcoólatra, acaba de ser demitido. Tudo fica mais complicado porque o pai de Pedro é quem foi o responsável pela demissão. Algo que marca Helô tragicamente e ela ameaça destruir a família Leitão. Mas, mesmo assim, se apaixona por Pedro. E eles só não ficam juntos por causa de uma armação de Mág, personagem de Vera Holtz, madrasta de Pedro, que resolve separar o casal por considerar arriscado ter o enteado tão próximo a alguém que deseja acabar com sua família.

Vinte anos depois, Helô está casada com Tião Bezerra, vivido por Thiago Martins na primeira fase e por José Mayer na segunda, com quem teve dois filhos, Edu, de Matheus Fagundes, e Letícia, de Isabella Santoni. E Pedro volta para sua cidade natal depois de viver anos morando em um barco. “Eu e Chay tivemos muito tempo juntos para conversar e chegar nesse personagem, que tem um jeito comum a nós dois”, diz Reynaldo Gianecchini.

Veja também

Rádio Folha FM apresenta peça radiofônica escrita por Cícero Belmar
Radionovela

Rádio Folha FM apresenta peça radiofônica escrita por Cícero Belmar

Coletivo Mulheres promove lives sobre arte e cultura durante o mês de julho
Transmissões

Coletivo Mulheres promove lives sobre arte e cultura durante o mês de julho