Agência cancela evento pré-Oscar em protesto contra decreto de Trump

United Talent Agency (UTA) decidiu fazer uma doação a associações de defesa dos direitos civis

Fachada da UTAFachada da UTA - Foto: Divulgação

Uma das mais famosas agências artísticas de Hollywood cancelou sua tradicional noite pré-Oscar como forma de protesto contra o decreto migratório do presidente americano Donald Trump e decidiu fazer uma doação a associações de defesa dos direitos civis.

A United Talent Agency (UTA), que representa, entre outros, a cantora Mariah Carey, os diretores Ethan e Joel Coen e os actores Chris Pratt, Harrison Ford e Alicia Vikander, organiza habitualmente um evento de gala anual na luxuosa residência de seu presidente, Jim Berkus, em Los Angeles.

Este ano, a UTA pretende organizar um evento contra a medida do presidente americano em Beverly Hills, sede da empresa, dois dias antes da cerimônia do Oscar, que acontecerá em 26 de fevereiro.

A agência também pretende doar 250.000 dólares para a American Civil Liberties Union (ACLU) e para o International Rescue Committee (IRC), uma organização de ajuda aos refugiados.

"É um momento que precisa de nossa generosidade, nossa atenção e nossa impaciência", afirma o diretor geral da UTA, Jeremy Zimmer, em um memorando enviado aos funcionários da empresa, informou a revista Hollywood Reporter.

"Nosso mundo é melhor graças às interações entre artistas, as trocas de ideias e a expressão criativa. Se nossa nação deixar de ser um lugar onde os artistas podem se expressar livremente, então acredito que deixaremos de ser Estados Unidos", completa o texto.

A empresa queria "expressar a preocupação da comunidade criativa ante o sentimento anti-imigração nos Estados Unidos", escreve a revista Variety.

A decisão da UTA foi anunciada no momento em que um tribunal de apelações de San Francisco examina a ação do governo Trump que pede a retomada do decreto migratório do presidente, suspenso por um juiz federal de Seattle, que proíbe por três meses a entrada no país de cidadãos de sete países de maioria muçulmana.

O decreto, que o presidente Trump apresenta como uma medida para lutar contra o terrorismo, recebeu muitas críticas em todo o mundo, com protestos e cenas de caos nos aeroportos.

A medida também proíbe, durante 120 dias, o acesso dos refugiados ao país. O prazo é indeterminado no caso dos sírios.

A UTA representa em particular o diretor iraniano Asghar Farhadi, que disputa pela segunda vez o Oscar de filme em língua estrangeira por "O Apartamento" e que já anunciou que não comparecerá à cerimônia de 26 de fevereiro em protesto pelo decreto que envolve seu país.

Farhadi já venceu um Oscar de filme em língua estrangeira por "A Separação".

Veja também

Namorada de Ben Affleck teria rompido por diferença de idade com ator
Famosos

Namorada de Ben Affleck teria rompido por diferença de idade com ator

Cozinhas dos grupos VIP e Xepa do BBB vão ficar no mesmo ambiente
Reality

Cozinhas dos grupos VIP e Xepa do BBB vão ficar no mesmo ambiente