Almério volta às raízes antes de seguir em turnê pela Europa

Cantor de Altinho, que cresceu em Caruaru, Almério faz show neste domingo (20), às 19h, no Teatro de Santa Isabel, com o objetivo de arrecadar recursos para fazer shows em Portugal

Artista também prepara disco e tunê com a baiana Mariene de Castro, para o segundo semestreArtista também prepara disco e tunê com a baiana Mariene de Castro, para o segundo semestre - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Ele nasceu em Altinho e de tanto confundirem de onde veio, agora corrige: também é caruaruense, pois ganhou o título de cidadão da capital do Agreste. Foi lá que Almério - que brilha no cenário nacional depois de vencer o prêmio Natura Musical, ter participado do Rock In Rio ao lado de Liniker e Johnny Hooker, ter encantado o maior produtor da Música Popular Brasileira do País, José Maurício Machline e agora, com turnê marcada na Europa - começou.

Iniciou cantando nos bares do Agreste e, após 14 anos, mostra o seu talento para um público que nunca imaginou conquistar. Neste domingo (20), às 19h, faz show no Teatro de Santa Isabel, em prol de angariar recursos para a sua viagem musical pelo mundo.

Sem nunca ter saído do Brasil, ele abre os shows do Grande Encontro, formado pelo trio Elba Ramalho, Alceu Valença e Geraldo Azevedo, nos dias 12 e 13 de julho, em Portugal. De lá, continua em uma miniturnê, onde fica até o fim de julho, pela França, Espanha e onde mais o respeitado produtor André Brasileiro conseguir fechar shows. Quando perguntado se o jovem nascido no interior do Estado já imaginou que poderia chegar tão longe, Almério volta às raízes e não esconde o medo.



Leia também:
Boa causa: Almério faz show em prol da turnê na Europa
Lucas Torres lança novo disco com a presença de Almério e Isaar
Sertão em sons diversos por Almério


"É amedrontador, assustador, mas ao mesmo tempo é estimulante e empolgante. Desde a primeira vez que eu ouvi o som das bandas de pífanos em Caruaru, a cidade que pariu o artista que eu sou, aquilo me impactou. Eu escutava muita coisa, mas nada foi parecido. Eu percebia que, além de ser muito agrestino, era também universal e dialogava com o mundo inteiro. É esse som da minha terra que está me levando a quebrar barreiras. Eu jamais imaginei fazer show fora do Brasil e agora estou indo porque o meu trabalho está me levando e eu recebo esse chamado com o maior amor do mundo".

Foi o criador do Prêmio da Música Brasileira e pesquisador da MPB, José Mauricio Machline que convidou e uniu Almério e a cantora do interior da Bahia Mariene de Castro, no ano passado. A parceria resultou no show "Acaso Casa", até então visto somente pelos paulistanos e cariocas, mas que agora já tem data de gravação de disco, pela gravadora Biscoito Fino, além de turnê. Em junho, ele entra em estúdio e assim que voltar da Europa, deve sair em dupla por algumas capitais. O Recife já está na rota.

O encontro de Almério com Machline aconteceu em um jantar na casa de amigos no Rio de Janeiro. O produtor se encantou com a voz do rapaz e disse ainda, que “Desempena” era o melhor disco que ele tinha ouvido no ano. O pedido surpreendente veio no aniversário do produtor musical, que reuniu os bambas da música como Elba Ramalho, João Bosco, Zélia Duncan, Alceu Valença e atores famosos com Aracy Balabanian e Lucinha Lins.

Foi na casa de José Maurício que ao cantar "Espumas ao Vento", com Mariene, que o experiente caçador de talentos decretou: "vai virar show". "Três dias depois estávamos sentados no escritório dele decidindo o repertório, que leva músicas do nosso interior. Mariene é matuta igual a mim", brinca.

Comparado vez ou outra ao jeito do cantor Ney Matogrosso no palco, ele já teve inclusive um encontro com o próprio e cantou com ele na plateia a música "Fala", sendo elogiado nos bastidores, em seguida. Mas a comparação excessiva não agrada o músico, que justifica: "Ney elevou nossa música a um nível muito alto, a um planeta que poucos chegaram ou chegarão. Eu não fui influenciado diretamente por ele, mas na casa dos 30 anos comecei a despertar. Eu sei que há uma semelhança gigantesca em relação ao nosso figurino e eu aceito com muita responsabilidade essa comparação, mas também acredito que seja uma comparação muito preguiçosa. Todo cantor performático, gay, é comparado a ele. Ney vai além de influenciar cantores homens”, explica.

Rock in Rio

Do show no Rock In Rio, no Palco Sunset, em setembro de 2017, segundo ele, o maior sinalizador da chegada do sucesso, ficou a amizade com os novos nomes Liniker e Hooker. "Fiz uma música com Liniker que pretendo colocar no meu próximo disco. Hooker me pediu uma música, mas planos de algo juntos ainda não foi acertado”, diz.

O próximo disco e DVD autoral também já estão no gatilho. O "Desempena - Ao Vivo", deve ser gravado em agosto, no Recife, com data e local a ser divulgada. Antes de tudo, dia 21 de junho, ele vai até a cidade de coração, toca no Polo Azulão, dentro da programação do São João de Caruaru.

"Meu sotaque já é um empecilho para o Brasil inteiro. Às vezes, abre portas, mas delimita espaço para mim. As pessoas estão acostumadas com o Sul e Sudeste, mas o meu é [o sotaque] nordestino marcado, mas estou aí para isso, para ir além, qualquer lugar do mundo tem sotaque, porque eu vou ter vergonha do meu?", finaliza o menino que veste figurino de pássaro, pelas mãos de Xuruca Pacheco, e tem voz de anjo. Voa Almério!

Serviço:
Show "Desempena", de Almério
Teatro de Santa Isabel (Praça da República, s/n, Santo Antônio)
Neste domingo (20), às 19h
Ingressos: R$ 50 e R$ 25 (meia-entrada), à venda na bilheteria ou pelo site Sympla
Informações: (81) 3355-3323

Veja também

Saiba o que muda para Hollywood agora que a China bateu os EUA em bilheteria
Audiovisual

Saiba o que muda para Hollywood agora que a China bateu os EUA em bilheteria

A psicodelia moderna de Petrônio e as Criaturas em novo Ep
Música

A psicodelia moderna de Petrônio e as Criaturas em novo Ep