Amaro Freitas está entre as revelações do Prêmio Instrumental da MIMO

Pianista de 25 anos se apresenta no festival neste domingo, às 11h

Nicó do CimentoNicó do Cimento - Foto: Reprodução/Facebook

Já nos anos de 1800, tocar piano era um indicativo da educação dada às elites e reafirmava a posição dos indivíduos dentro da sociedade. Somente no século seguinte, o domínio sobre as teclas passou a se tornar mais comum entre as camadas mais simples da população, mas o próprio preço (altíssimo) do equipamento continuou segmentando seus virtuosos.

Não é a toa que o recifense Amaro Freitas ainda nem tem o próprio piano, mas já é uma das revelações nacionais no instrumento como um dos vencedores do Prêmio Instrumental da MIMO.

O festival inclui o show de lançamento do álbum “Sangue Negro” neste domingo, às 11h, no Convento de São Francisco, quando o trabalho chega às plataformas digitais para reforçar a data em que é celebrada o Dia da Consciência Negra. “Tem coisas que para mim já são uma vitória, como tocar piano e conseguir gerenciar uma carreira. O piano era um instrumento elitizado, por isso ainda hoje não se vê tantos negros tocando, então tento quebrar isso no meu show. Toco de sandália, calça de pano e camisa simples que é para dizer que qualquer pessoa pode ser pianista”, comenta ele, que escolheu o título da faixa mais intensa do disco para dar nome ao seu primeiro trabalho solo, em que é acompanhado pelo baixista Jean Elton e pelo baterista Hugo Medeiros, com participações do saxofonista Eliudo Souza e do trompetista Fabinho Costa.

A faixa-título é carregada de elementos que lembram a música negra e o afrojazz, passando pelo bebop até alcançar o improviso, como símbolo de libertação. “Eu uso muito o ritmo no piano e acho que essa é uma característica da música contemporânea, prestar mais atenção no ritmo do que nas melodias. Então brinco muito com o suíngue do samba, do frevo, das claves afro e do baião”, explica ele, sobre a perspectiva percussiva que adota para o piano como herança da sua musicalidade ancestral.

Além da carreira instrumental, Amaro também atua no cenário pernambucano popular, acompanhando músicos como Márcia Pequeno, Claudia Beija e Romero Ferro. Inclusive, chegou a produzir o álbum “Arsênico”, de Ferro, ao lado do carioca Diogo Strausz, mas para seu próprio disco delegou a função ao pianista Rafael Vernet, que ficou conhecido pela produção de trabalhos de gente como Ed Motta, Hermeto Pascoal e Toninho Horta. “O Vernet foi tão importante que o álbum seria metade do que ele é hoje se ele não tivesse topado, porque ele traduz muito bem o que é música, ele nos entendia e conseguia fazer as coisas fluírem”, disse Amaro, que começou a tocar aos 12 anos, na igreja. Ele cresceu em Nova Descoberta, onde vive até hoje.

Atualmente aos 25 anos e com a identidade firmada, Amaro apresenta seu cartão de entrada com “Sangue Negro”, introduzindo ao público a sua personalidade. Além de usar o jazz como ferramenta de libertação social, também explora outros gêneros que atravessam sua memória afetiva, como o samba, em “Samba de César”, em homenagem ao bandolinista e professor Marco César, e o “frevo-balada” “Subindo o Morro”. “Essa música era bem acelerada, aí quando fui gravar, os músicos me lembraram que ninguém sobe o morro correndo e sugeriram que ou eu mudava o título para ‘Descendo o Morro’ ou dava uma desacelerada. O frevo-balada não existe, mas a balada é uma das vertentes do jazz para tocar bem arrastado, por isso fizemos esse frevo com as notas mais longas”, justifica ele.

Ao todo o trabalho conta com seis músicas, das quais cinco são de autoria de Amaro e uma, intitulada “Estudo nº 0”, é do baterista Hugo Medeiros. O trabalho foi inteiramente gravado no estúdio Carranca, que foi escolhido justamente porque dispunha de um “piano fantástico”. O recifense custeou o trabalho do seu bolso, mas diz que seu próximo investimento será o instrumento próprio. Por enquanto, o músico segue compondo no teclado e se exercitando diariamente no piano do restaurante Mingus, onde atua como residente. Além do festival MIMO, o público recifense também poderá ver o show de “Sangue Negro” no Vivo Open Air, onde se apresenta nos dias 30 deste mês e nos dias 2 e 17 de dezembro.

 

Veja também

Secretaria de Cultura do Estado lança editais da Lei Aldir Blanc
Fomento

Secretaria de Cultura do Estado lança editais da Lei Aldir Blanc

Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul - Brasil, África, Caribe e outras diásporas em edição virtual
Audiovisual

Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul - Brasil, África, Caribe e outras diásporas em edição virtual