Ancine precisa se alinhar a sentimento cristão da sociedade, diz porta-voz

Rêgo Barros fez a afirmação ao responder a uma pergunta sobre o apelo do governador do Rio de Janeiro, para que Bolsonaro mantenha a sede da agência de fomento ao cinema no estado

Otávio Rêgo Barros, porta-voz da presidência da RepúblicaOtávio Rêgo Barros, porta-voz da presidência da República - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta terça-feira (6) que a Ancine (Agência Nacional do Cinema) precisa estar "adaptada aos preceitos que a maioria da sociedade vivencia".

"É muito importante que o produto da Ancine esteja alinhado com o sentimento da maioria da nossa sociedade. Um sentimento de dever, de cultura adequada, um sentimento cristão", declarou o porta-voz.

Rêgo Barros fez a afirmação ao responder a uma pergunta sobre o apelo do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), para que o presidente Jair Bolsonaro mantenha
a sede da agência de fomento ao cinema no estado.

Leia também:
Witzel pede que Bolsonaro reconsidere transferência da Ancine do Rio para Brasília
Bolsonaro diz que pode recuar em intenção de extinguir a Ancine
Bolsonaro sugere à Ancine que recue em patrocínio a filme sobre sua eleição

Porta-voz da Presidência diz que governo estuda tirar gestão de fundo da Ancine

"É preciso compreender que uma agência difusora de cultura deve estar adaptada aos preceitos que a maioria da sociedade vivencia. Então é nesse contexto que a Ancine vai ter que adequar-se", acrescentou o porta-voz, que disse ainda que a mudança da sede da agência para Brasília está em estudo.

O presidente Bolsonaro já disse que pretende mudar a sede da Ancine do Rio para Brasília.

A agência tem sido alvo do mandatário, que chegou a afirmar que pretende exinguir o órgão caso não seja possível usar filtros nas produções nacionais. "A cultura vem para Brasília e vai ter um filtro sim, já que é um órgão federal. Se não puder ter filtro, nós extinguiremos a Ancine. Privatizaremos ou extinguiremos. Não pode dinheiro público ser usado para fins pornográficos", declarou o presidente, em julho.

Na última sexta (2), porém, ele disse à imprensa que pode recuar da ideia da extinção. "Se recuar, recuo. Quantas vezes vocês falam que eu recuei? Tem a questão do audiovisual que emprega muita gente, tem de ver por esse lado", afirmou.

Segundo ele, o ministro Osmar Terra (Cidadania) apresentou um esboço de um projeto de restruturação da agência reguladora, que adotaria o mecanismo da Lei Rouanet para fomento de produções nacionais.

Nos ataques à Ancine, o presidente utiliza o argumento de que há produções audiovisuais que recebem patrocínio federal para fazer o que ele considera "ativismo".

Ele tem criticado ainda o patrocínio recebido pelo filme "Bruna Surfistinha", protagonizado pela atriz Deborah Secco. "Não posso admitir que, com dinheiro público, se façam filmes como o da Bruna Surfistinha. Não dá", disse o presidente, também em julho.

Veja também

'Sensação de estreia', diz Ana Maria Braga sobre volta do Mais Você
Televisão

'Sensação de estreia', diz Ana Maria Braga sobre volta do Mais Você

Angélica mediará conflitos e voltará a atuar em novo programa: 'Pertinente para o momento'
televisão

Angélica mediará conflitos e voltará a atuar em novo programa: 'Pertinente para o momento'