Ângela Botelho lança quadrinhos escritos pelo filho, morto em 2013

Lançamento será nesta sexta-feira (20), na Livraria Cultura do RioMar Shopping, às 18h30

Ângela Botelho junto ao livros de quadrinhos escritos pelo filho, Guilherme BotelhoÂngela Botelho junto ao livros de quadrinhos escritos pelo filho, Guilherme Botelho - Foto: Divulgação

“Mãe, já tá quase no fim. Eu quero publicar”, poderia ter sido só mais um dentre os prováveis tantos dizeres do designer Guilherme Botelho Fernandes à sua mãe, Ângela Botelho, em um fim de semana compartilhado em família. Mas era maio de 2013 e, dali a poucos dias, o jovem de 25 anos seria vitimado fatalmente em um acidente durante um voo de asa-delta em uma cidade da Zona da Mata de Pernambuco.

Para quem acredita que nada é assim tão por acaso, o desejo proferido por ele, portanto, não foi algo que se possa chamar de aleatório, porque pouco mais de seis anos após a perda do filho, “A Ordinária História de Juca e uma Juventude Qualquer”, livro em quadrinhos que estava sendo finalizado por ele, ganha lançamento amanhã, às 18h30, na Livraria Cultura do RioMar Shopping. "Tudo original, do jeito que ele desenhou e escreveu, com a letra dele, sabe?", ressaltou Ângela em conversa com a Folha de Pernambuco.

Leia também:
A 'solidão desejada' de Marcello Rangel em seu primeiro disco
A maestria do 'Acaso Casa' de Almério e Mariene de Castro


Mãe e professora de balé, Ângela se tornou, também, uma espécie de realizadora dos desejos do filho (em vida e in memorian). Em paralelo à sua paixão pelo voo livre - mesmo esporte praticado por seu pai, na juventude - Guilherme também nutria, desde criança, apego por desenhos, fábulas e contações de histórias criadas por ele mesmo, desde os cinco anos de idade.

"Eu olhava ele desenhando, ficava o dia inteiro num quadrinho só. Passava um tempo longe mas voltava logo em seguida, e isso o deixava tranquilo, como se fosse uma espécie de ioga. Assim seguiu até a adolescência, a partir dos 17 anos, quando ele começou a, digamos, levar mais a sério. Como se fosse uma autobiografia, meu filho passou a contar a história de Juca", explicou ela, responsável pelo livro agora publicado pela editora Livrinho de Papel Finíssimo, com pósfácio de Clylton Galamba e capa do design Rodrigo Gafa. "Desde o começo, quando fui propor para a editora, já era claro que não seria apenas o lançamento de um livro. Envolveria outras coisas", sentencia.

'A Ordinária História de Juca e uma Juventude Qualquer' será lançado nesta sexta (20)




De fato. "Outras coisas", por exemplo, que evidenciam força e superação, e fala de alguma forma sobre a dor da perda de um filho, sobre a saudade e, sobretudo, sobre o amor de uma mãe que, passado o período do luto, arregaçou as mangas e fez a vida seguir junto ao desejo de Guilherme de tornar públicos seus quadrinhos.

"Depois de me sentir mais 'recuperada' do abalo, repensei e fui até as coisas deles, temendo, talvez, não encontrar toda a história. Mas comecei a ler e vi que estava tudo lá, organizado, quase pronto. Demorou, foi difícil, mas me empenhei em levar adiante o sonho dele. Desde fevereiro deste ano (2019), os livros estão prontos, mas fiquei adiando o lançamento até resolver fazê-lo em setembro, início da primavera", contou Ângela, que, por sugestão da editora, deixou alguns quadrinhos em branco, ao final das pouco mais de 110 páginas que compõem a história. A ideia é que sejam completados pelo leitor, que pode dar o final que desejar: "Ele não conseguiu terminar. Mas sabe o final de um filme francês, que fica em aberto e deixa a nossa imaginação fluir?".


 

Veja também

Morre Ron Cobb, criador do DeLorean de 'De Volta para o Futuro'
Luto

Morre Ron Cobb, criador do DeLorean de 'De Volta para o Futuro'

Cineasta brasileira premiada no Emmy sugere tour em Los Angeles
Folha Turismo

Cineasta brasileira premiada no Emmy sugere tour em Los Angeles