Cultura+

Artista plástico recifense Feliciano dos Prazeres busca inspiração

Rua, praias, cidade e feiras são parte importante no processo para composição de pinturas

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra CoelhoO líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 

A arte faz parte da vida de Feliciano dos Prazeres desde que ele era criança, quando frequentava junto aos pais e o irmão a tradicional livraria “Livro 7”, no Centro do Recife, entre as décadas de 1980 e 1990. Apesar da proximidade com os livros, foi com lápis e tintas nas mãos que ele descobriu o prazer da pintura - um de seus ofícios hoje, além de ser designer gráfico.

Este ano, uma das telas de Feliciano - intitulada “Mangues da Aurora” foi escolhida pela Folha de Pernambuco, empresa da qual ele é um dos funcionários, para compor o calendário de 2017 do Grupo EQM. “Foi uma surpresa. As pessoas conheciam meu trabalho e de repente me chamaram para comunicar que meu quadro estaria no calendário, que será uma forma de divulgar minhas pinturas, de distribuir arte, que é uma coisa boa na vida das pessoas”, comentou.

Na carreira, ele se dedicou à aquarela, uma das técnicas de pinturas mais complexas, durante 13 anos, período em que ilustrou jornais, revistas, livros e cartilhas. Até que decidiu migrar, há quatro anos, para a tinta acrílica, após ser descoberto pelo artista plástico Mané Tatu. “Foi ele quem me puxou. Ele viu algumas caricaturas que fiz e ficou encantado. Fiquei desconfiado no começo, mas todas as referências me falaram bem dele. Então, fui até a casa dele e mostrei meu trabalho, quando ele me pediu um desenho exclusivo para um evento”, lembrou.

A partir daí, Feliciano consagrou-se também artista plástico e passou a fazer parte do circuito de profissionais em Pernambuco. Produz eventos e peças publicitárias, além de já ter participado de exposições locais. “Fui vendo que existe mercado no Recife. Não sabia que era possível viver de arte, muito embora o movimento daqui seja parado em relação ao de São Paulo”, acrescentou.

O processo de criação de Feliciano está intimamente ligado ao cotidiano. Pessoas, frutas, barcos, animais e bicicletas, tudo que faz parte de sua rotina é retratado em telas. “Estou sempre na rua, em praias, na cidade, na feira e esses cenários vão criando o imaginário artístico e me motivam a pintar. Eu olho uma favela e não vejo a pobreza, o barraco ou o lixo. Eu vejo cores, a emoção e pinto a poesia. A verdade do ambiente é que compõe a verdade da minha pintura. Ela carrega um sentimento real e que é incorporado ao sentimento do artista e, consequentemente, ao do espectador”, explicou.

 

Veja também

Caçula de Bon Jovi e 'príncipe do Shrek': conheça Jake, que se casou com Millie Bobby Brown
FAMOSOS

Caçula de Bon Jovi e 'príncipe do Shrek': conheça Jake, que se casou com Millie Bobby Brown

Ícone subversivo, Vivencial estreava há 50 anos; comemoração será neste domingo (26), em Olinda
TEATRO

Ícone subversivo, Vivencial estreava há 50 anos; comemoração será neste domingo (26), em Olinda

Newsletter