Artista plástico recifense Feliciano dos Prazeres busca inspiração

Rua, praias, cidade e feiras são parte importante no processo para composição de pinturas

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra CoelhoO líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 

A arte faz parte da vida de Feliciano dos Prazeres desde que ele era criança, quando frequentava junto aos pais e o irmão a tradicional livraria “Livro 7”, no Centro do Recife, entre as décadas de 1980 e 1990. Apesar da proximidade com os livros, foi com lápis e tintas nas mãos que ele descobriu o prazer da pintura - um de seus ofícios hoje, além de ser designer gráfico.

Este ano, uma das telas de Feliciano - intitulada “Mangues da Aurora” foi escolhida pela Folha de Pernambuco, empresa da qual ele é um dos funcionários, para compor o calendário de 2017 do Grupo EQM. “Foi uma surpresa. As pessoas conheciam meu trabalho e de repente me chamaram para comunicar que meu quadro estaria no calendário, que será uma forma de divulgar minhas pinturas, de distribuir arte, que é uma coisa boa na vida das pessoas”, comentou.

Na carreira, ele se dedicou à aquarela, uma das técnicas de pinturas mais complexas, durante 13 anos, período em que ilustrou jornais, revistas, livros e cartilhas. Até que decidiu migrar, há quatro anos, para a tinta acrílica, após ser descoberto pelo artista plástico Mané Tatu. “Foi ele quem me puxou. Ele viu algumas caricaturas que fiz e ficou encantado. Fiquei desconfiado no começo, mas todas as referências me falaram bem dele. Então, fui até a casa dele e mostrei meu trabalho, quando ele me pediu um desenho exclusivo para um evento”, lembrou.

A partir daí, Feliciano consagrou-se também artista plástico e passou a fazer parte do circuito de profissionais em Pernambuco. Produz eventos e peças publicitárias, além de já ter participado de exposições locais. “Fui vendo que existe mercado no Recife. Não sabia que era possível viver de arte, muito embora o movimento daqui seja parado em relação ao de São Paulo”, acrescentou.

O processo de criação de Feliciano está intimamente ligado ao cotidiano. Pessoas, frutas, barcos, animais e bicicletas, tudo que faz parte de sua rotina é retratado em telas. “Estou sempre na rua, em praias, na cidade, na feira e esses cenários vão criando o imaginário artístico e me motivam a pintar. Eu olho uma favela e não vejo a pobreza, o barraco ou o lixo. Eu vejo cores, a emoção e pinto a poesia. A verdade do ambiente é que compõe a verdade da minha pintura. Ela carrega um sentimento real e que é incorporado ao sentimento do artista e, consequentemente, ao do espectador”, explicou.

 

Veja também

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não
CINEMATECA

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020
SÃO PAULO

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020