Artistas levam livros às urnas em ato contra Bolsonaro

'Crime e Castigo', 'Para Educar Crianças Feministas' e 'Grande Sertão Veredas' são alguns dos livros escolhidos por artistas para votar neste domingo (28)

Fernanda Paes Leme, atrizFernanda Paes Leme, atriz - Foto: Instagram/Reprodução

"Crime e Castigo", "Para Educar Crianças Feministas" e "Grande Sertão Veredas" são alguns dos livros escolhidos por artistas para votar neste domingo (28), no segundo turno das eleições. A ação de levar obras literárias durante a votação é adotada por parte da classe artística como manifesto em favor da democracia e contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Os livros, em sua maioria, abordam temas feministas e de luta social e pelos direitos humanos. "Para Educar Crianças Feministas", de Chimamanda Ngozi Adichie, escritora nigeriana reconhecida como uma das principais autoras jovens da atualidade, foi a obra escolhida pelas atrizes Leandra Leal, 36, e Juliana Alves, 36.

Débora Bloch, 55, levou o clássico da literatura brasileira "Grande Sertão Veredas", de João Guimarães Rosa (1908-1967). A história se passa no sertão, onde o ex-jagunço Riobaldo relembra as suas pelejas, os seus medos e o amor reprimido por Diadorim. Débora estava acompanhada da filha Júlia Anquier, que levou o livro "Esferas da Insurreição", de Suely Rolnik.

Leia também:
Artistas tentam salvar obra de Niemeyer no Líbano
Resistência negra permeia história do Museu da Abolição
Ex-ministro Carlos Velloso refuta possibilidade fraude nas urnas eletrônicas


Já o ator Bruno Gagliasso, 36, levou "O Ódio que Você Semeia", de Angie Thomas, que fala sobre racismo. Na trama, uma adolescente negra de 16 anos vê o melhor amigo ser assassinado por um policial branco. A obra foi adaptada para o cinema e deve estrear no Brasil em 6 de dezembro.

O clássico russo "Crime e Castigo", de Fiódor Dostoiévski (1821-1881), foi o livro escolhido pela atriz Debora Evelyn, 52. O autor russo foi preso em 1849 por participar de reuniões consideradas subversivas e conspirar contra o czar Nicolau e chegou a ser condenado à morte. Já a caminho de sua execução, ele teve a pena perdoada, mas foi condenado a oito anos de trabalhos forçados na Sibéria.

   Quadrinhos

A atriz e apresentadora Fernanda Paes Leme, 35, levou "Persépolis", autobiografia em quadrinhos da iraniana Marjane Satrapi. Na obra, a autora conta como a vida dela e de sua família mudou após a revolução que teve início em 1979 e instaurou no Irã o regime xiita, que controla como as pessoas devem agir e se vestir.

Tais Araujo diz que votou com livro nas mãos porque só educação muda um povo. A atriz e apresentadora postou uma foto com o romance histórico "Um Defeito de Cor", de Ana Maria Gonçalves. A obra da escritora mineira conta a história de uma africana idosa, cega e à beira da morte, que viaja para o Brasil em busca do filho perdido há décadas. Ao longo da travessia, ela conta sua vida, marcada por mortes, estupros, violência e escravidão.

Na véspera das eleições, a atriz publicou um texto sobre democracia em seu Instagram." Democracia. Substantivo feminino. Governo em que o povo exerce a soberania. É na democracia que temos a liberdade de fala, de escuta, de concordar ou discordar. Democracia é ter como base o diálogo, o respeito mútuo, a empatia. É nela que podemos protestar e seguir lutando pelo que acreditamos. Podemos ter opções, criticar e ser oposição. É nesse sistema, e apenas nele, que podemos escolher o que é melhor para nós e de forma justa. A democracia é um valor a ser exercido todo dia, não só a cada quatro anos. É algo que nos protege e nos fortalece. Nos faz cidadãos e mais humanos. A democracia é nossa maior conquista e precisamos cuidar dela. Sempre."

Debora Falabella, atriz

Debora Falabella, atriz - Crédito: Instagram/Reprodução


A mineira Debora Falabella também votou neste domingo, em Belo Horizonte (MG). A atriz estava com um adesivo vermelho no peito. Com o símbolo da Mulher Maravilha, o selo tem o nome Manuela, em referência à vice do candidato Fernando Haddad (PT).

A obra "O Livro das Semelhanças", de Ana Martins Marques, foi a escolha de Deborah para levar às urnas. "Votando em BH com o coração cheio de esperança e acompanhada pela poesia mineira de Ana Martins Marques". Poucos dias antes da votação para o segundo turno, Debora Falabella se uniu a outros artistas para conversar com eleitores indecisos.

 

Veja também

Renata Sorrah será a nova vilã da continuação de 'Verdades Secretas'
Streaming

Renata Sorrah será a nova vilã da continuação de 'Verdades Secretas'

Morre icônico jornalista dos EUA Larry King, de Covid-19
Coronavírus

Morre icônico jornalista dos EUA Larry King, de Covid-19