As vozes do Janeiro de Grandes Espetáculos

Festival de artes cênicas também dá espaço à música, com 12 espetáculos musicais evidenciando as culturas pernambucana e brasileira

Na reunião, estiveram presentes cerca de 30 deputados de regiões afetadas pelas mudanças na legislação produzidas pelo Governo Federal. Na reunião, estiveram presentes cerca de 30 deputados de regiões afetadas pelas mudanças na legislação produzidas pelo Governo Federal.  - Foto: Divulgação

Mesmo com a subtração dos patrocínios do BNDES e da Chesf, além do corte no apoio da Prefeitura do Recife, o 22º Janeiro de Grandes Espetáculos reafirmou seu compromisso com a música contando com atrações do segmento quase diariamente. Programado para ocorrer entre os dias 12 e 29 deste mês, o festival contará com doze espetáculos musicais que buscam evidenciar a cultura pernambucana. Todos os shows serão bancados pela bilheteria, que tem valores entre R$ 20 e R$ 80.

Até mesmo a baiana Margareth Menezes irá explorar o universo do Estado através do show “Mestres do Mundo”, em que interpretará o repertório dos sanfoneiros pernambucanos Luiz Gonzaga e Dominguinhos, além do paraibano Sivuca. O instrumento entra em cena sob o comando de Beto Hortis, que irá tocar um acordeon de 120 baixos na apresentação, marcada para o dia 25, no teatro de Santa Isabel.

Outro nome de fora, a carioca Alaíde Costa comemora os 80 anos de idade com o show “Porcelana”, que faz em parceria com o pernambucano Gonzaga Leal no mesmo espaço no dia 18, trazendo à tona músicas de Capiba, Alceu Valença e Caetano Veloso, entre outros.

“Na música, todos vão pela bilheteria, senão a gente não tinha uma grade, mas conseguimos reunir um time forte e estamos satisfeitos com isso. Nossa base é o teatro, depois a dança e só depois a música, mas é um segmento que tem se fortalecido dentro do evento. Sempre buscamos não repetir atrações do ano anterior e oferecer uma boa variedade para o público, desde o clássico até o popular”, explicou o curador Paulo de Castro, sobre o critério de escolha, que abrange desde o rock progressivo e a psicodelia de Zé da Flauta e Ave Sangria até o romantismo da potiguar Núbia Lafayette, cujos sucessos ganharão a voz de Cristina Amaral. As apresentações acontecerão nos dias 27 e 21, nos teatros Luiz Mendonça e Santa Isabel, respectivamente.

Outro homenageado será o compositor pernambucano Accioly Neto, falecido em 2000, que terá seu repertório revisitado por antigos amigos, como Irah Caldeira, Petrúcio Amorim e Santanna, o Cantador, por exemplo. A iniciativa faz parte das ações de relançamento do disco “Meu Forró”, reeditado no ano passado, trazendo alguns sucessos do autor, como “Espumas ao Vento” e “Lembrança de um Beijo”. No entanto, nem só de memória se faz a programação musical do festival, que também busca introduzir as novas gerações, como o cantor Romero Ferro, que irá apresenta o pop romântico do álbum de estreia “Arsênico”.

“A gente sempre lança um nome novo no festival. Neste ano, será a Sheyla Costa, que já tem uma estrada fora do País, mas é nova aqui. A gente fica tentando empurrar os artistas, porque é a nossa função”, defende ele, ao falar sobre a pernambucana, que viveu as últimas duas décadas na França. Em “Na Pele de Elis e Mais”, a cantora encara a difícil missão de revestir Elis Regina, além de fazer releituras de outros clássicos nacionais e franceses.

Dando vazão à expressividade regional, ainda estão programados os espetáculos “Mistura Fina”, explorando diferentes nuances do frevo com Elyanna Caldas, Quinteto Spok e Claudionor Germano, “Sons de Latada”, de Josildo Sá, e “Ao Amor, Onde o Amor Foi Demais”, em que Dalva Torres canta Antônio Maria. O experimentalismo ganha espaço com a pegada eletrônica de “Estesia”, do duo Pachka e Carlos Filho, e a performance do “Angu de Canções”, que mescla as linguagens do Coletivo Angu de Teatro e do cantor Juliano Holanda.

Programação 

Meu Forró - Homenagem a Accioly Neto
Onde: Teatro de Santa Isabel
Quando: 13 de janeiro (sexta-feira), 20h
Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada)

O show homenageia o cantor e compositor Accioly Neto, natural de Goiana, falecido no ano 2000, autor de sucessos como “Espumas ao Vento”, “Lembrança de Um Beijo” e “A Natureza das Coisas”, entre tantas outras canções. Reunindo amigos no palco, a apresentação musical aproveita o relançamento este ano do último CD gravado por Accioly Neto, ainda em 2001, intitulado "Meu Forró", pela gravadora Special, agora sob a iniciativa da Passadisco. Músicos: Petrúcio Amorim, Rogério Rangel, André Macambira, Irah Caldeira e Santanna, o Cantador, Bia Marinho e o grupo Encanto e Poesia.

Mistura Fina - Elyanna Caldas, Spok e Claudionor Germano
Onde: Teatro de Santa Isabel
Quando: 14 de janeiro, (sábado), 20h
Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada)

Neste show musical, a abertura fica com a premiada pianista Elyanna Caldas visitando a obra de Ernesto Nazareth. Na sequência, o maestro Spok, acompanhado por quatro músicos, revela o caráter mais intimista do seu Quinteto Spok num repertório repleto de frevos de rua, canção e bloco, baiões, caboclinhos e cirandas, em roupagem onde a liberdade dos instrumentistas também se faz presente. E, para encerrar esta “Mistura Fina”, o cantor Claudionor Germano entra em cena tendo como convidados Expedito Baracho, Bozó, Beto do Bandolim e George Rocha para interpretar canções do mestre Capiba.

Ao Amor, Onde o Amor Foi Demais - Dalva Torres
Onde: Teatro de Santa Isabel
Quando: 15 de janeiro (domingo), 19h
Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada)

Neste show, a cantora, compositora e instrumentista Dalva Torres canta um dos mais emblemáticos compositores do Brasil, o recifense Antônio Maria, e convida o intérprete Xico de Assis.

Arsênico - Romero Ferro
Onde: Teatro de Santa Isabel
Quando: 17 de janeiro (terça-feira), 20h
Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada)

O show integra a “Arsênico Tour” do cantor e compositor pernambucano Romero Ferro, que está divulgando pelo país seu primeiro disco batizado de “Arsênico”, gravado no Fábrica Estúdios, produzido pelo produtor carioca Diogo Strauzs e lançado em 2016.

Porcelana - Alaide Costa e Gonzaga Leal
Onde: Teatro de Santa Isabel
Quando: 18 de janeiro (quarta-feira), 20h
Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada)

Entre a paixão e o poema, a carioca Alaíde Costa - que celebra seus 80 anos - e o pernambucano Gonzaga Leal cantam não os seus ofícios, mas os seus vícios. Humano, sobre humano, por isso recorrem à poética de Capiba, Zé Miguel Wisnik, Caetano Veloso, Alceu Valença, Consuelo de Paula, Socorro Lira, João Cavalcanti, entre outros.

Sheyla Costa na Pele de Elis e Mais
Onde: Teatro Apolo
Quando: 19 de janeiro (quinta-feira), 20h
Quanto: R$ 30 e R$ 15 (para cada sessão)

A compositora, intérprete e multiinstrumentista Sheyla Costa, após duas décadas morando na França, apresenta um show relembrando momentos da "Pimentinha" Elis Regina e outras releituras irreverentes de grandes clássicos da música brasileira e francesa, indo do frevo a Chico Science, passando por Edith Piaf.

Estesia
Onde: Teatro Luiz Mendonça
Quando: 20 de janeiro (sexta-feira), 20h30
Quanto: R$ 40 e R$ 20 (para cada sessão)

O encontro do duo PACHKA, formado pelos músicos Miguel Mendes e Tomás Brandão, com o vocalista e compositor da Bandavoou, Carlos Filho, e o iluminador cênico Cleison Ramos. Este projeto, cujo embrião surgiu em dezembro de 2015, propõe um diálogo entre gerações musicais.

Para Núbia, com Amor, Cristina
Onde: Teatro de Santa Isabel
Quando: 21 de janeiro (sábado), 20h
Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada)

O ano de 2017 marca os 10 anos da morte de uma das cantoras mais importantes da música romântica: a potiguar Núbia Lafayette. A diva, que se estivesse viva faria 80 anos também em 2017, tem um dos repertórios mais derramados da MPB, no qual se destacam pérolas como “Devolvi” e “Casa e Comida”. A cantora Cristina Amaral preparou este show que inclui canções imortalizadas pela artista e realça a forte ligação que ela tinha com o Recife.

Sons Da Latada - Josildo Sá
Onde: Teatro de Santa Isabel
Quando: 24 de janeiro (terça-feira), 20h
Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada)

A carreira de sucesso que Josildo Sá vem trilhando é a certeza de que a mistura do aboio, baião, forró, blues e samba de latada tem dado certo. Para brindar quinze anos de trajetória artística, ele conta a sua história musical, influências e realizações através do seu novo trabalho, o DVD “Sons da Latada”.

Margareth Menezes em Mestres do Mundo
Onde: Teatro de Santa Isabel
Quando: 25 de janeiro (quarta-feira), 20h30
Quanto: R$ 80 e R$ 40 (meia-entrada)

O show busca valorizar a obra de três compositores nordestinos que utilizaram o mesmo instrumento, a sanfona, ainda que com estilos diferentes, mas cheios de riquezas rítmicas e poéticas: Sivuca, Dominguinhos e Luiz Gonzaga. Na sanfona, Beto Hortis.

Angu de Canções
Onde: Teatro de Santa Isabel
Quando: 26 de janeiro (quinta-feira), 20h
Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada)

O show inédito promove o encontro do Coletivo Angu de Teatro com um dos maiores artistas da cena musical contemporânea pernambucana/nacional, Juliano Holanda. Participações especiais: Almério e Henrique Macedo.

Zé da Flauta e Ave Sangria - Noite da Psicodelia Nordestina
Onde: Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu)
Quando: 27 de janeiro (sexta-feira), 21h
Quanto: R$ 80 e R$ 40 (meia-entrada)

A programação conta com dois shows distintos, intrínsecos e sinérgicos: Zé da Flauta, em show de lançamento do seu primeiro CD solo, intitulado “Psicoativo”, e a banda Ave Sangria, com o seu visceral e nacionalmente consagrado show autoral “O Novo Voo da Ave Sangria”.

Classificação etária: a partir dos 12 anos 


 

Veja também

Justiça dá medida protetiva a Steven Spielberg contra fã que o ameaça de morte
Famosos

Justiça dá medida protetiva a Steven Spielberg contra fã que o ameaça de morte

Anitta e Ludmilla usam tops iguais, mas com diferença de R$ 10 mil no 'look'
Celebridades

Anitta e Ludmilla usam tops iguais, mas com diferença de R$ 10 mil no 'look'